Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Luis Suárez é coroado

O uruguaio marca três vezes e se confirma como artilheiro do Espanhol e do continente

Barcelona campeão espanhol
Luis Suárez festeja seu segundo gol contra o Granada.

Protestava com energia uma mão na bola do rival que entendia, equivocadamente, como pênalti, lutava com ousadia contra os zagueiros para conquistar um pedaço do campo, e diante da mínima possibilidade, girava para se concentrar no gol adversário, seu alvo preferido, com o qual se encontrou pontualmente em quase cada partida do Campeonato Espanhol. E, claro, Luis Suárez também fez a sua inconfundível comemoração, na qual beija os três dedos, pelos seus filhos e sua mulher, para depois simular um pistoleiro. Uma celebração que, aliás, repetiu três vezes no estádio Los Cármenes, para engordar a expressiva conta que o tornou artilheiro de La Liga com 40 gols, mais de um por partida, e cinco a mais que Cristiano Ronaldo, o segundo nessa estatística. Os gols de sábado também serviram para selar o título do Barcelona e certificá-lo como o Chuteira de Ouro do continente.

Com o Granada totalmente fechado e buscando os contra-ataques ocasionais na sua própria casa, foram os laterais do Barça que desobstruíram o encontro, aproveitando os espaços pelos lados. Para isso, ajudou a mobilidade de Neymar, jogador que deu um pequeno susto no aquecimento ao colocar a mão na parte posterior do músculo e foi tratado pelo preparador físico, Rafael Pol. Mas quando a bola começou a rolar, ficou claro que não havia nenhum problema; o brasileiro encarou Rubén Pérez e lhe deu um rolinho, com o qual o adversário não lidou muito bem, porque pisou no seu tornozelo. E voltou a se levantar o camisa 11, de quem seus companheiros reclamavam toda vez que media forças com Lombán, zagueiro ex-azul-grená, convertido em lateral, que não brilha pela aceleração. Ainda assim, aproveitou o posicionamento do zagueiro para receber a bola em uma jogada destinada a ser gol, uma assistência de Messi que Neymar esteve a ponto de arrematar. Um pequeno contratempo para o brasileiro, que depois tabelou com Jordi Alba (que entendeu que pelos lados chegava-se ao gol), em bola que foi posteriormente empurrada às redes por Luis Suárez.

Foi Daniel Alves quem introduziu o fator surpresa com suas subidas pela direita. Mascherano fez um lançamento um pouco exagerado, mas a fé do lateral, que correu até a linha de fundo, foi suficiente para chegar a tempo e cruzar para que novamente o camisa 9 marcasse. Desta vez, com a cabeça, o quinto gol que fez assim em La Liga. Fez outros quatro com a perna esquerda, e o resto (29), com a direita. Todos, isso sim, foram convertidos dentro da área, seu verdadeiro habitat natural.

No começo do segundo tempo, circulou a informação de que Cristiano Ronaldo havia sido substituído contra o Deportivo La Coruña, e, portanto, ninguém impediria Suárez de ser o artilheiro da Europa; a segunda vez que isso acontece porque também conquistou esse prêmio em 2014, embora naquela ocasião tenha tido que compartilhá-lo com o próprio português, ambos com 31 gols. Mas ter assegurado a artilharia pouco importava para Luis Suárez, pois, se a alcançou, foi pela sua persistência, sua intensidade e determinação em qualquer bola e em qualquer momento. Por isso, quase completa um cruzamento de Alves, na cara do gol, e por isso chegou ao hat-trick ao aproveitar uma assistência de Neymar. 40 gols, um título espanhol, artilheiro de La Liga e Chuteira de Ouro. Suárez, o rei do gol, foi coroado.

MAIS INFORMAÇÕES