Brasil despenca 18 posições e passa ao 75º lugar em competitividade

Segundo o Fórum Econômico Mundial, país retrocedeu em 9 dos 12 indicadores estudados

A Avenida Paulista, em janeiro deste ano.
A Avenida Paulista, em janeiro deste ano. Rafael Neddermeyer (Fotos Públicas)

O Fórum Econômico Mundial divulgou nesta terça-feira seu prestigiado Relatório da Competitividade Global 2015-2016, um dos estudos mais detalhados sobre a capacidade dos países para competir globalmente. E o Brasil foi um dos países que registraram a maior queda neste ranking de competitividade: despencou 18 posições, caindo do 57º para o 75º lugar, em uma lista de 140 países. Suíça, Cingapura, Estados Unidos, Alemanha e Holanda lideram a classificação.

Mais informações

A edição deste ano do relatório encontrou uma correlação entre os países altamente competitivos e os que resistiram bem à crise econômica mundial ou tiveram uma rápida recuperação. O documento explica que “o fracasso, sobretudo nos mercados emergentes, em melhorar a competitividade durante os anos de recessão sugere que as futuras crises da economia mundial poderiam ter consequências profundas e prolongadas”.

Nesse ponto, o documento explica que o fim do superciclo das matérias-primas afetou fortemente a América Latina e isso está repercutindo no crescimento da região. Para desenvolver resistência contra crises futuras é necessário um forte impulso nas reformas estruturais, além de aumentar o investimento em infraestrutura, formação e inovação, diz. O Chile, em 35º lugar, é o mais bem colocado da região, seguido por Panamá (50º) e Costa Rica (52º). Duas grandes economias latino-americanas, Colômbia e México, melhoram suas posições para 61º e 57º lugar respectivamente.

Outras nações latino-americanas, no entanto, ocupam posições ainda piores que a do Brasil: o Equador ficou em 76º lugar, a Argentina em 106º, a Bolívia em 117º, o Paraguai em 118º e a Venezuela em 132º (apenas duas posições na frente do Haiti).

Mais dados sobre o Brasil

O estudo analisa 12 indicadores como a qualidade das instituições, o nível da infraestrutura, o clima empresarial, a educação, o preparo tecnológico e a inovação, assim como variáveis relacionadas às esferas trabalhista e financeira de cada país. O Brasil retrocedeu em nove desses indicadores e melhorou em apenas três deles: tamanho do mercado (subiu do nono ao sétimo lugar); infraestrutura (do 76º ao 74º lugar) e prontidão tecnológica (58º ao 54º lugar).

No entanto, o mesmo relatório mostra que o Brasil também despencou no quesito Ambiente Macroeconômico, do 85º ao 117º lugar. Mais dados: o país caiu 27 posições no ranking de Confiança das Instituições, do 94º ao 121º lugar, devido principalmente aos escândalos corrupção. As instituições privadas foram as mais afetadas: desabaram 38 posições e ocupam agora o 109º lugar. As instituições públicas tiveram uma queda de 18 posições e ocupam um posto ainda pior, o 122º lugar.

Com relação à educação, o Brasil está em 132º lugar entre os 140 países avaliados. E ocupa a posição 138 (penúltimo lugar) no índice relacionado ao efeito da taxação sobre o funcionamento dos mercados de bens e de trabalho.

Recuperação econômica na Europa e Espanha

“Na Europa”, diz o relatório que mede a produtividade e a prosperidade dos países, “Espanha, Itália, Portugal e França obtiveram importantes avanços no fortalecimento da competitividade. Graças aos pacotes de reformas para melhorar o funcionamento dos mercados”.

A Espanha, por exemplo, subiu duas posições, para o 33º lugar da lista de 140 países analisados. No entanto, o mesmo país perdeu posições no tocante a qualidade das instituições, infraestrutura, ambiente macroeconômico, saúde e ensino fundamental.

E isso apesar de estar entre os 10 melhores países do mundo em termos de infraestrutura, segundo o índice do Fórum Econômico Mundial. Precisamente o ambiente macroeconômico é um dos capítulos em que a Espanha obteve a pior nota, ao ocupar o 116º lugar devido aos grandes desequilíbrios de dívida pública, déficit, dívida externa, entre outros.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: