Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Temer tenta se desligar de Dilma em ação para evitar sua cassação

Defesa do vice pede que seja divido processo contra a chapa que o levou com Dilma ao Planalto

Michel Temer na segunda-feira.
Michel Temer na segunda-feira. REUTERS

A crise política abriu um abismo entre a presidenta Dilma Rousseff e o vice-presidente da República, Michel Temer. E o peemedebista quer ainda mais distância e já pensa num cenário pós-impeachment. A defesa de Temer solicitou nesta quarta-feira ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o processo que pede a cassação da chapa que levou os dois ao Palácio do Planalto seja dividido. Para a defesa do vice-presidente, que pode assumir o comando do país se o processo de impeachment de Dilma for aceito pelo Senado, Temer não deveria receber a mesma sanção que Dilma caso o TSE julgue procedente a ação apresentada pelo PSDB.

Dilma e Temer, juntos na mesma chapa, receberam 54 milhões de votos em 2014. A ação dos tucanos no TSE acusa a campanha da petista, entre outras coisas, de "abuso do poder econômico" ao receber dinheiro ilegal do esquema investigado na Lava Jato. A tese é que o dinheiro sujo contaminou, além do uso da máquina na campanha, o resultado, que deve ser invalidado. A defesa de Temer argumenta que o vice-presidente teria movimentado seus próprios recursos, e deveria responder apenas por eles. A defesa de Temer pede ainda que sejam extintas duas das quatro ações que tramitam no TSE sobre a questão. As duas ações questionadas foram ajuizadas pela coligação Muda Brasil, da campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência, e pelo PSDB.

Gilmar Mendes, vice-presidente do TSE que deve assumir o comando do tribunal em maio, disse que o tribunal tem, inicialmente, uma posição "contra a divisibilidade da ação", mas disse que o tema só vai ser discutido depois do impeachment. "Tem que aguardar. Vamos esperar primeiro o desfecho do processo do impeachment e, depois, vamos analisar essa questão. Inicialmente, o tribunal tem uma posição contra a divisibilidade da ação. Mas certamente agora podemos ter um quadro novo, se eventualmente ocorre a suspensão ou mesmo o afastamento da presidente. Isso terá que ser devidamente analisado ", disse Mendes.

A tentativa de Temer de se separar de Dilma no TSE ocorre a quatro dias da votação do processo de impeachment da presidenta na Câmara. Nesta semana, o vice já havia virado notícia por conta da divulgação de um áudio supostamente gravado como ensaio para a eventualidade da aprovação do impedimento na Câmara. No dia seguinte, Temer deu uma entrevista para falar abertamente sobre a possibilidade de vir a assumir a Presidência da República. As movimentações levaram a presidenta a afirmar que seu vice conspira por um golpe em conversa com jornalistas nesta quarta.

Dizendo-se sentir um "vice decorativo" de Dilma em carta tornada pública em dezembro, Temer já havia tentado marcar distância da presidenta em outra ocasião. Quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello determinou que a Câmara abrisse processo de impeachment de Temer, alegando que ele seria co-responsável pelas pedaladas de 2015 que constam do pedido de destituição da presidenta, a defesa de Temer argumentou que ele não havia firmado nada que comprometesse o orçamento. No parecer que saiu da comissão de impeachment, Dilma é responsabilizada por seis decretos de crédito suplementar que teriam elevado gastos do Governo desrespeitando a meta fiscal vigente. O vice, porém, também assinou quatro decretos do gênero, quando a presidenta estava no exterior no primeiro semestre. Segundo Temer, ele assinou esses documentos sem que a meta fosse ultrapassada, além de tê-lo feito por ordem da mandatária.

Distância

Desde que os apoiadores do Governo Dilma voltaram suas baterias contra Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) assumiu a posição de escudeiro do vice-presidente. Agora como presidente nacional do PMDB, Jucá tem batido na tecla de que os peemedebistas têm muito pouco a ver com os erros que levaram o Governo à atual crise. "A política econômica e a condução política. Nenhuma delas teve a condução do PMDB. As duas questões basilares nas quais o Governo falhou não foram tocadas pelo PMDB. E o Michel não era ouvido neste processo", disse Jucá em entrevista ao EL PAÍS.

O próprio Temer demarcou posição, em seu áudio vazado, em relação a temas polêmicos nos quais  Dilma não conseguiu avançar em seu Governo. "Há matérias controvertidas, como matéria referente à legislação trabalhista e à legislação previdenciária, que nós vamos fazer com grande diálogo nacional, onde nenhum setor será esquecido. Nem dos trabalhadores, nem dos empresários, nem do povo brasileiro", prometeu em seu "ensaio" o vice-presidente. Caso assuma o Palácio do Planalto, Temer só conseguirá cumprir essas promessas se convencer o TSE de que nada tem a ver com as contas de campanha de Dilma. O processo deve ser julgado em 2017.

MAIS INFORMAÇÕES