Seleccione Edição
Login
A ponte de Ou Bein, realizado em madeira de teca e com 1.000 postes, cruza o lago Taungthaman cerca de Amarapura (Myanmar).
A ponte de Ou Bein, realizado em madeira de teca e com 1.000 postes, cruza o lago Taungthaman cerca de Amarapura (Myanmar). GETTY IMAGES

12 pontes que vale a pena atravessar uma vez na vida

12 fotos

Feitas de madeira, pedra, aço e até vidro. Históricas ou ultramodernas. Fixas ou cambaleantes, erguidas em pilares ou suspensas no vácuo. Passarelas que se tornaram atrações turísticas

  • Construída para agilizar as conexões entre as ilhas japonesas de Honshu e Shikoku, a Via Expressa Nishiseto não é uma ponte única, mas dez, que saltam ao longo de 60 quilômetros entre as ilhotas marinhas do Mar de Seto para ligar as cidades de Hiroshima e Imbari. Embora outros dois sistemas de pontes cruzem essas mesmas águas, este é o melhor, por sua vista para o mar, pelas cidades por onde passa e por ser a única que também pode ser atravessada de bicicleta ou a pé. Embora leve a muitos pontos de interesse turístico, também é utilizada pelos habitantes da região em seu dia a dia. Para contemplar as pontes marítimas de Seto, você deve ir até a plataforma de observação de Hanaguri Seto, na ilha de Omi-shima, ou até o Monte Kiro-san, na ilha de O-shima.
    1Dez pontes em uma: autoestrada de Nishiseto (Japão) Construída para agilizar as conexões entre as ilhas japonesas de Honshu e Shikoku, a Via Expressa Nishiseto não é uma ponte única, mas dez, que saltam ao longo de 60 quilômetros entre as ilhotas marinhas do Mar de Seto para ligar as cidades de Hiroshima e Imbari. Embora outros dois sistemas de pontes cruzem essas mesmas águas, este é o melhor, por sua vista para o mar, pelas cidades por onde passa e por ser a única que também pode ser atravessada de bicicleta ou a pé. Embora leve a muitos pontos de interesse turístico, também é utilizada pelos habitantes da região em seu dia a dia. Para contemplar as pontes marítimas de Seto, você deve ir até a plataforma de observação de Hanaguri Seto, na ilha de Omi-shima, ou até o Monte Kiro-san, na ilha de O-shima. GETTY IMAGES
  • Mais do que uma ponte, é uma manifestação arquitetônica: esse enorme arco de aço que une as duas margens do Tyne é a primeira ponte oscilante do mundo. Sua rota rotativa - mas fixa em ambas as extremidades - fornece aos pedestres e ciclistas uma conexão divertida entre Gateshead e Newcastle, através da área portuária reabilitada. Além disso, como todo o conjunto - o caminho de pedestres e o arco de contrapeso, com 50 metros de altura - oscilam nas escoras, permite a passagem de grandes embarcações com uma manobra de baixo consumo. Muitos chamam de "Winking Eye Bridge" (ponte do olho piscando), pela sua forma e pela forma como ela sobe.   A ponte  liga o bairro artístico de Quays, que abriga, na margem sul, o recinto musical The Sage e o Centro BALTIC de Arte Contemporânea, com o Quayside de Newcastle, na costa norte.
    2A primeira ponte que bascula: Millennium bridge (Gateshead, Reino Unido) Mais do que uma ponte, é uma manifestação arquitetônica: esse enorme arco de aço que une as duas margens do Tyne é a primeira ponte oscilante do mundo. Sua rota rotativa - mas fixa em ambas as extremidades - fornece aos pedestres e ciclistas uma conexão divertida entre Gateshead e Newcastle, através da área portuária reabilitada. Além disso, como todo o conjunto - o caminho de pedestres e o arco de contrapeso, com 50 metros de altura - oscilam nas escoras, permite a passagem de grandes embarcações com uma manobra de baixo consumo. Muitos chamam de "Winking Eye Bridge" (ponte do olho piscando), pela sua forma e pela forma como ela sobe. A ponte liga o bairro artístico de Quays, que abriga, na margem sul, o recinto musical The Sage e o Centro BALTIC de Arte Contemporânea, com o Quayside de Newcastle, na costa norte. GETTY IMAGES
  • A ponte de Oresund liga a dinamarquesa Copenhage a Malmö, a terceira maior cidade da Suécia. Milhares de dinamarqueses e suecos viajam diariamente, além de muitos turistas, para se deslocarem do continente para a península escandinava. É um trabalho impressionante que consegue criar um efeito espetacular no mar, de modo que às vezes pode parecer uma ponte engolida pelas águas. A rota, por estrada ou por trem, é de 16 quilômetros, embora tecnicamente o comprimento correspondente à ponte seja menor do que a metade: em parte, é um túnel e o trânsito da seção subterrânea para o exterior ocorre em uma ilha artificial do Estreito de Oresund. Mas quando sai do túnel parece que está flutuando na água. A estrutura, com fio e serpentina, tem pilares que sobem para 200 metros, formando a ponte mais longa (para ferrovia e veículos) da Europa. Os trens atravessam a cada 20 minutos, conectando Copenhague e Malmö em cerca de 35 minutos. Mais informações:   oresundsbron.com
    3Dois países, uma ponte: Oresund (Suécia e Dinamarca) A ponte de Oresund liga a dinamarquesa Copenhage a Malmö, a terceira maior cidade da Suécia. Milhares de dinamarqueses e suecos viajam diariamente, além de muitos turistas, para se deslocarem do continente para a península escandinava. É um trabalho impressionante que consegue criar um efeito espetacular no mar, de modo que às vezes pode parecer uma ponte engolida pelas águas. A rota, por estrada ou por trem, é de 16 quilômetros, embora tecnicamente o comprimento correspondente à ponte seja menor do que a metade: em parte, é um túnel e o trânsito da seção subterrânea para o exterior ocorre em uma ilha artificial do Estreito de Oresund. Mas quando sai do túnel parece que está flutuando na água. A estrutura, com fio e serpentina, tem pilares que sobem para 200 metros, formando a ponte mais longa (para ferrovia e veículos) da Europa. Os trens atravessam a cada 20 minutos, conectando Copenhague e Malmö em cerca de 35 minutos. Mais informações: oresundsbron.com GETTY IMAGES
  • Com um trânsito de mais de 4,5 milhões de veículos por ano, o viaduto de Millau é uma obra de arte industrial e um feito técnico, concebido pelo arquiteto britânico Norman Foster e pelo engenheiro francês Michel Virlogeux. O projeto preliminar de sua construção durou 14 anos, mais outros três para construí-lo no leito do rio Tarn; abriu ao público em 2006.  O viaduto de Millau  é provavelmente a construção de grande escala mais bem construída em uma paisagem bucólica. Sob a ponte - a mais alta do mundo, com sete pilares de 343 metros de altura - há campos cultivados, o leito do rio Tarn e, nas proximidades, várias aldeias no sul da França. A torre do sino de Millau (aberta de junho a setembro) oferece uma boa vista do viaduto, assim como o centro de visitantes no extremo norte.
    4A ponte mais alta do mundo: viaduto de Millau (França) Com um trânsito de mais de 4,5 milhões de veículos por ano, o viaduto de Millau é uma obra de arte industrial e um feito técnico, concebido pelo arquiteto britânico Norman Foster e pelo engenheiro francês Michel Virlogeux. O projeto preliminar de sua construção durou 14 anos, mais outros três para construí-lo no leito do rio Tarn; abriu ao público em 2006. O viaduto de Millau é provavelmente a construção de grande escala mais bem construída em uma paisagem bucólica. Sob a ponte - a mais alta do mundo, com sete pilares de 343 metros de altura - há campos cultivados, o leito do rio Tarn e, nas proximidades, várias aldeias no sul da França. A torre do sino de Millau (aberta de junho a setembro) oferece uma boa vista do viaduto, assim como o centro de visitantes no extremo norte. GETTY IMAGES
  • Com suas torres gêmeas e cabos geométricos espessos, a famosa (e cinematográfica) Ponte do Brooklyn tem um passado um tanto sombrio: 27 homens morreram durante sua construção, entre 1869 e 1883. Atualmente, tanto seu esforço quanto a percepção do arquiteto são reconhecidos. John Roebling, que estimou a necessidade de incorporar uma grande passagem para pedestres até a estrutura: no final do século 19, a única maneira de atravessar o East River entre Nova York e Brooklyn (então cidades independentes) era por balsa. Quando foi inaugurada, foi a primeira ponte suspensa por cabos de aço e, durante 20 anos, permaneceu a mais longa de sua categoria no mundo. Hoje é uma das gravuras mais icônicas de Nova York, à frente da Ponte de Manhattan ou da Ponte Verrazano-Narrows, que liga Brooklyn a Staten Island; a de Queensboro, que une o Upper East Side de Manhattan com Long Island, no Queens; a de George Washington, que atravessa o rio Hudson (a oeste de Manhattan) para Nova Jersey, ou a ponte de Williamsburg.   O Brooklyn Bridge Park,  no Brooklyn, realiza sessões de cinema ao ar livre nas noites de verão, com Manhattan e a ponte como pano de fundo.
    5Uma estrela de cinema: ponte do Brooklyn (Estados Unidos) Com suas torres gêmeas e cabos geométricos espessos, a famosa (e cinematográfica) Ponte do Brooklyn tem um passado um tanto sombrio: 27 homens morreram durante sua construção, entre 1869 e 1883. Atualmente, tanto seu esforço quanto a percepção do arquiteto são reconhecidos. John Roebling, que estimou a necessidade de incorporar uma grande passagem para pedestres até a estrutura: no final do século 19, a única maneira de atravessar o East River entre Nova York e Brooklyn (então cidades independentes) era por balsa. Quando foi inaugurada, foi a primeira ponte suspensa por cabos de aço e, durante 20 anos, permaneceu a mais longa de sua categoria no mundo. Hoje é uma das gravuras mais icônicas de Nova York, à frente da Ponte de Manhattan ou da Ponte Verrazano-Narrows, que liga Brooklyn a Staten Island; a de Queensboro, que une o Upper East Side de Manhattan com Long Island, no Queens; a de George Washington, que atravessa o rio Hudson (a oeste de Manhattan) para Nova Jersey, ou a ponte de Williamsburg. O Brooklyn Bridge Park, no Brooklyn, realiza sessões de cinema ao ar livre nas noites de verão, com Manhattan e a ponte como pano de fundo. GETTY IMAGES
  • Faltam arcos e curvas, e o nível mais baixo está cheio de vendedores ambulantes de café e kebabs. Esta ponte em Istambul tem muita história sobre os seus ombros modernos, bem como ligando duas áreas culturalmente diferentes da antiga Constantinopla. A estrutura atual data de 1994, embora já houvesse uma passarela para cruzar o Corno de Ouro no século VI: era de madeira ancorada em pontões e era o trabalho mais ambicioso dos otomanos para modernizar a cidade. No século XIX, foi substituída por uma estrutura dimensionada para impressionar Napoleão e, no início do século XX, essa ponte foi transferida para sua localização atual, e as pessoas se reuniam nas tabernas instaladas em seu nível inferior, como pode ser visto em muitas gravuras de viajantes da época. Sua última reconstrução é de 1994, após um incêndio. Esta ligação é vital para Istambul e muitos cidadãos usam diariamente para viajar, conversar ou pescar. Os turistas vêm principalmente para o pôr do sol insuperável, com mesquitas cortadas em tons de rosa, e para contemplar o tráfego marítimo do Bósforo. Além disso, o nível mais baixo oferece bons restaurantes de peixe fresco. Os bondes também cruzam   a ponte de Gálata:  a linha T1 une a vista de Sultanahmet com as modernas lojas de Beyoglu.
    615 séculos cruzando o Corno de Ouro: ponte de Gálata (Turquia) Faltam arcos e curvas, e o nível mais baixo está cheio de vendedores ambulantes de café e kebabs. Esta ponte em Istambul tem muita história sobre os seus ombros modernos, bem como ligando duas áreas culturalmente diferentes da antiga Constantinopla. A estrutura atual data de 1994, embora já houvesse uma passarela para cruzar o Corno de Ouro no século VI: era de madeira ancorada em pontões e era o trabalho mais ambicioso dos otomanos para modernizar a cidade. No século XIX, foi substituída por uma estrutura dimensionada para impressionar Napoleão e, no início do século XX, essa ponte foi transferida para sua localização atual, e as pessoas se reuniam nas tabernas instaladas em seu nível inferior, como pode ser visto em muitas gravuras de viajantes da época. Sua última reconstrução é de 1994, após um incêndio. Esta ligação é vital para Istambul e muitos cidadãos usam diariamente para viajar, conversar ou pescar. Os turistas vêm principalmente para o pôr do sol insuperável, com mesquitas cortadas em tons de rosa, e para contemplar o tráfego marítimo do Bósforo. Além disso, o nível mais baixo oferece bons restaurantes de peixe fresco. Os bondes também cruzam a ponte de Gálata: a linha T1 une a vista de Sultanahmet com as modernas lojas de Beyoglu. GETTY IMAGES
  • Uma ponte que moldou uma cidade. Tal era a importância estratégica desse arco sobre o rio Neretva, originário do século XVI, que até tinha guardiões permanentes, o "mostari", de onde vem o nome de Mostar. A antiga passarela funcionou até 1993, quando foi bombardeada por milícias croatas durante a Guerra dos Balcãs. Em 2004, a nova e esplêndida estrutura foi revelada, pronta para os jovens pularem novamente e mergulharem nas águas que correm 21 metros abaixo, um ritual de inciação local por quase 450 anos. Declarada patrimônio da humanidade, a nova ponte serviu para curar as feridas ainda existentes em Mostar, a quinta maior cidade da Bósnia Herzegovina e a mais importante do sul do país. A maravilhosa estrada de ferro Ploče-Sarajevo passa por Mostar, que fica a duas horas (de trem) da capital da Bósnia.
    7Símbolo de uma guerra (e uma reconstrução): ponte de Mostar (Bósnia Herzegóvina) Uma ponte que moldou uma cidade. Tal era a importância estratégica desse arco sobre o rio Neretva, originário do século XVI, que até tinha guardiões permanentes, o "mostari", de onde vem o nome de Mostar. A antiga passarela funcionou até 1993, quando foi bombardeada por milícias croatas durante a Guerra dos Balcãs. Em 2004, a nova e esplêndida estrutura foi revelada, pronta para os jovens pularem novamente e mergulharem nas águas que correm 21 metros abaixo, um ritual de inciação local por quase 450 anos. Declarada patrimônio da humanidade, a nova ponte serviu para curar as feridas ainda existentes em Mostar, a quinta maior cidade da Bósnia Herzegovina e a mais importante do sul do país. A maravilhosa estrada de ferro Ploče-Sarajevo passa por Mostar, que fica a duas horas (de trem) da capital da Bósnia. GETTY IMAGES
  • Quando chove pouco, o rio Zayandeh não precisa de uma ponte para ser atravessado; em alguns anos, até seca completamente em seu caminho através de Isfahan, cidade da mítica Rota da Seda. Com ou sem água, este elegante palácio recreativo, desde que foi construído por volta de 1650 pelo xá Abbas para que sua família pudesse tomar banho, merece uma visita. Este pórtico de dois andares e 110 metros de comprimento com altos arcos islâmicos ainda é um ponto de encontro popular, com os moradores locais à sombra de nichos. Também serve como represa, porque quando a água baixa, consegue parar seu fluxo. A ponte de Khaju fica a sudeste do centro de Isfahan e é provavelmente a mais bonita da cidade, mas há outras interessantes como a Si-o-Seh Pol, construída no final do século XVI e que atualmente é um ponto de encontro popular para ver o pôr do sol sob os arcos. Ou a ponte Pol-e-Shahrestan, a mais antiga de Isfahan, do século XII, na periferia da cidade.
    8Khaju, uma ponte persa (Irã) Quando chove pouco, o rio Zayandeh não precisa de uma ponte para ser atravessado; em alguns anos, até seca completamente em seu caminho através de Isfahan, cidade da mítica Rota da Seda. Com ou sem água, este elegante palácio recreativo, desde que foi construído por volta de 1650 pelo xá Abbas para que sua família pudesse tomar banho, merece uma visita. Este pórtico de dois andares e 110 metros de comprimento com altos arcos islâmicos ainda é um ponto de encontro popular, com os moradores locais à sombra de nichos. Também serve como represa, porque quando a água baixa, consegue parar seu fluxo. A ponte de Khaju fica a sudeste do centro de Isfahan e é provavelmente a mais bonita da cidade, mas há outras interessantes como a Si-o-Seh Pol, construída no final do século XVI e que atualmente é um ponto de encontro popular para ver o pôr do sol sob os arcos. Ou a ponte Pol-e-Shahrestan, a mais antiga de Isfahan, do século XII, na periferia da cidade. GETTY IMAGES
  • Como uma reivindicação ambientalista imbatível, esta ponte sobre o Lago Taungthaman foi construída no século 19 com a madeira abandonada após a transferência da capital da antiga Birmânia de Inwa para Amarapura, e inclui restos do antigo palácio real. Apesar de sua aparência algo em ruínas, a ponte de madeira de teca mais longa do mundo passa no teste do tempo, e seu comprimento de um quilômetro de extensão é bem gasto. É conveniente visitá-la ao amanhecer ou ao anoitecer para contemplar as multidões que a atravessam, monges com mantos laranja incluídos, enquanto o sol nasce ou se põe. A ponte U Bein fica ao sul de Mandalay, perto de Amarapura; ambas as populações estão conectadas por ônibus.
    9U Bein, a ponte de madeira mais longa do mundo (Myanmar) Como uma reivindicação ambientalista imbatível, esta ponte sobre o Lago Taungthaman foi construída no século 19 com a madeira abandonada após a transferência da capital da antiga Birmânia de Inwa para Amarapura, e inclui restos do antigo palácio real. Apesar de sua aparência algo em ruínas, a ponte de madeira de teca mais longa do mundo passa no teste do tempo, e seu comprimento de um quilômetro de extensão é bem gasto. É conveniente visitá-la ao amanhecer ou ao anoitecer para contemplar as multidões que a atravessam, monges com mantos laranja incluídos, enquanto o sol nasce ou se põe. A ponte U Bein fica ao sul de Mandalay, perto de Amarapura; ambas as populações estão conectadas por ônibus. GETTY IMAGES
  • Simples, baixa e escondida na selva, mas absolutamente em movimento. A Ponte do Rio Kwai, imortalizada no filme homônimo de David Lean, foi construído em grande parte por prisioneiros aliados capturados pelo exército japonês durante a Segunda Guerra Mundial para abrir caminho para a chamada ferrovia da morte (assim batizada pelos milhares que morreram durante o processo). Embora a ponte tenha sido bombardeada, ainda se conservam trechos originais de aço (as de estruturas curvas), enquanto as centrais (estruturas retas) foram substituídas após a guerra. Ainda é possível atravessar a ponte a pé (ou trem) de Kanchanaburi próxima (onde há um museu que investiga a sua construção), e é especialmente aconselhável andar ao longo de um trecho de 4,5 quilômetros da história da estrada de ferro, localizado a 80 quilômetros ao norte desta cidade, até o chamado Paso del Infierno. A estrutura da ponte mantém todo o seu poder e simbolismo, especialmente se você visita no início ou no final do dia (para se salvar da aglomeração turística).
    10A ferrovia da morte: a ponte do rio Kwai (Tailândia) Simples, baixa e escondida na selva, mas absolutamente em movimento. A Ponte do Rio Kwai, imortalizada no filme homônimo de David Lean, foi construído em grande parte por prisioneiros aliados capturados pelo exército japonês durante a Segunda Guerra Mundial para abrir caminho para a chamada ferrovia da morte (assim batizada pelos milhares que morreram durante o processo). Embora a ponte tenha sido bombardeada, ainda se conservam trechos originais de aço (as de estruturas curvas), enquanto as centrais (estruturas retas) foram substituídas após a guerra. Ainda é possível atravessar a ponte a pé (ou trem) de Kanchanaburi próxima (onde há um museu que investiga a sua construção), e é especialmente aconselhável andar ao longo de um trecho de 4,5 quilômetros da história da estrada de ferro, localizado a 80 quilômetros ao norte desta cidade, até o chamado Paso del Infierno. A estrutura da ponte mantém todo o seu poder e simbolismo, especialmente se você visita no início ou no final do dia (para se salvar da aglomeração turística). GETTY IMAGES
  • É uma das últimas grandes obras de engenharia do século XXI: uma passagem de vidro de 488 metros de comprimento (a mais longa do mundo) suspensa a 218 metros de altura. Inaugurada em 2016 na província chinesa de Hebei, a nordeste do gigante asiático, a travessia obriga a superar a vertigem mesmo àqueles que não sofrem dela: dá a sensação de estar andando no ar, entre duas falésias do parque natural de Hongyagu. A plataforma de 1.077 chapas de vidro de quatro centímetros de espessura está pendurada em uma estrutura reforçada por 12 cabos de vanádio, pesa 126 toneladas e é perfeitamente segura. Ela é até mesmo projetada para ser à prova de terremotos até a magnitude 6 na escala Richter e furacões de categoria 5.
    11Zhangjiajie, a ponte de vidro mais longa do mundo (China) É uma das últimas grandes obras de engenharia do século XXI: uma passagem de vidro de 488 metros de comprimento (a mais longa do mundo) suspensa a 218 metros de altura. Inaugurada em 2016 na província chinesa de Hebei, a nordeste do gigante asiático, a travessia obriga a superar a vertigem mesmo àqueles que não sofrem dela: dá a sensação de estar andando no ar, entre duas falésias do parque natural de Hongyagu. A plataforma de 1.077 chapas de vidro de quatro centímetros de espessura está pendurada em uma estrutura reforçada por 12 cabos de vanádio, pesa 126 toneladas e é perfeitamente segura. Ela é até mesmo projetada para ser à prova de terremotos até a magnitude 6 na escala Richter e furacões de categoria 5. GETTY IMAGES
  • Uma ponte que quem tem medo de altura tem de evitar é a  Europabrücke  (Ponte da Europa), a maior ponte suspensa para pedestres do mundo, com 494 metros de comprimento. Está localizada no Cantão de Valais, perto de Randa (Suíça) e desde julho de 2017 liga duas áreas da chamada Estrada Europeia (Europaweg): Grächen e Zermatt. Seu ponto mais alto é de 85 metros acima do solo do vale, e aqueles que atravessam a pé podem desfrutar de uma vista maravilhosa do pico Matterhorn - 4.478 metros de altura - e os picos mais altos dos Alpes suíços. A ponte foi construída em apenas 10 semanas e, para evitar que ela balançasse demais, foram instaladas cordas de sustentação que pesam oito toneladas.
    12Europabrücke, a ponte suspensa mais longa do mundo (Suíça) Uma ponte que quem tem medo de altura tem de evitar é a Europabrücke (Ponte da Europa), a maior ponte suspensa para pedestres do mundo, com 494 metros de comprimento. Está localizada no Cantão de Valais, perto de Randa (Suíça) e desde julho de 2017 liga duas áreas da chamada Estrada Europeia (Europaweg): Grächen e Zermatt. Seu ponto mais alto é de 85 metros acima do solo do vale, e aqueles que atravessam a pé podem desfrutar de uma vista maravilhosa do pico Matterhorn - 4.478 metros de altura - e os picos mais altos dos Alpes suíços. A ponte foi construída em apenas 10 semanas e, para evitar que ela balançasse demais, foram instaladas cordas de sustentação que pesam oito toneladas. GETTY IMAGES

MAIS INFORMAÇÕES