Editoriais
i

Consenso econômico

É urgente evitar uma “guerra de divisas” e incentivar o crescimento

Christine Lagarde, diretora do FMI, no Fórum Econômico de Davos.
Christine Lagarde, diretora do FMI, no Fórum Econômico de Davos.JEAN-CHRISTOPHE BOTT (EFE)

Mais informações

Este diagnóstico, reunido com maior ou menor dramatismo em Davos, gerou no Fórum uma reação pessimista, justificada porque ninguém consegue ver uma saída clara para a situação de estancamento que ameaça todas as áreas econômicas do planeta. O risco de nova recessão chega em um momento difícil, depois de um episódio muito duro de crise, no qual alguns dos instrumentos para combatê-la (como a política monetária) já foram tentadas, com algum sucesso nos EUA, mas com resultados próximos à mediocridade na área do iene e duvidoso na área do euro. Mario Draghi, presidente do BCE, teve de anunciar que “vai reconsiderar sua política monetária em março se a ameaça de deflação continuar e se a taxa de crescimento na zona do euro continuar sendo baixa”.

A política monetária é essencial para corrigir uma crise global de crescimento, mas não é suficiente. O próprio Draghi acaba de explicar, de passagem, a importância de investimentos em infraestrutura para incentivar o crescimento e estimular a produtividade. A hipótese de uma recessão poderá ser evitada somente se for encontrada uma maneira para o investimento recuperar sua confiança nas expectativas da economia no curto e médio prazo; mas isso não é possível se em algumas áreas monetárias, como a Europa, ainda for mantida a prioridade de ajuste fiscal como critério para a política econômica. Os mercados, incluindo os de dívida, ficam entusiasmados mais que nada com o crescimento. Por essa razão, é necessário que, na Europa, quase um dos doentes crônicos da economia mundial, sejam iniciados reformas e programas de investimento que não gerem déficit.

O primeiro passo depois de Davos é evitar que o pânico se espalhe na forma de uma guerra de divisas. Usar a moeda para corrigir uma situação que tem causas estruturais é uma ilusão; na verdade, causa danos aos vizinhos que podem ajudar o renascimento da própria economia. É obrigatório, também, procurar um novo consenso para recuperar o papel do investimento e dos incentivos ao crescimento. Estas são as lições de Davos; mas continua sendo incerta a capacidade dos Governos para transformá-las em uma política econômica eficaz.