Crimes de 140 caracteres

Na Espanha, a polícia critica a falta de colaboração do Twitter em investigações de assédio A empresa encaminha aos juízes, o que exige o envio de comissões rogatórias aos EUA

Um homem usa seu celular diante da silhueta de uma jovem.
Um homem usa seu celular diante da silhueta de uma jovem.Santi Burgos

“A questão de Lara poderia ter se resolvido em um mês, mas demoramos oito. O Twitter se negou a colaborar. É muito frustrante”, afirma a inspetora Silvia Barrera, da Brigada de Investigação Tecnológica (BIT) da Polícia Nacional da Espanha, referindo-se à prisão de dois homens de 42 e 30 anos —empregados e com títulos universitários— que assediavam a apresentadora da Televisão Espanhola (TVE) Lara Siscar por meio da rede social. Não é o único caso. “O Twitter se nega a fornecer o IP (localização) dos assediadores, mesmo que um juiz tenha encontrado indícios de delito. Dizem, por exemplo, que a empresa e os dados estão nos EUA e que o juiz deve enviar uma comissão rogatória para que um juiz americano obrigue o Twitter a fornecer esses dados. É um processo longo e caríssimo, uma forma de tentar dissuadir a justiça. Aconteceu conosco em dois casos de ameaças a figuras públicas, um deles grave”, acrescenta a inspetora.

Questionado por este jornal, o Twitter Espanha se nega a dizer quantas denúncias recebeu de usuários que disseram ter sofrido ameaças, humilhações ou assédio em sua rede social. Também não informa o número de perfis que foram fechados por esses motivos nem por quanto tempo. “Levamos muito a sério questões de assédio e ameaças”, afirma uma porta-voz. “Atualizamos nossa política e a proibição se estende agora a ameaças de violência contra outros ou que promovam a violência contra outros; mudamos a forma de aplicar a norma para conseguir bloquear contas abusivas por períodos de tempo determinados e aumentamos o número de pessoas que trabalha na equipe que avalia essas denúncias”, acrescenta. O Twitter garante que esse pessoal aumentou, mas também se nega a dizer quantos são e qual é sua formação.

“Entendemos que conteúdos desagradáveis ou que pareçam ofensivos possam ter sido encontrados no Twitter. [...] Assim como quando estamos em um espaço público e ouvimos uma conversa ofensiva, encontrar conteúdos provocadores no Twitter pode ser frustrante”, respondeu a rede social a Siscar quando pediu que fechassem a conta de um de seus assediadores. A apresentadora não estava frustrada, mas “assustada”. Recebia mensagens com insultos constantes de diferentes perfis —até 15— e um dos assediadores chegou a abordá-la em duas ocasiões na rua. “Quando vi que não tinha o que fazer em relação ao Twitter, fui à polícia, que me perguntou por que eu não tinha denunciado antes”, explica Siscar.

Mais informações

A conselheira geral do Twitter, Vijaya Gadde, admite em um artigo de abril passado no The Washington Post, que “às vezes” tinham “fracassado” em proteger seus usuários porque lhes custava reconhecer os casos de assédio e quando realmente o faziam eram “indisculpavelmente lentos”. “Mas a segurança não é um fim em si mesmo. Se não forem aplicadas de forma reflexiva, as ferramentas de segurança podem minar a liberdade do Twitter tanto quanto o abuso”, acrescentava.

Na maioria dos casos denunciados na Espanha, segundo a polícia, o Twitter parece colocar a liberdade de expressão e a privacidade de seus usuários à frente dos possíveis crimes que estejam sendo cometidos. Segundo o chamado “Informe de transparência” da empresa, a sede espanhola recebeu 69 pedidos de dados das autoridades no segundo semestre de 2014, das quais só forneceu “alguma informação” em 12%. No ano anterior não respondeu nenhuma.

Na subcomissão de estudo sobre redes sociais do Congresso dos Deputados, que avaliou esta problemática, entre outras, em 2013 e 2014 e no primeiro trimestre de 2015, a diretora de segurança global do Twitter, Patricia Cartes, assegurou que na Espanha o Twitter trabalha “em estreita conexão com a Guarda Civil, a Polícia Nacional e as forças de segurança regionais”. A inspetora Barrera nega o argumento. “O Facebook, pelo menos, retém os dados, ainda que o assediador tenha fechado a conta. O Twitter não. Você precisa ficar de guarda para fazer capturas de tela e dispor de evidências. Do ponto de vista da investigação, é como se tivéssemos de presenciar um homicídio para conseguir perseguir o culpado”.

E tudo isso ocorre quando já existe um juiz que viu indícios de crime, o que também não é fácil. “Muitos não têm Facebook, nem Twitter, nem entendem o que significa um vídeo ter um impacto de meio milhão de visitas. Tudo isso é novo e falta mentalização”, afirma Barrera. Em seu informe final, a subcomissão sobre redes sociais do Congresso propôs que juízes, promotores e forças de segurança recebessem “formação específica” e que a lei de proteção civil do direito à honra, à intimidade e à própria imagem se adaptasse ao “entorno digital”. Barrera afirma que a melhor via para atacar o problema seriam multas altas. “É mais rentável infernizar a vida de uma pessoa por anos no Twitter do que passar 20 quilômetros por hora o limite de velocidade”.

A Audiência Provincial de Madri ordenou recentemente a um tribunal de Madri que admitisse a tramitação de uma queixa contra o autor de comentários degradantes em um fórum da Internet. O tribunal tinha arquivado o processo por falta de autor conhecido, ao entender que a lei só permite pedir um IP quando se trata de um crime grave, de mais de 5 anos de prisão. Mas a Audiência interpreta que “grave” pode lançar esse tipo de expressões “no mais potente meio de difusão social, aumentando enormemente os efeitos lesivos para o direito à honra da queixosa” [uma personagem pública que tinha sido chamada de ‘cachorra’ e ‘vaca imunda’]. Do contrário, advertia, poderia surgir “uma sensação generalizada de impunidade”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: