Parque Augusta levanta acampamento

Grupo por preservação de área no centro de São Paulo deixa local por ordem da Justiça

Ativistas em árvore no Parque Augusta nesta quarta.
Ativistas em árvore no Parque Augusta nesta quarta.T. Benedicto (Folhapress)

“Olhe no meu olho e receba o meu amor”, dizia uma garota baixinha, com os cabelos cumpridos, presos por um rabo de cavalo, a um policial da tropa de choque de São Paulo. Não eram nem seis horas da manhã desta quarta-feira, horário em que a polícia faria a reintegração de posse do terreno ocupado por um movimento que reivindica a abertura do Parque Augusta na cidade.

O quadrilátero entre as ruas Caio Prado, Augusta, Marquês de Paranaguá e Consolação, com 24.000 metros quadrados de área, estava ocupado por militantes do Organismo Parque Augusta, Aliados do Parque Augusta e outros ativistas desde o dia 17 de janeiro. O terreno, de propriedade das construtoras Cyrella e Setin, está destinado à construção de dois prédios. Pelo projeto, as construtoras se comprometem a manter uma área verde, já que parte do local é tombado pelo Patrimônio Histórico, nessa que é uma das regiões mais cobiçadas pelo mercado imobiliário da cidade. No papel, o parque proposto pelas construtoras ficaria aberto ao público. Pelo Plano Diretor da cidade, ali seja criado um parque.

Desde sua ocupação, o local recebia diversas atividades diariamente, como oficinas, aulas de pilates, yoga e shows. No fim de semana anterior à reintegração de posse, diversos artistas se apresentaram por ali. Uma vigília foi feita da noite desta terça para quarta-feira.

“Eu quero ser o último a deixar o parque”, dizia um ativista. Muitos deles choravam. Aline Pereira, de 24 anos, estava com suas três malas em um carrinho. Moradora de rua, terá de encontrar um novo endereço para viver. “Vou para a Praça Roosevelt agora”, dizia. Ela estava ali desde o Carnaval. “Mas a gente ainda vai voltar pra cá”.

Um dos advogados do movimento, Luiz Guilherme Ferreira, não sabia dizer se, de fato, a reintegração de posse seria feita de forma pacífica, como a maioria dos ativistas havia decidido na noite anterior em uma assembleia. “Negociamos com os oficiais a saída, mas quando tem a Polícia Militar envolvida, a gente nunca sabe”, disse. A proposta do movimento era não resistir para que a violência da polícia não acabasse, mais uma vez, com alguma manifestação na cidade.

Com uma muda de paineira nas mãos, Jennifer Alves, de 21 anos, lamentava ter de deixar o lugar. “Estamos perdendo mais um pedaço da Mata Atlântica”, dizia. Os ativistas levaram diversas mudas, de diferentes espécies, para plantar no Vale do Anhangabaú, que está sob o risco de perder diversas árvores centenárias devido a um projeto de "requalificação" do local.

Mais informações

Durante o fim da madrugada e início da manhã desta quarta-feira, dezenas de pessoas recolhiam seus pertences e barracas do parque e saiam pelo portão. O barulho do movimento incomodou alguns vizinhos, que saíram nas janelas dos prédios ao redor para reclamar. “A gente não quer esse terreno pra gente, é para cidade”, gritava o artesão Piauí.

Por volta das 6h30 da manhã, na porta do parque, a PM comunicou à imprensa presente que daria uma coletiva. Levou jornalistas para fora do cordão de isolamento que estendera na rua do parque, concedeu uma coletiva e não deixou que a imprensa voltasse para a frente do parque, criando um cercadinho que isolava principalmente as redes de TV. Logo em seguida, às 7h15, o Batalhão de Choque se aproximou do portão e entrou no terreno.

Não houve confronto. A maioria saiu sozinha do terreno. Alguns poucos resistiram em cima das árvores centenárias do parque, mas desceram minutos depois. Um policial bateu com o cassetete em Izabela Alzira, que ficou com as pernas marcadas. “A polícia é a única que bate em quem está no caminho”, diz ela, que estava na frente dos policiais quando eles iniciaram a entrada no parque.

Em uma assembleia no meio da rua, os militantes decidiriam que iriam até a frente da Prefeitura para falar com o prefeito Fernando Haddad (PT). Cerca de 200 pessoas marcharam até a Prefeitura pela rua Augusta, às 9h. Por volta das 10h, pararam em frente a um stand da construtora Setin, uma das donas do terreno, para se manifestarem contra a construção dos prédios. O cruzamento da rua Coronel Xavier de Toledo com as ruas da Consolação e Martins Fontes, no coração da cidade, ficou com o trânsito totalmente interditado por alguns minutos.

Às 10h40 chegaram à Prefeitura, com a expectativa de ser recebidos pelo prefeito. Houve uma sinalização de que a vice-prefeita, Nádia Campeão, e Alexandre Padilha, secretario de Relações Governamentais, receberiam as lideranças. Não houve acordo, já que a conversa era esperada com Haddad. O ato foi encerrado por volta das 11h40 sem que houvesse diálogo entre manifestantes e o poder público.

Os militantes se reunirão nesta quinta-feira, às 20h na Praça Roosevelt, local onde eles se reuniam antes da ocupação do parque, para decidir os novos rumos do movimento. No final da manhã desta quarta, o parque já estava fechado, com sete seguranças em frente ao portão, e dois cachorros Rottwelleirs.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: