Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os últimos vencedores do Prêmio Nobel da Paz

Prêmio destacou, entre outros pontos, o avanço da democracia, o desarmamento nuclear e a luta contra a pobreza

  • A campanha internacional para proibir as armas nucleares (ICAN, na sigla em inglês) foi a ganhadora de 2017. "A ICAN tem sido o principal agente da sociedade civil nos esforços para obter uma proibição das armas nucleares sob o direito internacional", afirmou o comitê norueguês sobre a coalizão de organizações não governamentais formada por cerca de 100 países. Na foto, Beatrice Fihn, diretora-executiva da ICAN recebe uma garrafa de champagne de seu marido Will Fihm Ramsay (direita), ao lado deDaniel Hogsta, coordinator da campanha.
    1A campanha internacional para proibir as armas nucleares (ICAN, na sigla em inglês) foi a ganhadora de 2017. "A ICAN tem sido o principal agente da sociedade civil nos esforços para obter uma proibição das armas nucleares sob o direito internacional", afirmou o comitê norueguês sobre a coalizão de organizações não governamentais formada por cerca de 100 países. Na foto, Beatrice Fihn, diretora-executiva da ICAN recebe uma garrafa de champagne de seu marido Will Fihm Ramsay (direita), ao lado deDaniel Hogsta, coordinator da campanha. REUTERS
  • O presidente colombiano Juan Manuel Santos, ganhador do Nobel da Paz de 2016 pelas negociações de paz com as FARC.
    2O presidente colombiano Juan Manuel Santos, ganhador do Nobel da Paz de 2016 pelas negociações de paz com as FARC. Reuters
  • 2015: Quarteto do Diálogo Nacional da TunísiarnrnO júri do Prêmio Nobel concedeu o prêmio às quatro organizações da sociedade civil que patrocinaram uma solução negociada para a aguda crise política que vivia a Tunísia em 2013 e ameaçava acabar com o processo de transição iniciado após a primavera árabe em 2011.
    32015: Quarteto do Diálogo Nacional da Tunísia O júri do Prêmio Nobel concedeu o prêmio às quatro organizações da sociedade civil que patrocinaram uma solução negociada para a aguda crise política que vivia a Tunísia em 2013 e ameaçava acabar com o processo de transição iniciado após a primavera árabe em 2011. Reuters
  • 2014: Kailash Satyarthi e Malala YousafzairnrnA paquistanesa Malala Yousafzai, a garota que foi atingida por um tiro na cabeça dos talibãs em 2012 por defender a educação das mulheres, e o ativista indiano Kailash Satyarthi foram premiados “pela luta contra a opressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”.
    42014: Kailash Satyarthi e Malala Yousafzai A paquistanesa Malala Yousafzai, a garota que foi atingida por um tiro na cabeça dos talibãs em 2012 por defender a educação das mulheres, e o ativista indiano Kailash Satyarthi foram premiados “pela luta contra a opressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”. AFP
  • 2013: Organização para a Proibição de Armas QuímicasrnrnO Prêmio Nobel da Paz foi concedido à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Países Baixos) por contribuir “para o desarmamento e a convivência mundial” em colaboração com a ONU. A organização, com quase 20 anos de vida e quinhentos funcionários, é responsável – entre outras funções – por desmantelar o arsenal mantido pelo regime de Bashar al-Assad.
    52013: Organização para a Proibição de Armas Químicas O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Países Baixos) por contribuir “para o desarmamento e a convivência mundial” em colaboração com a ONU. A organização, com quase 20 anos de vida e quinhentos funcionários, é responsável – entre outras funções – por desmantelar o arsenal mantido pelo regime de Bashar al-Assad. EFE
  • 2012: União EuropeiarnrnA União Europeia recebeu o prêmio do Comitê Nobel por ser garantia da paz no continente. O júri também destacou, além disso, o impulso “para a reconciliação, os valores baseados nas democracias e direitos humanos” desde sua fundação.
    62012: União Europeia A União Europeia recebeu o prêmio do Comitê Nobel por ser garantia da paz no continente. O júri também destacou, além disso, o impulso “para a reconciliação, os valores baseados nas democracias e direitos humanos” desde sua fundação. EFE
  • 2011: Ellen Johnson-Sirleaf, Leymah Gbowee e Tawakel KarmanrnrnO prêmio foi para as liberianas Ellen Johnson-Sirleaf, presidenta do país africano, Leymah Gbowee, ativista pelos direitos das mulheres africanas, e a opositora iemenita Tawakel Karman. Após a decisão, o primeiro-ministro da Noruega declarou: “Este prêmio é uma homenagem a todas as mulheres do mundo e seu papel nos processos de paz e reconciliação”.
    72011: Ellen Johnson-Sirleaf, Leymah Gbowee e Tawakel Karman O prêmio foi para as liberianas Ellen Johnson-Sirleaf, presidenta do país africano, Leymah Gbowee, ativista pelos direitos das mulheres africanas, e a opositora iemenita Tawakel Karman. Após a decisão, o primeiro-ministro da Noruega declarou: “Este prêmio é uma homenagem a todas as mulheres do mundo e seu papel nos processos de paz e reconciliação”.
  • 2010: Liu XiaobornrnO comitê norueguês do Prêmio Nobel concedeu ao dissidente chinês Liu Xiaobo, “incansável lutador pela liberdade desde o massacre de Tiananmen em 1989”. Em 2009, Xiaobo foi julgado e condenado a passar 11 anos em uma prisão chinesa. Seu crime foi ser o autor e promotor da Carta 08, um manifesto pela liberdade de expressão, eleições democráticas e direitos humanos na China.
    82010: Liu Xiaobo O comitê norueguês do Prêmio Nobel concedeu ao dissidente chinês Liu Xiaobo, “incansável lutador pela liberdade desde o massacre de Tiananmen em 1989”. Em 2009, Xiaobo foi julgado e condenado a passar 11 anos em uma prisão chinesa. Seu crime foi ser o autor e promotor da Carta 08, um manifesto pela liberdade de expressão, eleições democráticas e direitos humanos na China. Reuters
  • 2009: Barack ObamarnrnO prêmio reconheceu o compromisso do presidente dos EUA por “promover o diálogo internacional e o desarmamento nuclear” em todo o mundo. Obama, que tinha chegado à Casa Branca apenas um ano antes, declarou “não merecer estar na companhia de tantas figuras transformadoras que foram honradas com esse prêmio”.
    92009: Barack Obama O prêmio reconheceu o compromisso do presidente dos EUA por “promover o diálogo internacional e o desarmamento nuclear” em todo o mundo. Obama, que tinha chegado à Casa Branca apenas um ano antes, declarou “não merecer estar na companhia de tantas figuras transformadoras que foram honradas com esse prêmio”. Reuters
  • 2008: Martti AhtisaarirnrnO prêmio, desta vez, foi recebido pelo ex-presidente finlandês (1994-2009) Ahtisaari por uma vida dedicada a mediar conflitos, como os de Kosovo, Namíbia e Indonésia. EL PAÍS o entrevistou em junho de 2008.
    102008: Martti Ahtisaari O prêmio, desta vez, foi recebido pelo ex-presidente finlandês (1994-2009) Ahtisaari por uma vida dedicada a mediar conflitos, como os de Kosovo, Namíbia e Indonésia. EL PAÍS o entrevistou em junho de 2008. Reuters
  • 2007: Al Gore e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças ClimáticasrnrnO Comitê norueguês premiou o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) por “seus esforços para construir e expandir o conhecimento sobre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e lançar as bases das medidas necessárias para combater essa mudança”.
    112007: Al Gore e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas O Comitê norueguês premiou o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) por “seus esforços para construir e expandir o conhecimento sobre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e lançar as bases das medidas necessárias para combater essa mudança”. AFP/ Reuters
  • 2006: Banco Grameen e Muhammad YunusrnrnO Comitê norueguês concedeu ao economista Muhammad Yunus (Bangladesh) o Nobel da Paz por “ser o idealizador do microcrédito” (pequenos empréstimos sem garantias que conseguiram tirar da miséria milhões de pessoas em todo o mundo).
    122006: Banco Grameen e Muhammad Yunus O Comitê norueguês concedeu ao economista Muhammad Yunus (Bangladesh) o Nobel da Paz por “ser o idealizador do microcrédito” (pequenos empréstimos sem garantias que conseguiram tirar da miséria milhões de pessoas em todo o mundo).
  • 2005: Mohamed ElBaradei e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONUrnrnO Prêmio Nobel da Paz foi concedido à AIEA e a seu diretor-geral, o egípcio Mohamed ElBaradei, em reconhecimento a seus “esforços para impedir que a energia nuclear seja usada para fins militares e por garantir que a energia nuclear para fins pacíficos seja o mais segura possível”.
    132005: Mohamed ElBaradei e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU O Prêmio Nobel da Paz foi concedido à AIEA e a seu diretor-geral, o egípcio Mohamed ElBaradei, em reconhecimento a seus “esforços para impedir que a energia nuclear seja usada para fins militares e por garantir que a energia nuclear para fins pacíficos seja o mais segura possível”.