Secretaria de Segurança

Crise no Paraná derruba comandante geral da PM

Coronel César Kogut alegou “dificuldades insuperáveis” com Secretaria de Segurança Ele havia enviado nota de desagravo criticando postura de secretário sobre ação policial

Kogut e Richa em outubro de 2013.
Kogut e Richa em outubro de 2013.Orlando Kissner / ANPr

A Polícia Militar do Paraná já possui um novo comandante. O chefe do Estado-Maior da entidade, Carlos Alberto Buhrer Moreira, assume interinamente o posto com o pedido de exoneração feito pelo agora ex-comandante César Kogut — a exoneração já foi assinada. A nota oficial do governo fala em "dificuldades administrativas com a SESP". O governador Beto Richa decidiu na quarta-feira poupar o atual secretário de segurança Fernando Francischini do que parecia uma iminente demissão, especulada por fontes extra-oficiais e cravada como certa por blogs de política e jornais locais.

Mais informações

As mudanças em altos postos de secretarias e outros órgãos do governo são reflexos da violenta ação policial que resultou em mais 217 feridos no dia 29, quando professores e demais servidores públicos que se manifestavam contra a reforma de projeto que altera a ParanáPrevidência, sistema de aposentadoria do funcionalismo estadual. Eles foram reprimidos com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, sprays de pimenta, jatos de de água e até mesmo com cães da raça pit bull usados por policiais.

Dois dias atrás, milhares de pessoas ocuparam mais uma vez a região do Centro Cívico, em Curitiba, pedindo a demissão do já ex-secretário de educação Fernando Ferreira Xavier e de Francischini. Ontem, após a decisão do governador, Kogut, em conjunto com outros 15 coronéis, enviou carta ao governador Beto Richa repudiando declarações dadas por Francischini em coletiva de imprensa realizada na segunda-feira, eximindo-se de culpa pelas consequências da ação. “Não tem justificativa. Nós lamentamos. As imagens são terríveis. Nunca se imaginava que um confronto como esse terminasse de maneira tão lastimável, com as imagens que nós vimos. Nada justifica lesões, vítimas, de ambos os lados”, disse à ocasião.

Na carta, o até então comandante da PM rebateu Francischini, alegando que o secretário participou ativamente de todas as etapas da operação, aprovando inclusive o plano de contingência. E foi além, dizendo que o mandatário da pasta acompanhou toda a operação, antes, durante e depois das cenas de violências, podendo solicitar a interrupção da operação a qualquer momento — e não o fez por opção própria.

O novo comandante, Buhrer Moreira, já era o encarregado pelo inquérito da PM que investiga excessos cometidos na manifestação do dia 29. E está entre os 16 coronéis que assinaram a carta repudiando as declarações do atual secretário e apoiada por outras entidades como a Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares ativos, inativos e pensionistas (AMEI). Ainda na noite de ontem, em meio à notas e reuniões, a Sesp emitiu comunicado pedindo compreensão à cúpula da polícia, e alegando ter sido "mal interpretado" durante coletiva e reiterando sua parte de culpa na operação desmedida.

"Pela representatividade das manifestações de apoio que recebi das principais entidades que representam os profissionais de segurança pública do nosso estado e do país, vejo que estamos no caminho certo no combate à criminalidade. Contudo, espero que os Coronéis compreendam que fui mal interpretado em alguns pontos de uma entrevista. Por isso, reafirmo meu total apoio a todas as operações da Polícia Militar, compartilhando todas as responsabilidades inerentes à Secretaria", dizia a comunicação.

Novas denúncias

O Ministério Público do Paraná anunciou avanços nas investigações que visam reunir material suficiente para um dossiê que vai servir de base para procedimento criminal já instaurado pelo órgão, e também ao processo preparatório de inquérito civil contra o estado. Segundo o MP, cerca de 80 pessoas já prestaram depoimentos e mais de 150 emails com imagens e vídeos foram recebidos pelo denuncias29deabril@mppr.mp.br, canal oficial criado exclusivamente para essa finalidade.

Entre os depoimentos, há relatos de diversos tipos de abuso, como o de uma estudante da Universidade de Londrina que alega ter sido completamente despida por duas policiais femininas, que a prenderam em uma das dependências do Palácio Iguaçu, sede do governo do estado. Outros relatos de excessos relacionados a crime de homofobia e agressões estão sendo analisados.