Fiat Chrysler irá investigar morte do ator de ‘Star Trek’ Anton Yelchin

A empresa alertou em abril sobre problemas de freio em modelos como o do artista

Imagem de arquivo.AP | REUTERS-QUALITY (reuters_live)

A empresa automobilística Fiat Chrysler (FCA) fará uma investigação própria sobre o acidente em que morreu o ator Anton Yelchin. Conhecido pelo papel que interpretou na saga Star Trek, o artista, de 27 anos, morreu no domingo passado atropelado pelo seu próprio carro, um Jeep Grand Cherokee, que o esmagou contra um muro em sua casa. Há dois meses, a empresa ítalo-norte-americana determinou que fossem revisados mais de um milhão de veículos por causa de um problema no freio de mão que seria responsável por 41 pessoas feridas, 212 acidentes e 308 relatórios sobre danos causados pelo defeito. Agora, a empresa irá investigar se a morte de Yelchin se deveu a esse mesmo problema. “Ainda é prematuro especular sobre a causa”, afirmou um porta-voz da companhia nesta segunda-feira ao anunciar a investigação.

No comunicado emitido em abril, a FCA afirmava que muitos motoristas achavam erroneamente que tinham acionado o freio antes de sair do veículo. Aparentemente, a confusão tem a ver com o novo sistema eletrônico de câmbio, cuja manipulação se parece mais com um joystick do que com o sistema de câmbio tradicional dos veículos elétricos, de movimento mais limitado. Por essa razão, a empresa pedia aos proprietários que verificassem bem se o veículo estava realmente freado antes de deixá-lo e afirmava que ao longo deste ano faria um ajuste para que o veículo ficasse parado mesmo que o condutor não tivesse acionado o freio de mão. No mesmo mês, o órgão que cuida da questão da segurança viária nos EUA afirmara que aquela alavanca representava “claramente um problema de segurança”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: