Retrato fotográfico do medo de voar

Retrato fotográfico do medo de voar

8 fotos

Companheiros de viagem que são estranhos. Pilotos desconhecidos com centenas de vidas em suas mãos. Estresse, angústia. O medo de viajar em avião, retratado como um pesadelo com tons cinematográficos.

  • "Nós nos sentamos literalmente suspensos na atmosfera em meio a estranhos".
    1"Nós nos sentamos literalmente suspensos na atmosfera em meio a estranhos".
  • Uma mulher olha para o infinito ao lado da fuselagem abandonada de um avião de passageiros.
    2Uma mulher olha para o infinito ao lado da fuselagem abandonada de um avião de passageiros.
  • Em suas imagens, a fotógrafa Besana constrói a história através dos diferentes papéis a bordo de um avião.
    3Em suas imagens, a fotógrafa Besana constrói a história através dos diferentes papéis a bordo de um avião.
  • Retratos de passageiros durante o voo.
    4Retratos de passageiros durante o voo.
  • "Durante minha vida como fotógrafa, conheci muitas pessoas com fobia de voar e que, em ocasiões, têm que viajar a trabalho", explica Guia Besana, a autora destas imagens.
    5"Durante minha vida como fotógrafa, conheci muitas pessoas com fobia de voar e que, em ocasiões, têm que viajar a trabalho", explica Guia Besana, a autora destas imagens.
  • Nesta imagem perturbadora, a fotógrafa retrata uma passageira fictícia de um voo acidentado em alto mar. Ela leva nas mãos objetos de sua vida em terra firme: Sujeita em suas mãos objetos de sua vida em terra firme: uma cadeira de couro acolchoada e um abajur.
    6Nesta imagem perturbadora, a fotógrafa retrata uma passageira fictícia de um voo acidentado em alto mar. Ela leva nas mãos objetos de sua vida em terra firme: Sujeita em suas mãos objetos de sua vida em terra firme: uma cadeira de couro acolchoada e um abajur.
  • Duas mulheres em frente a uma fuselagem abandonada.
    7Duas mulheres em frente a uma fuselagem abandonada.
  •   Odeio voar   Este relato fotográfico nasce do meu medo de voar. Subi pela primeira vez em um avião aos quatro ou cinco anos. Havia tempestades e minha mãe estava assustada. Não lembro da minha experiência, mas sim dela. Sabia que meus irmãos viajavam em barco com meu pai e senti a separação. Acho que esse contexto teceu lentamente meu medo. Durante minha vida como fotógrafa, conheci muitas pessoas com fobia de aviões e que, em ocasiões, têm que voar a trabalho. Eu também o faço. Quando compreendi que viajar em avião gera medo e ansiedade a uma grande quantidade de gente, senti a necessidade de criar imagens relacionadas. Com esta série,  Carry On , enfrento-me metaforicamente a conceitos como existência, controle e tempo através da ideia do medo ao voo: tempo que nos preocupa não viver plenamente, vidas que confiamos a um piloto que não conhecemos e que sentimos que poderiam ser interrompidas de repente. Trata-se da inquietude de não ser donos dos acontecimentos em um mundo onde tratar de ter o controle se converteu em uma compulsão. Levamos nossas emoções com nossa bagagem de mão.
    8
    Odeio voar
    Este relato fotográfico nasce do meu medo de voar. Subi pela primeira vez em um avião aos quatro ou cinco anos. Havia tempestades e minha mãe estava assustada. Não lembro da minha experiência, mas sim dela. Sabia que meus irmãos viajavam em barco com meu pai e senti a separação. Acho que esse contexto teceu lentamente meu medo. Durante minha vida como fotógrafa, conheci muitas pessoas com fobia de aviões e que, em ocasiões, têm que voar a trabalho. Eu também o faço. Quando compreendi que viajar em avião gera medo e ansiedade a uma grande quantidade de gente, senti a necessidade de criar imagens relacionadas. Com esta série, Carry On, enfrento-me metaforicamente a conceitos como existência, controle e tempo através da ideia do medo ao voo: tempo que nos preocupa não viver plenamente, vidas que confiamos a um piloto que não conhecemos e que sentimos que poderiam ser interrompidas de repente. Trata-se da inquietude de não ser donos dos acontecimentos em um mundo onde tratar de ter o controle se converteu em uma compulsão. Levamos nossas emoções com nossa bagagem de mão.