Seleccione Edição
Login

Estrelas despedidas de seus próprios filmes: os 10 casos mais paradigmáticos

Eles foram contratados para fazer um blockbuster, mas acabaram na rua

  • O caso do ator Ryan Gosling (Londres, Canadá, 1980) e do diretor Peter Jackson foi um dos mais emblemáticos em Hollywood da falta de comunicação entre astro e diretor. Para interpretar o pai de uma menina morta em Um Olhar do Paraíso (2000), Gosling pensou que seria melhor engordar alguns quilos e conseguir o que chamam de “corpo de pai”. Passou a se submeter a uma delirante dieta à base de sorvete derretido. Mas sua aparência não agradou Jackson quando Gosling se apresentou orgulhoso para a filmagem. Jackson tinha pensado num pai mais… esbelto. “Então fiquei lá, gordo e sem trabalho”, contou bem-humorado à publicação Hollywood Reporter. O papel de pai ficou para Mark Wahlberg.
    1Ryan Gosling: engordou demais O caso do ator Ryan Gosling (Londres, Canadá, 1980) e do diretor Peter Jackson foi um dos mais emblemáticos em Hollywood da falta de comunicação entre astro e diretor. Para interpretar o pai de uma menina morta em Um Olhar do Paraíso (2000), Gosling pensou que seria melhor engordar alguns quilos e conseguir o que chamam de “corpo de pai”. Passou a se submeter a uma delirante dieta à base de sorvete derretido. Mas sua aparência não agradou Jackson quando Gosling se apresentou orgulhoso para a filmagem. Jackson tinha pensado num pai mais… esbelto. “Então fiquei lá, gordo e sem trabalho”, contou bem-humorado à publicação Hollywood Reporter. O papel de pai ficou para Mark Wahlberg. Cordon Press
  • Eis aqui uma boa história para os amantes do anedotário dos anos oitenta: o astro de ação Jean Claude Van Damme (Bélgica, 1960) esteve a ponto de ser, em 1987, o alien de O Predador (o herói era Arnold Schwarzenegger). Na época, em que ainda era um ator desconhecido, Van Damme já queria mostrar sua habilidade no boxe e insistiu com os produtores e com o diretor Joel Silver para que o extraterrestre assassino… boxeasse. Segundo relatou o supervisor de efeitos especiais Joel Hynek, um dia o diretor o chamou a seu escritório e, depois de uma acalorada discussão sobre como cada um deles via o personagem, o diretor concluiu: “Está despedido, saia daqui”. O papel foi para Kevin Peter Hall.
    2Jean Claude Van Damme: despedido de ‘O Predador’ Eis aqui uma boa história para os amantes do anedotário dos anos oitenta: o astro de ação Jean Claude Van Damme (Bélgica, 1960) esteve a ponto de ser, em 1987, o alien de O Predador (o herói era Arnold Schwarzenegger). Na época, em que ainda era um ator desconhecido, Van Damme já queria mostrar sua habilidade no boxe e insistiu com os produtores e com o diretor Joel Silver para que o extraterrestre assassino… boxeasse. Segundo relatou o supervisor de efeitos especiais Joel Hynek, um dia o diretor o chamou a seu escritório e, depois de uma acalorada discussão sobre como cada um deles via o personagem, o diretor concluiu: “Está despedido, saia daqui”. O papel foi para Kevin Peter Hall. Getty
  • No final da década de 2000, a ex-estrela adolescente Lindsay Lohan (Nova York, 1986) viu sua carreira desmoronar: seus filmes não faziam sucesso nos cinemas, e ela era repreendida por seus produtores devido a sua intensa vida noturna. Não foi surpresa portanto que os produtores de O Outro Lado (2011) pensassem bem e decidissem demiti-la por sua “falta de rentabilidade”. Muito pouco tempo depois, a atriz também foi substituída como protagonista de Inferno, um filme sobre a vida da atriz pornográfica dos anos setenta Linda Lovelace que começou a ser gestado em 2010 e foi finalmente lançado como Lovelace em 2013, com Amanda Seyfried como protagonista.
    3Lindsay Lohan: na rua por “falta de rentabilidade” No final da década de 2000, a ex-estrela adolescente Lindsay Lohan (Nova York, 1986) viu sua carreira desmoronar: seus filmes não faziam sucesso nos cinemas, e ela era repreendida por seus produtores devido a sua intensa vida noturna. Não foi surpresa portanto que os produtores de O Outro Lado (2011) pensassem bem e decidissem demiti-la por sua “falta de rentabilidade”. Muito pouco tempo depois, a atriz também foi substituída como protagonista de Inferno, um filme sobre a vida da atriz pornográfica dos anos setenta Linda Lovelace que começou a ser gestado em 2010 e foi finalmente lançado como Lovelace em 2013, com Amanda Seyfried como protagonista. Cordon Press
  • 2010 não foi bom ano para ser Mel Gibson (Nova York, 1956), muito menos para estar perto dele ou para lançar uma comédia que tivesse seu nome nos créditos. Acusado de maus-tratos por sua ex-mulher, Oksana Grigorieva, e com todos os seus arroubos racistas, antissemitas e homofóbicos ainda frescos na memória de Hollywood, o diretor Todd Phillips, encarregado de Se Beber, não Case! Parte 2, decidiu prescindir dele. “A equipe é uma família… e ainda que me agradasse muito a ideia de ter Mel Gibson na filmagem, muita gente não gostou. E não quero que nada nos separe.” Seu papel como tatuador foi finalmente parar nas mãos de Liam Neeson.
    4Mel Gibson: despedido de ‘Se Beber, não Case! Parte 2’ (2010) 2010 não foi bom ano para ser Mel Gibson (Nova York, 1956), muito menos para estar perto dele ou para lançar uma comédia que tivesse seu nome nos créditos. Acusado de maus-tratos por sua ex-mulher, Oksana Grigorieva, e com todos os seus arroubos racistas, antissemitas e homofóbicos ainda frescos na memória de Hollywood, o diretor Todd Phillips, encarregado de Se Beber, não Case! Parte 2, decidiu prescindir dele. “A equipe é uma família… e ainda que me agradasse muito a ideia de ter Mel Gibson na filmagem, muita gente não gostou. E não quero que nada nos separe.” Seu papel como tatuador foi finalmente parar nas mãos de Liam Neeson. Cordon Press
  • Sean Young (Louisville, Kentucky, 1959) saltou para a fama graças a filmes como Blade Runner, Duna e Sem Saída. Mas no final dos anos oitenta passava por uma fase problemática em Hollywood, depois de ser acusada por James Woods de assédio a ele e a sua família. Também tinha perdido um papel em Batman (Tim Burton, 1989) depois de se machucar quando montava a cavalo. Mas o pior veio quando foi despedida de Dick Tracy no sétimo dia de filmagem. Ela alegou que Warren Beatty (astro e diretor) mudava continuamente o roteiro e que tentou manter relações com ela, demitindo-a diante de sua recusa. Ele negou e disse que se tratava simplesmente de uma escolha ruim de elenco que deveria ser substituída. A atriz Glenne Headly fez o papel. Young, com a imagem muito depreciada no mundo do cinema, não voltou a protagonizar nenhum filme de sucesso.
    5Sean Young, na rua depois de sete dias de gravação Sean Young (Louisville, Kentucky, 1959) saltou para a fama graças a filmes como Blade Runner, Duna e Sem Saída. Mas no final dos anos oitenta passava por uma fase problemática em Hollywood, depois de ser acusada por James Woods de assédio a ele e a sua família. Também tinha perdido um papel em Batman (Tim Burton, 1989) depois de se machucar quando montava a cavalo. Mas o pior veio quando foi despedida de Dick Tracy no sétimo dia de filmagem. Ela alegou que Warren Beatty (astro e diretor) mudava continuamente o roteiro e que tentou manter relações com ela, demitindo-a diante de sua recusa. Ele negou e disse que se tratava simplesmente de uma escolha ruim de elenco que deveria ser substituída. A atriz Glenne Headly fez o papel. Young, com a imagem muito depreciada no mundo do cinema, não voltou a protagonizar nenhum filme de sucesso. Cordon Press
  • Um filme de ação sobre um policial derrotando os bandidos no bairro mais exclusivo de Los Angeles? O nome de Sylvester Stallone (Nova York, 1946) parecia a escolha mais óbvia em 1984 para protagonizar Um Tira da Pesada. Mas o ator não estava satisfeito com o roteiro e ficava fazendo pequenas mudanças para reduzir o tom de comédia. O diretor, Martin Brest, aguentou até que Stallone pediu que fosse tudo reescrito. Foi então despedido e substituído por Eddie Murphy. O filme se tornou um dos maiores sucessos de bilheteria dos anos oitenta.
    6Sylvester Stallone: fora de ‘Um Tira da Pesada’ por ser controlador Um filme de ação sobre um policial derrotando os bandidos no bairro mais exclusivo de Los Angeles? O nome de Sylvester Stallone (Nova York, 1946) parecia a escolha mais óbvia em 1984 para protagonizar Um Tira da Pesada. Mas o ator não estava satisfeito com o roteiro e ficava fazendo pequenas mudanças para reduzir o tom de comédia. O diretor, Martin Brest, aguentou até que Stallone pediu que fosse tudo reescrito. Foi então despedido e substituído por Eddie Murphy. O filme se tornou um dos maiores sucessos de bilheteria dos anos oitenta. Cordon Press
  • “Eu me enganei. Foi um erro meu, não de Jorge Sanz, mas acidentes acontecem. Continuo gostando dele e o admirando, mas não tinha o físico adequado.” As palavras são de Pedro Almodóvar, durante a apresentação a jornalistas do set de Carne Trêmula (1997), filme no qual substituiu o ator principal aos três dias de filmagem, quanto nem Sanz nem Almodóvar se viram suficientemente confortáveis. Sanz declarou dois anos depois sobre Pedro: “Quer que os atores o imitem. Cada gesto tem que ser exatamente como ele mostra. Não sou um imitador. Sou um intérprete”. Liberto Rabal ficou com o papel, recebendo críticas desiguais.
    7Jorge Sanz: Almodóvar o despacha de ‘Carne Trêmula’ “Eu me enganei. Foi um erro meu, não de Jorge Sanz, mas acidentes acontecem. Continuo gostando dele e o admirando, mas não tinha o físico adequado.” As palavras são de Pedro Almodóvar, durante a apresentação a jornalistas do set de Carne Trêmula (1997), filme no qual substituiu o ator principal aos três dias de filmagem, quanto nem Sanz nem Almodóvar se viram suficientemente confortáveis. Sanz declarou dois anos depois sobre Pedro: “Quer que os atores o imitem. Cada gesto tem que ser exatamente como ele mostra. Não sou um imitador. Sou um intérprete”. Liberto Rabal ficou com o papel, recebendo críticas desiguais. Cordon Press
  • Megan Fox (Tennessee, 1986) não mediu palavras na hora de descrever o diretor da saga de ação Transformers, Michael Bay, como um tirano. Chegou a compará-lo a Hitler. Ele, por sua vez, não hesitou em demiti-la, segundo ele com o beneplácito do produtor, Steven Spielberg. E Bay acrescentou: “Ela estava num mundo diferente, com seu smartphone. Numa filmagem é preciso sempre se concentrar”.
    8Megan Fox e o diretor de ‘Transformers’ não se entendem Megan Fox (Tennessee, 1986) não mediu palavras na hora de descrever o diretor da saga de ação Transformers, Michael Bay, como um tirano. Chegou a compará-lo a Hitler. Ele, por sua vez, não hesitou em demiti-la, segundo ele com o beneplácito do produtor, Steven Spielberg. E Bay acrescentou: “Ela estava num mundo diferente, com seu smartphone. Numa filmagem é preciso sempre se concentrar”. Cordon Press
  • Não é um erro: Christian Bale fez finalmente o papel do assassino yuppie Patrick Bateman, mas só depois de umas tantas dores de cabeça e muita incerteza. Apesar de a diretora de Psicopata Americano (2000), Mary Harron, ter lhe oferecido o papel num acordo verbal quando ela assumiu a adaptação do romance de Bret Easton Ellis, a produtora, Lions Gate, comprou os direitos de distribuição em 1997 e exigiu no papel uma estrela como Leonardo DiCaprio, Edward Norton ou Ewan McGregor, pensando nas chances melhores do filme com um nome mais conhecido. Bale, só com a promessa, ficou à espera durante meses, recusando outros papéis, enquanto a diretora lutava para que ele fosse escolhido e DiCaprio namorava a ideia de fazer o filme se Oliver Stone fosse chamado para dirigi-lo. DiCaprio acabou dizendo não. Ewan McGregor também não quis. No final, a justiça triunfou, e tanto a diretora quanto o ator inicialmente pensados para o projeto o levaram a cabo.
    9Christian Bale: o não, mas sim, de Psicopata Americano Não é um erro: Christian Bale fez finalmente o papel do assassino yuppie Patrick Bateman, mas só depois de umas tantas dores de cabeça e muita incerteza. Apesar de a diretora de Psicopata Americano (2000), Mary Harron, ter lhe oferecido o papel num acordo verbal quando ela assumiu a adaptação do romance de Bret Easton Ellis, a produtora, Lions Gate, comprou os direitos de distribuição em 1997 e exigiu no papel uma estrela como Leonardo DiCaprio, Edward Norton ou Ewan McGregor, pensando nas chances melhores do filme com um nome mais conhecido. Bale, só com a promessa, ficou à espera durante meses, recusando outros papéis, enquanto a diretora lutava para que ele fosse escolhido e DiCaprio namorava a ideia de fazer o filme se Oliver Stone fosse chamado para dirigi-lo. DiCaprio acabou dizendo não. Ewan McGregor também não quis. No final, a justiça triunfou, e tanto a diretora quanto o ator inicialmente pensados para o projeto o levaram a cabo. Cordon Press
  • Uma das sagas mais famosas e cultuadas da história do cinema começou a ser filmada com o ator Eric Stoltz (Califórnia, 1961) em vez de Michael J. Fox, que era a opção inicial dos produtores e do diretor, mas não podia compatibilizar a gravação do filme com a de sua série Caras e Caretas. Só que, depois de um mês de filmagem de De Volta para o Futuro (1985) com Stoltz, Robert Zemeckis, o diretor, percebeu que o ator não tinha a veia cômica requerida para o personagem. Como o próprio Stoltz revelou em entrevistas posteriores, ele também tinha essa sensação. Depois da demissão do ator e de uma breve parada na gravação, chegou-se finalmente a um acordo com Michael J. Fox para combinar seu trabalho na televisão e no filme. O resto é história.
    10No começo, o protagonista de ‘De Volta para o Futuro’ não foi Michael J. Fox Uma das sagas mais famosas e cultuadas da história do cinema começou a ser filmada com o ator Eric Stoltz (Califórnia, 1961) em vez de Michael J. Fox, que era a opção inicial dos produtores e do diretor, mas não podia compatibilizar a gravação do filme com a de sua série Caras e Caretas. Só que, depois de um mês de filmagem de De Volta para o Futuro (1985) com Stoltz, Robert Zemeckis, o diretor, percebeu que o ator não tinha a veia cômica requerida para o personagem. Como o próprio Stoltz revelou em entrevistas posteriores, ele também tinha essa sensação. Depois da demissão do ator e de uma breve parada na gravação, chegou-se finalmente a um acordo com Michael J. Fox para combinar seu trabalho na televisão e no filme. O resto é história. Cordon Press

MAIS INFORMAÇÕES