António Lobo Antunes: “Ninguém escreve como eu. Nem eu mesmo”

O autor vivo mais importante da língua portuguesa publica na Espanha ‘Sôbolos Rios que Vão’

É uma transcrição literária, terna e terrível como toda sua obra, da doença que há alguns anos o deixou à beira da morte

António Lobo Antunes acende um cigarro na sala de sua casa de Lisboa, durante a entrevista. / FRANCISCO SECO

Lá fora, a tarde em Lisboa é cinzenta e fria, com um feio aguaceiro que parece não se cansar nunca de ameaçar. Dentro, em sua casa de bairro pobre, como ele diz, António Lobo Antunes (Lisboa, 1942), rodeado de livros por todas as partes, de frases de escritores anotadas na parede, fuma sem parar, sorri com frequência, brinca, convida para uma grapa e coloca a cinza, invariavelmente, no maço vazio do Marlboro light. Percebe-se que está contente. Há dois anos, o escritor português, candidato ao Nobel e autor de um punhado de obras-primas pelas quais qualquer romancista mataria —Fado Alexandrino, Esplendor de Portugal, A Ordem Natural das Coisas, Manual dos Inquisidores, Os Cus de Judas...— recebeu este correspondente na pequena mesa do canto onde se senta para trabalhar dia após dia, com o ânimo no chão pelo fato de que, segundo ele, provavelmente não iria terminar mais nenhum livro. Desde então escreveu dois romances ou, como diz com seu sorriso irônico, “duas coisas”. Daí o sorriso de quem não se concebe senão escrevendo. Na Espanha está sendo publicado agora Sôbolos Rios que Vão (No Brasil, publicado pela editora D.Quixote em 2010), em que narra sua passagem pelo hospital em 2007, para ser operado de um câncer que superou. A experiência, isso sim, está descrita da maneira alucinada, intensa e poética deste escritor dono de um universo próprio. Por isso, além de enfermeiras, médicos, aparelhos, comprimidos e um paciente chamado Lobo Antunes à mercê do destino e do tique-taque do relógio da morte, o protagonista soberano é a infância.

Pergunta. Então o senhor acabou superando a crise criativa.

Resposta. É que os começos dos livros são terríveis. Recomeçar, recomeçar... às vezes me entretenho a escrever ao modo de Scott Fitzgerald ou Gómez de la Serna ou copio páginas de outros para aprender. Copio, que sei eu, de Balzac. Assim aprendo.

P. Mas ainda precisa aprender? Ainda não está seguro com sua escrita?

Talvez um livro não seja mais do que uma eficaz, solitária e longa palavra”

R. Veja: eu depois dos cânceres já não minto. Eu sei que ninguém escreve como eu. Nem eu mesmo. O desafio é chegar a cada dia mais longe, a cada dia fazer melhor, chegar mais perto. Observe o teatro de Tchekhov: espanta que em poucas frases aparentemente simples, como “tenho frio” ou “finalmente cheguei”, possa transmitir gama tão grande de sentimentos. Tudo à base de trabalho: tenho fotocópias de seus manuscritos, e estão cheiíssimos de correções.

P. Neste Sôbolos Rios que Vão aparece, a par com a doença e a sombra da morte, a infância. Por que?

R. Minha intenção era… Bom, não tinha nenhuma intenção, só que não me apetecia falar da morte. Me apetecia falar da vida. Eu não sou crítico nem teórico da literatura, assim, pois, não posso responder bem a essa pergunta. Mas talvez seja por isso. Para mim a infância é a saúde, a vida, a alegria, a esperança... Mas não sei explicá-lo bem. Simplesmente tinha que ser assim. Quando escreves, tens a sensação de que é inevitável que seja assim.

P. Fala como se os livros já estivessem escritos antes de escrevê-los...

O autor, com o manuscrito do livro que está terminando. / FRANCISCO SECO

R. Sim, como estátuas enterradas no jardim que há que desenterrar, e depois limpar e limpar. Talvez um livro seja uma eficaz, solitária e longa palavra

P. E o senhor? Saiu diferente do hospital?

R. Continuei sendo o mesmo. Mas há coisas de que de repente comecei a gostar muitíssimo. O sol, por exemplo, um dia de sol, um dia bonito, o fato mesmo de estar aqui, os dois a falar. Estar vivo é um privilégio, um acaso e um privilégio. Embora, sabe o que mais me impressionou do hospital?

P. O quê?

O espetáculo da covardia é horrível, te reduz a um ser miserável”

R. A imensa dignidade das pessoas, dos enfermeiros da unidade de oncologia. Todos eram príncipes. Era um hospital do Estado, por isso havia gente pobre, a se portar com uma dignidade de aristocratas, com coragem, nunca ouvi uma queixa, não ouvi ninguém a rogar ou pedir “salve-me”. As pessoas aguentavam caladas, a sorrir, saudando-te, desejando melhoras, muitas delas com metástase por todas as partes. Sabias que iriam morrer, e morriam sem se queixar, sem medo. Eu vi gente a se borrar) de medo na guerra. E o espetáculo da covardia é horrível. Vi assim um tenente: todos os oficiais lhe davam pontapés e o insultavam, e o tipo não fazia outra coisa a não ser chorar. A covardia, fisicamente é feia. Te reduz a um ser miserável, despojado de toda a dignidade de homem.

P. O senhor esteve 15 meses na guerra colonial. O que significaram?

R. Não sei lhe dizer. Talvez o senhor e eu, todos, nasçamos com uma ideia que não nos abandona nunca. Eu não tenho certezas, nem respostas. Só escrevo livros. Eu gostaria que mudassem o mundo, mas não vão mudar nada. Embora talvez sejam uma companhia, um prazer para algumas pessoas. Eu sou apenas um sujeito que escreve livros e espero morrer com a mesma inocência. No fim das contas, somos muito inocentes. Vem um médico, te diz que tu vais te curar, que vais melhorar, e tu acreditas...

P. Neste livro diz que sua mãe curava tudo com uma aspirina.

R. Quem me dera estivesse minha mãe com sua aspirina….

P. Não pensou alguma vez que se acabou, já não escrevo mais?

R. Mas, como vou pensar isso? Se há tanto por escrever... De qualquer forma, isto ficará em algum momento interrompido. Definitivamente interrompido.

P. Em Portugal é muito conhecido também por suas crônicas em revistas e jornais...

R. Isso só faço porque pagam bem. As pessoas gostam porque são como piscinas para crianças. É impossível afogar-se. Os livros, por sua vez, são feitos para que se afoguem. Comecei a fazer essas crômicas com meu amigo José Cardoso Pires, de quem sinto muita saudade.

P. Sempre fala muito de seus amigos.

R. A amizade é como o amor: instantânea e absoluta. Conheces alguém e te transformas em seu amigo de infância, mesmo que já tenhas 40 anos. Para mim é o sentimento mais importante.

P. Mais que o amor?

R. E que é o amor? O senhor sabe?

P. Bom, eu sou apenas o que faz as perguntas.

R. Que conveniente isso. Por que não trocamos?

Otras noticias

Webs de PRISA

cerrar ventana