Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

África do Sul zomba da Justiça

Deixar um procurado por genocídio escapar é uma vergonha para o país do presidente Zuma

O presidente do Sudão, Omar al-Bashir, fugiu da África do Sul (onde participava de uma cúpula da União Africana) com a cumplicidade do Governo deste país, apesar de a mais alta corte de Pretória ter ordenado sua detenção em cumprimento a uma ordem de extradição do Tribunal Penal Internacional. Bashir, golpista que está no poder desde 1989 e foi reeleito este ano em eleições indignas deste nome, é acusados de crimes contra a humanidade e genocídio em Darfur, no oeste do Sudão, onde desde 2003 morreram cerca de 300.000 pessoas e outros dois milhões de moradores fugiram da violência do Estado.

Mais informações

A África do Sul, signatária em 1998 do tribunal internacional ao lado de mais 30 Estados africanos, tinha a obrigação indesculpável de prender o presidente sudanês e entregá-lo a Haia. Em vez disso, o Governo de Jacob Zuma riu dos juízes do país e violou flagrantemente a Constituição. Nessa decisão lamentável, aplaudida pelo partido governista, o Congresso Nacional Africano, há uma percepção sobre a fragilidade de uma corte internacional acusada de uma suposta inclinação antiafricana e cuja jurisdição se vê reduzida pela ausência entre seus membros de alguns dos países mais importantes do mundo.

O fato de o avião particular do fugitivo Bashir ter decolado com as bênçãos governamentais de um aeroporto militar de Pretória é uma vergonha para a reputação do país dirigido por Zuma; especialmente grave uma vez que a África do Sul pretendia ser uma referência continental com relação à Justiça internacional. Mas também representa um precedente inquietante sobre a evolução da luta contra a impunidade dos máximos dirigentes políticos. Em última análise, a África do Sul, em particular, e a União Africana, por extensão, se colocaram ao lado de um regime genocida em vez de suas inúmeras vítimas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: