Seleccione Edição
Login
Um bairro de Nápoles se despede de um mafioso da Camorra

Um bairro de Nápoles se despede de um mafioso da Camorra

10 fotos

Scampia, na periferia norte da cidade italiana, encerra um capítulo negro com a prisão do barulhento capo Marco Di Lauro

  • A história de Scampia está marcada a ferro e fogo por três grandes guerras e pelo sobrenome de um homem que seus vizinhos só conheceram no dia em que o algemaram. As cicatrizes desse desastre permanecem nas calçadas deste bairro de Nápoles, nas janelas de tábuas das casas de proteção oficial e nos sete montes de concreto que ergueram o registro do inferno da Camorra. Algumas feridas, por outro lado, continuam abertas.
    1A história de Scampia está marcada a ferro e fogo por três grandes guerras e pelo sobrenome de um homem que seus vizinhos só conheceram no dia em que o algemaram. As cicatrizes desse desastre permanecem nas calçadas deste bairro de Nápoles, nas janelas de tábuas das casas de proteção oficial e nos sete montes de concreto que ergueram o registro do inferno da Camorra. Algumas feridas, por outro lado, continuam abertas.
  • Raffaella corre e tenta terminar a história sem se emocionar. Na tarde de 6 de novembro de 2005, seu filho Antonio foi morto por homens armados do clã Di Lauro bem abaixo de casa. Aqueles eram os tempos da primeira faida (a guerra entre clãs) de Scampia com uma pessoa morta a cada três dias. Na imagem, Raffaella Landieri, mãe de Antonio Landieri, assassinada por homens armados do clã de Lauro.
    2Raffaella corre e tenta terminar a história sem se emocionar. Na tarde de 6 de novembro de 2005, seu filho Antonio foi morto por homens armados do clã Di Lauro bem abaixo de casa. Aqueles eram os tempos da primeira faida (a guerra entre clãs) de Scampia com uma pessoa morta a cada três dias. Na imagem, Raffaella Landieri, mãe de Antonio Landieri, assassinada por homens armados do clã de Lauro.
  • Ele foi confundido com um camelo da gangue rival enquanto esperava por seu irmão jogando pebolim. Tentou fugir, mas tinha uma deficiência congênita que afetava sua mobilidade e não podia correr como o resto de seus amigos. Na imagem, um dos edifícios conhecidos como "as velas", onde o tráfico de drogas e a violência da camorra se concentravam no bairro de Scampia, em Nápoles.
    3Ele foi confundido com um camelo da gangue rival enquanto esperava por seu irmão jogando pebolim. Tentou fugir, mas tinha uma deficiência congênita que afetava sua mobilidade e não podia correr como o resto de seus amigos. Na imagem, um dos edifícios conhecidos como "as velas", onde o tráfico de drogas e a violência da camorra se concentravam no bairro de Scampia, em Nápoles.
  • Ele foi baleado duas vezes nas costas. Por 11 anos ele foi considerado um camorrista e Raffaella não pôde sequer chorar publicamente em um funeral. Uma semana atrás, uma daquelas feridas começou a cicatrizar. Na imagem, o jornal do dia após a prisão de Marco Di Lauro.
    4Ele foi baleado duas vezes nas costas. Por 11 anos ele foi considerado um camorrista e Raffaella não pôde sequer chorar publicamente em um funeral. Uma semana atrás, uma daquelas feridas começou a cicatrizar. Na imagem, o jornal do dia após a prisão de Marco Di Lauro.
  • Marco Di Lauro (38 anos), último expoente do clã que transformou um bairro chamado a ser um experimento social no maior supermercado de drogas da Europa, filho do histórico capo Paolo di Lauro (65 anos), conhecido como Ciruzzo ou 'milionário', foi preso na semana passada. Na imagem, interior de um dos edifícios das "velas".
    5Marco Di Lauro (38 anos), último expoente do clã que transformou um bairro chamado a ser um experimento social no maior supermercado de drogas da Europa, filho do histórico capo Paolo di Lauro (65 anos), conhecido como Ciruzzo ou 'milionário', foi preso na semana passada. Na imagem, interior de um dos edifícios das "velas".
  • Ele era o segundo mafioso mais procurado na Itália - depois do siciliano Matteo Messina Denaro - estava foragido há 14 anos e, como sempre acontece com os grandes padrinhos, foi encontrado em um apartamento modesto ao lado de seu bairro de sempre, com sua parceira, dois gatos e chinelos. As escutas confirmam que ele não se mudou de Nápoles e, quando saía de casa, muitas vezes o fazia travestido de mulher. Na imagem, vendedores de rua em Scampia (Nápoles).
    6Ele era o segundo mafioso mais procurado na Itália - depois do siciliano Matteo Messina Denaro - estava foragido há 14 anos e, como sempre acontece com os grandes padrinhos, foi encontrado em um apartamento modesto ao lado de seu bairro de sempre, com sua parceira, dois gatos e chinelos. As escutas confirmam que ele não se mudou de Nápoles e, quando saía de casa, muitas vezes o fazia travestido de mulher. Na imagem, vendedores de rua em Scampia (Nápoles).
  • Os anos de chumbo deixaram muito mais vítimas inocentes do clã Di Lauro e suas guerras internas: Gelsomina Verde (torturado e queimado), Dario Scherillo (baleado enquanto voltava para casa com sua scooter), Attilio Romano (assassinado em sua loja)... Na imagem, interior de um dos edifícios das 'velas'.
    7Os anos de chumbo deixaram muito mais vítimas inocentes do clã Di Lauro e suas guerras internas: Gelsomina Verde (torturado e queimado), Dario Scherillo (baleado enquanto voltava para casa com sua scooter), Attilio Romano (assassinado em sua loja)... Na imagem, interior de um dos edifícios das 'velas'.
  • Mas o território também mudou. Hoje a guerra do clã não está mais em bairros periféricos como Secondigliano, Scampia ou O terceiro mundo. Na imagem, um vizinho do bairro de Scampia com seus cachorros.
    8Mas o território também mudou. Hoje a guerra do clã não está mais em bairros periféricos como Secondigliano, Scampia ou O terceiro mundo. Na imagem, um vizinho do bairro de Scampia com seus cachorros.
  • A luta pelo poder se mudou para o centro de Nápoles e, paradoxalmente, a ausência dos grandes patrões (Marco di Lauro foi um sobrevivente) abriu a porta do caos. Na foto, os seguidores do capo Marco di Lauro, ao lado da delegacia quando o prenderam na semana passada.
    9A luta pelo poder se mudou para o centro de Nápoles e, paradoxalmente, a ausência dos grandes patrões (Marco di Lauro foi um sobrevivente) abriu a porta do caos. Na foto, os seguidores do capo Marco di Lauro, ao lado da delegacia quando o prenderam na semana passada.
  • Duas famosas pizzarias, Sorbillo e Di Matteo, há algumas semanas acordaram com a fachada marcada por uma bomba e uma rajada de balas. Roberti adverte sobre a mudança de paradigma. Na imagem, um dos edifícios conhecidos como as 'velas' no bairro de Scampia.
    10Duas famosas pizzarias, Sorbillo e Di Matteo, há algumas semanas acordaram com a fachada marcada por uma bomba e uma rajada de balas. Roberti adverte sobre a mudança de paradigma. Na imagem, um dos edifícios conhecidos como as 'velas' no bairro de Scampia.