Revelado o mistério dos corpos queimados e enterrados em Stonehenge há 5.000 anos

Metal de alguns ossos sugere que as pessoas procediam de centenas de quilômetros mais longe

Escavação de uma das valas de Stonehenge.
Escavação de uma das valas de Stonehenge.Adam Stanford

MAIS INFORMAÇÕES

Um dos monumentos pré-históricos mais conhecidos do mundo, Stonehenge, continua sendo um enorme mistério. Entre 5.000 e 4.000 anos atrás, antes da invenção da roda, centenas de pessoas tiveram que se colocar de acordo para transportar 80 pedras de até duas toneladas, algumas delas das montanhas de Preseli, no que hoje é o oeste de Gales, até o sul da Inglaterra, uma distância de 225 quilômetros. Sua intenção continua sendo um enigma.

Os hoje célebres círculos de menires podiam compor um observatório astronômico, um templo religioso, um local de encontro de druidas, um sanatório ou um monumento à paz entre os povos locais, segundo as principais hipóteses sobre a mesa. Também foram, certamente, um cemitério para um punhado de pessoas, talvez pertencentes a uma elite.

Os círculos de menhires podem ter sido parte de um observatório astronômico, um lugar de encontro de druidas, um sanatório ou um monumento à paz

Há um século, entre 1919 e 1926, as primeiras escavações no sítio arqueológico revelaram os restos de 58 indivíduos, tanto mulheres como homens, cujos cadáveres foram queimados antes de serem enterrados. O fogo impediu que o quebra-cabeça fosse solucionado. “As altas temperaturas alcançadas durante a cremação, de até 1.000 graus, destroem toda a matéria orgânica, inclusive o DNA. Isso limita a quantidade de informação que se pode obter”, lamenta Christophe Snoeck, químico da Universidade Livre de Bruxelas. Os cadáveres de Stonehenge passaram um século calados. Até agora.

A equipe de Snoeck encontrou uma maneira de fazer os restos pré-históricos falarem: o estrôncio. Se você recordar a tabela periódica de química precisou decorar no colégio, a segunda coluna era recitada assim: berilo, magnésio, cálcio, estrôncio, bário e rádio. O estrôncio, um metal macio e prateado, fica abaixo do cálcio. Sua estrutura é tão similar que os ossos absorvem o famoso cálcio presente no leite e nas sardinhas, mas também podem incorporar o estrôncio em seu lugar. E o estrôncio dos ossos de Stonehenge sugere que muitas daquelas pessoas, ou seus restos, chegaram ao santuário após percorrerem centenas de quilômetros.

As montanhas de Preseli (Gales), origem de algumas pedras de Stonehenge.
As montanhas de Preseli (Gales), origem de algumas pedras de Stonehenge.Adam Stanford

A chave está no subsolo. As terras calcárias do sul da Inglaterra, sobre as quais se ergue Stonehenge, apresentam perfis de estrôncio diferentes das formações geológicas do oeste de Gales, onde se encontram as pedreiras de onde saíram algumas pedras do monumento. Esse estrôncio solúvel e identificável passou às plantas, que foram ingeridas por seres humanos, ficando o metal armazenado em seus ossos. Snoeck e os seus colaboradores analisaram os restos de 25 pessoas enterradas em Stonehenge. O estudo sugere que 10 delas se alimentaram com vegetais do oeste de Gales na última década de sua vida. Os habitantes das montanhas de Preseli podem ter percorrido o mesmo caminho que suas pedras e sido enterrados entre elas com honrarias, junto dos locais. Mas a investigação de Snoeck também aponta outra possibilidade: que só os restos já cremados chegassem a Stonehenge.

“Nossos resultados salientam a importância das conexões entre diferentes regiões – que implicavam tanto movimentos de materiais como de pessoas – na construção e no uso de Stonehenge”, salienta Snoeck, que publica seu estudo nesta quinta-feira na revista especializada Scientific Reports, junto a coautores como Julia Lee-Thorp, diretora da Escola de Arqueologia da Universidade de Oxford. Para Snoeck, o novo descobrimento “é uma amostra única de que os contatos e intercâmbios no Neolítico, há 5.000 anos, ocorriam em grande escala”.

Arquivado Em: