Imigração
Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Outro fracasso da Europa

A imigração se tornou a área com maiores divisões na política europeia e expôs suas enormes falhas

Um grupo de refugiados sírios em um dispensario de Médicos do Mundo em Atenas, o passado 2 de julho.
Um grupo de refugiados sírios em um dispensario de Médicos do Mundo em Atenas, o passado 2 de julho.LOUISA GOULIAMAKI / AFP

Pela segunda vez em um mês fracassaram as tentativas da UE de resolver a crise da imigração. Em junho, os líderes da Comunidade se recusaram a tornar obrigatória a divisão dos solicitantes de asilo expulsos pela guerra e pela opressão no norte da África e no Oriente Médio. Agora, os ministros do Interior foram incapazes de dividir a cota voluntária de 40 mil refugiados esperando na Itália e na Grécia (uma fração dos 600 mil que pedem asilo a cada ano) precedentes da Síria, da Eritreia e do Iraque. Apenas 35.000 serão reassentados a partir de outubro e a Espanha vai acolher 1.300, em vez do mais de 4.000 inicialmente indicados por Bruxelas.

Mais informações
Angela Merkel faz garota palestina chorar
Na Itália, Liga Norte ameaça prefeitos que acolherem refugiados
Europa perde o brilho para os imigrantes da América Latina
Itália resgata 4.500 náufragos em 24 horas em águas da Sicília

A pressão da Alemanha e da França não venceu a resistência de muitos sócios contrários a este esforço de solidariedade. A imigração se tornou a área com maiores divisões da política europeia e expôs as enormes falhas e a incoerência do sistema europeu para lidar com o fenômeno. Que os governos nacionais tenham voltado a destruir os planos da Comissão para aliviar a situação da Itália e da Grécia mostra até que ponto são inexistentes as perspectivas de europeizar a política migratória. Desde o não extremo à acolhida formulado pela Áustria e Hungria, até as reticências dos países bálticos e do Leste, todos encontraram argumentos, econômicos principalmente, para evitar o compromisso. Também a Espanha, onde, ao contrário de outros membros da UE, nem a questão migratória nem a crise dos refugiados são parte da batalha eleitoral.

A mesquinharia europeia lança uma mensagem devastadora para o resto do mundo. É verdade que a escala da imigração enfrentada pela UE tem proporções gigantes, em sintonia com as causas que a impulsionam nos países vizinhos. Mas, além da deterioração imposta à cultura do bem-estar pela crise econômica, além das mudanças na política de acolhida impulsionada por partidos populistas e xenófobos presentes em alguns dos seus Governos, a Europa tinha feito de sua solidariedade e tolerância ao asilo de pessoas perseguidas uma de suas bandeiras.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS