Medo da Liberdade
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O fracasso das Américas

Países da região, às voltas com seus labirintos, nada fazem diante da crise venezuelana

A situação na Venezuela polariza o subcontinente e constitui uma prova de fogo para as instituições e países das Américas. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, ofereceu-se como mediador entre a oposição e o Governo venezuelano, que continua dando as costas ao seu povo, escutando apenas a si mesmo, desqualificando os dissidentes e ameaçando Governos estrangeiros e empresas.

A Venezuela selou seu próprio destino ao ser complacente e permissível com a classe política corrupta que levou Hugo Chávez ao poder e ao permitir que o comandante vencesse 14 eleições com seu programa social para os pobres. Chávez, um dialético intuitivo, compreendeu – depois do fracassado golpe de Estado de 2002, orquestrado por vários empresários com o apoio dos Governos espanhol e norte-americano – que, uma vez cometido o erro de não o terem embarcado num avião para Cuba, estava livre e teria todo o campo de jogo ao seu dispor, absorto como estavam os EUA com as consequências do 11 de Setembro.

Mais informações

Chávez é filhote da teoria do big stick, ou “grande porrete”. Sabia que o limite do jogo estava nos interesses do Tio Sam e, junto com Castro, intuiu que Washington só estava preocupado em se vingar e em restaurar o equilíbrio mundial através de duas guerras fracassadas: Afeganistão e Iraque. Assim, ambos substituíram a “teoria do dominó” pela do “petróleo livre para todos”.

A Venezuela selou seu próprio destino ao ser complacente e permissível com a classe política corrupta que levou Hugo Chávez ao poder

O falecido presidente venezuelano, com sua referência ideológica castrista e sua interminável reserva petrolífera, agarrou seu livro amarelo e foi fazer as Américas. No momento do golpe de Estado de 2002, Pedro Carmona (o empresário que urdiu a trama para se tornar presidente provisório) e o almirante Bernabé Carrero não sabiam que o Exército venezuelano – ao qual Chávez pertencia – era um dos poucos elementos de mobilidade social e se transformara na nova classe dominante.

O que Chávez fez foi comprar para o Exército o direito de deter todo o poder, e com esse pretexto se lançou a entregar na prática o país à técnica do domínio de massas dos cubanos, a fazer valer o direito dos militares de tirar partido da riqueza nacional e a encurralar – sem nenhum desejo de integração – as classes dominantes, chamando de sifrinos [gíria equivalente à brasileira coxinha], de oligarcas ou de qualquer coisa quem não fosse favelado ou militar.

A OEA, a Unasul e o ALBA deveriam estar assumindo o protagonismo para tornar menos dramáticas as condições dos venezuelanos

Depois dos recentes episódios de violência, a OEA, a Unasul e a ALBA deveriam estar assumindo o protagonismo para tornar menos dramáticas as condições para os venezuelanos. Nada disso acontece. A OEA há muito tempo de serve de pouca coisa, a Unasul não chega a se consolidar, por causa da necessidade de afirmação individual dos países latino-americanos, e o único livro vermelho da ALBA é o petróleo negro da Venezuela.

Por isso, com Chávez morto e diante de um novo panorama geoestratégico, a América vive as consequências de seu fracasso em meio à repressão e à ausência de esperança dos venezuelanos.

Tampouco ficou claro alguma vez por que Chávez escolheu Nicolás Maduro para substituí-lo, em vez de Diosdado Cabello. Apesar da inspiração divina e do passarinho Chávez, Maduro não foi nem o líder revolucionário que esperavam os chavistas nem, diminuído o fervor, alguém que melhorasse a vida do seu povo.

A América não tem referenciais e, enquanto se prepara a volta do império do Norte, a fome, o fracasso e a repressão na Venezuela, esse país tão rico, tão pouco habitado e tão desgraçado, se tornaram uma vergonha, justamente quando no século XXI o ser humano perdeu a capacidade de se comover diante da morte. Ninguém se importa com os mortos da Síria ou da Ucrânia, e certamente ninguém se importa com os mortos que Chávez não teve, e dos quais Maduro já acumula 49.

Todos os países latino-americanos estão às voltas com seus próprios labirintos. O Brasil não pode dar um passo sem resolver a corrupção que ameaça devorar o Governo. A Colômbia está nas mãos de Cuba, que patrocina as negociações de paz com as FARC. A Argentina já está em sua enésima crise cíclica, da qual novamente será capaz de sair, embora agora ela coincida com a mudança presidencial. E o México está afogado demais na violência, na corrupção e na falta de credibilidade.

Por isso, a América não diz nem faz nada a respeito da situação venezuelana. Quem vive ou viveu da bolsa chavista – através do petróleo – não vê razão alguma para ajudar ou deixar de ajudar Maduro ou para defender o povo venezuelano.

A situação só vai melhorar quando se perder o medo coletivo. Recordo que o falecido primeiro-ministro espanhol Adolfo Suárez sempre dizia: “É preciso evitar que o cinturão do medo una todos”. Hoje, todos na Venezuela têm medo.

Quem está no poder tem medo, pois sabe que o perdeu, e que só as balas permitirão que nele se mantenham. Os opositores têm medo porque sabem que, dando um passo a mais, ninguém poderá controlar a explosão. Os cubanos têm medo porque são os únicos que manuseiam os fios e porque, na grande negociação entre o Norte e a América que emergiu depois das Torres Gêmeas, a Venezuela é apenas uma moeda de troca.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: