Seleccione Edição
Login

Fotogaleria | De Canudos ao golpe militar de 1964

'Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1889-1964' em cartaz no IMS, em São Paulo, apresenta outra história brasileira

  • Feita no forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, imagem retrata o dia do golpe militar de 1964, em 1 de abril.
    1Feita no forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, imagem retrata o dia do golpe militar de 1964, em 1 de abril.
  • De autor desconhecido, imagem é um dos registros da Coluna Prestes, em 1924. Movimento iniciado por tenentes que, em oposição ao Governo de Arthur Bernardes, percorreu cerca de 25 mil quilômetros em 12 Estados brasileiros.
    2De autor desconhecido, imagem é um dos registros da Coluna Prestes, em 1924. Movimento iniciado por tenentes que, em oposição ao Governo de Arthur Bernardes, percorreu cerca de 25 mil quilômetros em 12 Estados brasileiros.
  • De autor desconhecido, imagem mostra repressão policial durante o chamado Comício das Reformas, em 1964, que apoiava uma série de medidas, como a reforma agrária, adotadas pelo então presidente João Goulart.
    3De autor desconhecido, imagem mostra repressão policial durante o chamado Comício das Reformas, em 1964, que apoiava uma série de medidas, como a reforma agrária, adotadas pelo então presidente João Goulart.
  • A imagem, captada por fotógrafo desconhecido, mostra um incêndio em um quartel carioca, resultado da Insurreição Comunista, liderada por Luiz Carlos Prestes. Em 1935, a insurreição foi abafada em rapidamente por Getúlio Vargas, que em pouco tempo daria um golpe, instituindo o Estado Novo.
    4A imagem, captada por fotógrafo desconhecido, mostra um incêndio em um quartel carioca, resultado da Insurreição Comunista, liderada por Luiz Carlos Prestes. Em 1935, a insurreição foi abafada em rapidamente por Getúlio Vargas, que em pouco tempo daria um golpe, instituindo o Estado Novo.
  • A Insurreição de Aragarças foi uma tentativa de golpe militar, por parte da Aeronáutica, em 1959, para depor o então presidente Juscelino Kubitschek. O trabalho do fotografo Campanella Neto, que ganhou o Prêmio Esso, foi fundamental para a repressão do movimento.
    5A Insurreição de Aragarças foi uma tentativa de golpe militar, por parte da Aeronáutica, em 1959, para depor o então presidente Juscelino Kubitschek. O trabalho do fotografo Campanella Neto, que ganhou o Prêmio Esso, foi fundamental para a repressão do movimento.
  • De autor desconhecido, imagem mostra caminhões do jornal 'O Globo' sendo depredados no dia do suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Parte da população revoltada enxergava no veículo um agente contrário a Vargas.
    6De autor desconhecido, imagem mostra caminhões do jornal 'O Globo' sendo depredados no dia do suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Parte da população revoltada enxergava no veículo um agente contrário a Vargas.
  • Simbólica da violência dos conflitos brasileiros, imagem mostra a degola de um revoltoso durante a Revolução Federalista, guerra que durou cerca de dois anos no Rio Grande do Sul, entre 1893 e 1895.
    7Simbólica da violência dos conflitos brasileiros, imagem mostra a degola de um revoltoso durante a Revolução Federalista, guerra que durou cerca de dois anos no Rio Grande do Sul, entre 1893 e 1895.
  • De autor desconhecido, imagem mostra casa de classe média bombardeada durante a chamada Revolução de 1924, em São Paulo, uma das rebeliões de tenentes que antecedeu a criação da Coluna Prestes.
    8De autor desconhecido, imagem mostra casa de classe média bombardeada durante a chamada Revolução de 1924, em São Paulo, uma das rebeliões de tenentes que antecedeu a criação da Coluna Prestes.
  • População de mulheres e crianças presas em Canudos, em 1897. O fotógrafo Flávio de Barros foi enviado pelo Governo Federal ao conflito para fotografar a vitória do exército, que dizimou a população local, deixando cerca de 20 mil mortos, entre oficiais e civis.
    9População de mulheres e crianças presas em Canudos, em 1897. O fotógrafo Flávio de Barros foi enviado pelo Governo Federal ao conflito para fotografar a vitória do exército, que dizimou a população local, deixando cerca de 20 mil mortos, entre oficiais e civis.
  • Uma imagem de Maria Bonita, em 1936, companheira de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, líder do que ficou conhecido como banditismo cangaceiro no nordeste brasileiro.
    10Uma imagem de Maria Bonita, em 1936, companheira de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, líder do que ficou conhecido como banditismo cangaceiro no nordeste brasileiro.

MAIS INFORMAÇÕES