Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
COLUNA

Sobre estupro, racismo, homofobia, etc

O principal problema do Brasil é a falência completa do sistema de educação

20ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.
20ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Fotos Públicas

Muito mais que a corrupção, o principal problema do Brasil é a falência completa do sistema de educação, desmontado ao longo do Governo militar, abandonado nos governos de José Sarney e Fernando Collor e enterrado no Governo Fernando Henrique Cardoso. Mesmo a administração dita de esquerda de Luiz Inácio Lula da Silva, que demonstrou certa preocupação com o nível universitário, limitou-se a ampliar o número de vagas, não a melhorar a qualidade do ensino. O Brasil mantém-se entre os dez piores países em rendimento escolar do mundo, segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Para tentar formular uma política de mudança deste quadro desastroso, o ministro da Educação, Mendonça Filho, recebeu em audiência oficial o ator pornô Alexandre Frota, o líder do Revoltados On Line, Marcelo Reis, e a procuradora aposentada Beatriz Kicis, coordenadora dessa entidade que organizou passeatas, junto com o Movimento Brasil Livre (MBL), a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Alexandre Frota, Marcelo Reis e Beatriz Kicis foram pedir ao ministro Mendonça Filho o “fim da ideologia política e de gênero nas escolas”.

De acordo com eles, o principal problema do ensino oferecido no Brasil é o doutrinamento das crianças e jovens pelos professores “comunistas” que defendem um pensamento “de esquerda”. Portanto, seguindo esse raciocínio simplista, basta proibir a discussão de ideias em sala de aula e teremos contribuído de maneira cabal para melhorar o sistema de educação. Frota, Reis e Beatriz Kicis ignoram de fato a realidade das escolas, que lutam contra a falta de infraestrutura adequada (prédios, móveis, bibliotecas, computadores), a desmotivação dos professores (baixos salários, desprestígio na sociedade, desrespeito de alunos e pais de alunos), a má qualificação dos profissionais envolvidos (professores, diretores e funcionários), o desinteresse de pais e mães em relação à vida escolar, e, como resultado de tudo isso, a falta de estímulo dos alunos.

Este momento que vivemos no Brasil, de intolerância, de sectarismo, de fanatismo, deve-se à ausência de aprendizado do debate. Somos fruto de uma sociedade hipocritamente consensual, pouco afeita à discussão, com um viés autoritário. Ao invés de impedir a circulação de ideias no ambiente escolar devemos é promovê-la, ampliá-la, incentivá-la, pois a educação válida é aquela que nos capacita para o exercício da cidadania, única garantia para uma sociedade democrática. Acreditar que todos os professores da rede pública de ensino são “comunistas” é tratar a categoria com desdém – e acreditar que os alunos são vulneráveis à doutrinação é não compreender o papel da escola.

A educação de uma criança é um movimento compartilhado pela família e pelo Estado. Em casa, adquirimos conhecimentos gerais e recebemos noções morais e éticas, valores que, introjetados, constituirão nosso ser pelo resto da vida. Na escola, espaço privilegiado de socialização, recebemos instrução, ou seja, somos alfabetizados, organizamos os conhecimentos gerais e exercitamos as noções morais e éticas. Reivindicar uma educação neutra é desejar uma sociedade de adultos alienados. A escola pode apenas reforçar ou contrastar valores sustentados pela família – e é por meio desse embate que formulamos nossa própria visão de mundo. Acreditar no poder único de um professor ou mesmo de uma escola na doutrinação de uma criança ou de um jovem é admitir a falência completa da família.

Aliás, o ministro da Educação é a maior prova disso. Filho do latifundiário José Mendonça Bezerra, deputado estadual em Pernambuco pela Arena e depois deputado federal por seis mandatos consecutivos pelo PDS depois PFL e depois DEM, Mendonça Filho estudou na Escola Parque de Recife, uma instituição de ensino de esquerda, que tem entre suas fundadoras duas professores até hoje filiadas ao PT. Ele mesmo admite que vivia em um ambiente de ideias totalmente opostas às que mantinham em casa. E, no entanto, Mendonça Filho fez toda sua carreira política em partidos de centro-direita.

Você que me acompanhou até aqui pode estar se perguntando: mas, afinal, o que tem a ver o título com o conteúdo deste artigo? Tem tudo a ver. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal que uma mulher seja estuprada a cada 11 minutos e que a cada hora e meia uma mulher seja morta. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal não termos professores negros, políticos negros, médicos negros, engenheiros negros, escritores negros, jornalistas negros. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal o homicídio de 381 homossexuais no último ano. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal que tenhamos 150 pessoas assassinadas por dia. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal a morte de 42.000 pessoas por ano em acidentes de trânsito. Um país sem educação – sem pensamento crítico – acha normal um ministro discutir planos de educação com um ator pornô, um obscuro empresário e uma promotora aposentada.

MAIS INFORMAÇÕES