LUIS ÁLVAREZ-GAUMÉ | FÍSICO DO CERN

“Tudo indica que o universo está muito perto do precipício”

Físico espanhol fala sobre o que promete o maior acelerador de partículas do mundo

Luis Alvarez-Gaumé em seu escritório do CERN, depois da entrevista.
Luis Alvarez-Gaumé em seu escritório do CERN, depois da entrevista.

Em 1978, depois de concluir a graduação em Física e o serviço militar na Espanha, Luis Álvarez-Gaumé partiu para o doutorado em Nova York. Nunca mais voltou a trabalhar no seu país. A maior parte da carreira desse físico teórico transcorreu no CERN, principal laboratório europeu de pesquisas nucleares, onde, trabalhando desde 1988, ele já se tornou parte dos móveis e utensílios, conforme descreve o próprio cientista. No subsolo desta instalação, nos subúrbios de Genebra (Suíça), estão sendo feitos os últimos preparativos para que o maior acelerador de partículas do mundo, o LHC, seja religado. Na última vez em que essa máquina funcionou, ela revelou o bóson de Higgs. Agora, alcançará o dobro da potência, e ninguém sabe o que ela poderá encontrar. Em entrevista há alguns dias no seu escritório do CERN, Álvarez-Gaumé (Madri, 1955) explicou ao EL PAÍS que é possível descobrir a supersimetria ou a matéria escura, façanhas muito mais importantes e essenciais para explicar os 95% do universo sobre os quais nada se sabe ainda.

Com o distanciamento resultante de estar há décadas trabalhando fora da Espanha, o físico repassa a política do CERN, uma grande organização internacional com mais de 2.500 funcionários, e reclama da escassa participação do seu país na instituição.

Pergunta. O LHC vai cruzar uma fronteira para o desconhecido?

Resposta. Certamente. Uma das coisas que ele fará é a física fina do Higgs. Se houver discrepâncias nas formas pelas quais se desintegra, será uma maneira de saber que há uma física nova. Uma coisa divertida é que, se não houver nada além do modelo-padrão e o Higgs, o universo seria metaestável. O estado fundamental ou o vazio no qual vivemos não seria estável, e sim metaestável, ou seja, poderia produzir-se uma espécie de bolha ou uma hérnia, e o nosso universo desapareceria. Agora tudo indica que o universo está muito perto do precipício, é como se fosse evaporar. É o que parecem dizer os dados, e é uma das descobertas mais interessantes do LHC.

P. O que aconteceria então com a energia e a matéria escura?

R. Desapareceriam. Quando você olha as transições de fase, sabe que existem os estados líquido, sólido e gasoso. Neste caso, não saberíamos para onde iríamos. Seria um novo estado, que não sabemos qual é. O universo começaria a ferver, e não seria pelas colisões do CERN [risos]. Seria um universo no qual a vida não seria possível. Mas ainda assim a vida média do universo pode ser gigantesca. Por enquanto, é preciso continuar pagando as prestações da casa própria e as dívidas, porque o fim não vai ocorrer depois de amanhã.

Mais informações

P. O que significaria encontrar a supersimetria?

R. Para cada partícula conhecida haveria uma irmã desconhecida. E algumas delas poderiam ser de matéria escura. Há muitas razões pelas quais achamos que deve haver algo além do sistema-padrão. Uma delas é que os neutrinos oscilam, transmutam-se entre si. Outra coisa: por que há matéria, e não antimatéria? Isso o modelo-padrão não explica.

P. Que descoberta mais gostaria que fosse feita?

R. A supersimetria, talvez porque investi muito tempo da minha vida nesse campo. Mas, se deixarmos de ser egoístas, o que mais eu gostaria é que a natureza nos surpreendesse. A natureza deve ter uma impressionante quantidade de truques guardados. Uma possibilidade é que o Higgs seja uma partícula composta. Por enquanto, parece que é uma partícula fundamental, mas dela só vemos uma certa energia. Antes também achávamos que os átomos eram indivisíveis. Depois se viu que eles se dividiam em elétrons e núcleo. Que o núcleo é feito de prótons e nêutrons. E depois que o próton é feito de quarks. A pergunta é se isso prossegue ad infinitum ou se paramos aí. Por enquanto, parece que, com a energia ao nosso alcance, tanto os quarks como os elétrons, os neutrinos e o Higgs são partículas elementares.

P. Quanta energia acredita que será necessária para fazer novas descobertas?

R. Possivelmente o LHC poderá ver a supersimetria se tivermos sorte. Mas também é possível que só seja possível alcançar isso a níveis energéticos duas, dez ou centenas de vezes maiores que o LHC permite. É aqui que está o mais divertido. Você faz uma teoria e depois comprova se ela está certa. As teorias que não são falseáveis no final não são mais do que um divertimento.

P. Quando serão conhecidos os primeiros resultados dessa rodada de experimentos?

R. O mais provável é que cheguem entre setembro e dezembro deste ano. Se a supersimetria estiver nesse nível, será produzida uma grande quantidade de gluínos, um tipo de partícula que seria a companheira supersimétrica dos glúons, que funcionam como uma cola [glue, em inglês] que une vários quarks para formar partículas complexas. Se existirem, será como as falhas, porque apareceriam em grandes quantidades.

P. É possível que não se descubra nada… Como justificar isso para os políticos que decidem quanto dinheiro entregar ao CERN?

R. Se trabalhássemos assim, não seria preciso financiar a ciência. A vacina da AIDS, por exemplo, talvez não seja encontrada, mas no caminho foram descobertos novos tratamentos, aprendem-se coisas que evidentemente trazem benefícios para a humanidade. Não acredito que o sr. Rajoy [Mariano Rajoy, primeiro-ministro da Espanha] saiba o que é o Higgs, mas, mesmo que soubesse, isso deve interessá-lo bem pouco. O fato é que, em termos de retorno, o CERN produz três vezes o que se investe em um período de 10 anos, é o melhor investimento que se pode fazer. E há outro retorno, que não se conta, que é o educacional. Está claro que todos os países onde há um investimento em ciência básica são países nos quais não houve crise, ou quase não houve. Onde há P+D+i [pesquisa, desenvolvimento e inovação], como Suíça, Finlândia e Japão, a crise mal se nota, e na verdade o que eles têm feito é investir mais. Na Espanha, investiu-se muitíssimo dinheiro nos Jogos Olímpicos de 1992, e agora somos uma potência mundial em nível desportivo. É surpreendente que um país com 40 milhões de habitantes tenha resultados comparáveis a países muito maiores. É um investimento que floresceu com o tempo. A ciência é muito mais difícil. Fazer um Contador [Alberto Contador, ciclista] é fantástico, mas fazer um Einstein, um Galileu ou um Newton leva muito mais tempo. É necessário um investimento sistemático, não cortar cada vez que há um problema, porque isso é ter uma miopia atroz.

P. O peso espanhol dentro do CERN está diminuindo?

R. Nossas autoridades deveriam desempenhar um papel muito mais ativo aqui. Tanto na política de vagas como nos novos contratos. Outros países mantêm aqui em Genebra delegações que, a cada licitação aberta, entram em contato com as suas empresas. Na Espanha, lamentavelmente, isso nunca se firma, há mais de 20 anos dizemos isso. É a mesma coisa com as vagas. Há um déficit notável de pessoal qualificado no CERN com relação ao que a Espanha paga. Não entendo por que os representantes na Espanha não levam isso a sério. É preciso se interessar. Estamos ocupando um número de vagas de alto nível muito abaixo do que nos caberia. Basta olhar no organograma da organização quantas pessoas de alto nível são espanholas.

P. Acredita que haja um desinteresse explícito por parte do Governo?

R. O Rei veio para o 50º. aniversário, há 11 anos. Mas desde que estou aqui nunca veio nenhum chefe do Governo espanhol para visitar o CERN. Nem [Felipe] González, nem [José María] Aznar, nem [José Luis] Zapatero, nem Rajoy.