Seleccione Edição
Login

Sete trabalhos para ganhar um bom salário sem estresse nem sacrifícios

Porque chegar em casa acabado não compensa, mas também não dá para ter renda que nem pague o aluguel. Fazemos o balanço entre salário e tranquilidade para chegar à lista de empregos dos sonhos

  • Disse Confúcio: “Escolha um trabalho agradável e não terá que trabalhar nem um dia de sua vida”. Claro que sim. Mas essa máxima pode ser posta à prova com uma pergunta: “Como estava o custo de vida na China de 551 A.C.?”. Porque é ótimo ir atrás dos sonhos, mas talvez o salário não seja suficiente para suportar os rigores da vida moderna. Também não compensa o oposto: doses iguais de dinheiro e de amargura. Por isso são tão populares os rankings que classificam a qualidade (entendida como uma relação entre felicidade e salário) dos postos de trabalho. Um dos mais prestigiosos nos EUA é o elaborado pelo consultor trabalhista Laurence Shatkin, que tem 35 anos de experiência em recursos humanos e é autor de uma dezena de obras sobre o tema. Sua classificação, com dados do Escritório de Estatísticas Trabalhistas dos EUA, atribui nota ao nível de estresse do trabalho de 0 a 100, com 0 representando o mínimo, e 100, o máximo, e cruza isso com a remuneração das funções para chegar às que apresentam um equilíbrio ideal entre estresse e salário. Das melhores pontuações de sua lista extraímos ocupações comuns na Espanha, cuidando para que as profissões escolhidas também pertençam ao grupo das “bem remuneradas” no país, segundo informações da revista Forbes, do Instituto Nacional de Estatística (INE), da bolsa de empregos Infojobs, do portal de serviços universitários Universia e da Escola Superior de Administração e Direção de Empresas (Esade). Já o conceito de tolerância ao estresse é universal: “A capacidade do trabalhador de satisfazer as demandas feitas, junto com a percepção que tem de seus próprios recursos”, explica Antoni Martínez, psicólogo da clínica Psicología en Positivo. A seguir, o resultado.
    1Disse Confúcio: “Escolha um trabalho agradável e não terá que trabalhar nem um dia de sua vida”. Claro que sim. Mas essa máxima pode ser posta à prova com uma pergunta: “Como estava o custo de vida na China de 551 A.C.?”. Porque é ótimo ir atrás dos sonhos, mas talvez o salário não seja suficiente para suportar os rigores da vida moderna. Também não compensa o oposto: doses iguais de dinheiro e de amargura. Por isso são tão populares os rankings que classificam a qualidade (entendida como uma relação entre felicidade e salário) dos postos de trabalho. Um dos mais prestigiosos nos EUA é o elaborado pelo consultor trabalhista Laurence Shatkin, que tem 35 anos de experiência em recursos humanos e é autor de uma dezena de obras sobre o tema. Sua classificação, com dados do Escritório de Estatísticas Trabalhistas dos EUA, atribui nota ao nível de estresse do trabalho de 0 a 100, com 0 representando o mínimo, e 100, o máximo, e cruza isso com a remuneração das funções para chegar às que apresentam um equilíbrio ideal entre estresse e salário. Das melhores pontuações de sua lista extraímos ocupações comuns na Espanha, cuidando para que as profissões escolhidas também pertençam ao grupo das “bem remuneradas” no país, segundo informações da revista Forbes, do Instituto Nacional de Estatística (INE), da bolsa de empregos Infojobs, do portal de serviços universitários Universia e da Escola Superior de Administração e Direção de Empresas (Esade). Já o conceito de tolerância ao estresse é universal: “A capacidade do trabalhador de satisfazer as demandas feitas, junto com a percepção que tem de seus próprios recursos”, explica Antoni Martínez, psicólogo da clínica Psicología en Positivo. A seguir, o resultado.
  • Segundo a Forbes, seu salário médio anual fica em torno de 60.000 euros (R$ 210.000), e na lista de Shatkin seu nível de estresse é de 59100. “Seguramente, o fato de não ter que lidar diretamente com o público é determinante para esse reduzido grau de ansiedade”, afirma Antoni Martínez. Além disso, como destaca Rosario Linares, psicóloga clínica da El Prado Psicólogos, “trabalhos deste tipo são bastante mecanizados, até monótonos, e não exigem grandes esforços físicos”, o que justifica essa tensão moderada. E “seu alto grau de responsabilidade” explica seu pagamento vultoso, diz Manuel Torres, diretor da revista sobre felicidade no trabalho Ebocame.
    2Economistas e consultores financeiros Segundo a Forbes, seu salário médio anual fica em torno de 60.000 euros (R$ 210.000), e na lista de Shatkin seu nível de estresse é de 59/100. “Seguramente, o fato de não ter que lidar diretamente com o público é determinante para esse reduzido grau de ansiedade”, afirma Antoni Martínez. Além disso, como destaca Rosario Linares, psicóloga clínica da El Prado Psicólogos, “trabalhos deste tipo são bastante mecanizados, até monótonos, e não exigem grandes esforços físicos”, o que justifica essa tensão moderada. E “seu alto grau de responsabilidade” explica seu pagamento vultoso, diz Manuel Torres, diretor da revista sobre felicidade no trabalho Ebocame.
  • Ganham cerca de 35.000 euros (R$ 122.500) por ano e seu nível de estresse também é 59100. De modo alinhado aos economistas e profissionais de finanças, Antoni Martínez comenta que “contando com diretrizes ergonômicas saudáveis e considerando que o esforço físico é praticamente nulo, esse dado de estresse não tem por que surpreender”. Por outro lado, “estar distantes dos dados que analisam, mantendo um baixo envolvimento emocional, faz entender melhor essa tensão moderada”, segundo Torres.
    3Estatísticos Ganham cerca de 35.000 euros (R$ 122.500) por ano e seu nível de estresse também é 59/100. De modo alinhado aos economistas e profissionais de finanças, Antoni Martínez comenta que “contando com diretrizes ergonômicas saudáveis e considerando que o esforço físico é praticamente nulo, esse dado de estresse não tem por que surpreender”. Por outro lado, “estar distantes dos dados que analisam, mantendo um baixo envolvimento emocional, faz entender melhor essa tensão moderada”, segundo Torres.
  • Têm salário semelhante ao dos estatísticos (35.000 euros, ou R$ 122.500), mas seu nível de estresse na escala de Shatkin é dois pontos superior, 61100. Rosario Linares avalia esse dado: “No fim, são componentes parecidos com os casos anteriores: dados teóricos, processos organizacionais e contato quase inexistente com as pessoas”. Nesse sentido, Torres considera que “quanto mais distantes estejam do embate político, mais felizes. Os cientistas políticos, estudiosos e amantes da história e da leitura têm uma visão global que os afasta do estresse”.
    4Cientistas políticos Têm salário semelhante ao dos estatísticos (35.000 euros, ou R$ 122.500), mas seu nível de estresse na escala de Shatkin é dois pontos superior, 61/100. Rosario Linares avalia esse dado: “No fim, são componentes parecidos com os casos anteriores: dados teóricos, processos organizacionais e contato quase inexistente com as pessoas”. Nesse sentido, Torres considera que “quanto mais distantes estejam do embate político, mais felizes. Os cientistas políticos, estudiosos e amantes da história e da leitura têm uma visão global que os afasta do estresse”.
  • O mito da profissão tranquila e bem remunerada se confirma. Um tabelião ganhava em 2015 mais de 150.000 euros (R$ 425.000) por ano, segundo a Forbes, sem ser alvo de uma ansiedade alta: 64100. O motivo? “O tabelião sempre tem por trás uma equipe reforçada; eles fazem a revisão final e firmam o documento previamente preparado por outras pessoas; desse modo sua exposição a situações tensas é mínima”, explica Linares. Além disso, Martínez considera que “não ter que responder a superiores nem assumir prazos de entrega impostos torna as tarefas muito menos angustiantes”.
    5Tabeliães O mito da profissão tranquila e bem remunerada se confirma. Um tabelião ganhava em 2015 mais de 150.000 euros (R$ 425.000) por ano, segundo a Forbes, sem ser alvo de uma ansiedade alta: 64/100. O motivo? “O tabelião sempre tem por trás uma equipe reforçada; eles fazem a revisão final e firmam o documento previamente preparado por outras pessoas; desse modo sua exposição a situações tensas é mínima”, explica Linares. Além disso, Martínez considera que “não ter que responder a superiores nem assumir prazos de entrega impostos torna as tarefas muito menos angustiantes”.
  • Seu rendimento pode alcançar a casa dos 54.000 euros (R$ 190.000), e seu nível de estresse é o mesmo dos tabeliães (segundo o ranking norte-americano). “São profissionais que trabalham com processos e máquinas e mantêm controle mais ou menos total sobre tudo que acontece”, explica Martínez. Rosario Linares acrescenta: “Normalmente, os profissionais de informática são apaixonados por seu trabalho e contam com um componente vocacional importante. E pelo fato de serem executivos, recai sobre eles a responsabilidade de estabelecer datas de entrega e cronogramas”, tirando de suas jornadas a tensão de ter que se ajustar à vontade de um superior.
    6Executivos de informática Seu rendimento pode alcançar a casa dos 54.000 euros (R$ 190.000), e seu nível de estresse é o mesmo dos tabeliães (segundo o ranking norte-americano). “São profissionais que trabalham com processos e máquinas e mantêm controle mais ou menos total sobre tudo que acontece”, explica Martínez. Rosario Linares acrescenta: “Normalmente, os profissionais de informática são apaixonados por seu trabalho e contam com um componente vocacional importante. E pelo fato de serem executivos, recai sobre eles a responsabilidade de estabelecer datas de entrega e cronogramas”, tirando de suas jornadas a tensão de ter que se ajustar à vontade de um superior.
  • Estudo da Infojobs e da Esade situa o ganho anual em 53.000 euros (R$ 185.000), e seu nível de estresse é de 67100. Como isso, se a ocupação é importante para o público? “Do trabalho de um ortodontista, apesar dele estar integrado ao setor de saúde, não dependem vidas”, afirma Linares. Esse fato se soma, segundo Martínez, a que “se forem bem, podem manter uma clínica que lhes permita exercer sua atividade para sempre, e isso lhes dá uma tranquilidade que afasta o estresse”.
    7Dentistas Estudo da Infojobs e da Esade situa o ganho anual em 53.000 euros (R$ 185.000), e seu nível de estresse é de 67/100. Como isso, se a ocupação é importante para o público? “Do trabalho de um ortodontista, apesar dele estar integrado ao setor de saúde, não dependem vidas”, afirma Linares. Esse fato se soma, segundo Martínez, a que “se forem bem, podem manter uma clínica que lhes permita exercer sua atividade para sempre, e isso lhes dá uma tranquilidade que afasta o estresse”.
  • Segundo os registros mais recentes do INE, os profissionais das ciências físicas e matemáticas podem superar a casa dos 35.000 euros (R$ 122.500) anuais, e seu nível de estresse, segundo Shatkin, está nos 57 pontos. “Mais uma vez, dados objetivos, tarefas que trazem pouco desgaste físico e horários estáveis que permitem organizar jornadas rotineiras e, normalmente, pouco flutuantes, e sem se expor ao público”, destaca Torres. Se no seu caso é tarde para se candidatar ao tabelionato ou se especializar nos labirintos da estatística, como enfrentar um trabalho estressante? “Empregar ferramentas de organização do trabalho como a técnica Pomodoro, aprender a respirar corretamente e saber se comunicar usando a empatia e a assertividade com os outros são boas fórmulas para fazer isso”, aconselha Antoni Martínez.
    8Matemáticos Segundo os registros mais recentes do INE, os profissionais das ciências físicas e matemáticas podem superar a casa dos 35.000 euros (R$ 122.500) anuais, e seu nível de estresse, segundo Shatkin, está nos 57 pontos. “Mais uma vez, dados objetivos, tarefas que trazem pouco desgaste físico e horários estáveis que permitem organizar jornadas rotineiras e, normalmente, pouco flutuantes, e sem se expor ao público”, destaca Torres. Se no seu caso é tarde para se candidatar ao tabelionato ou se especializar nos labirintos da estatística, como enfrentar um trabalho estressante? “Empregar ferramentas de organização do trabalho como a técnica Pomodoro, aprender a respirar corretamente e saber se comunicar usando a empatia e a assertividade com os outros são boas fórmulas para fazer isso”, aconselha Antoni Martínez.

MAIS INFORMAÇÕES