O que vamos comer amanhã?

América Latina luta para permitir que os alimentos cheguem à mesa de quem mais precisa

Marcello Casal Jr./Abr. (Agência Brasil)

Todos os dias, o mundo joga no lixo entre 1/4 e 1/3 da comida que produz. Enquanto isso, 870 milhões de pessoas – mais de quatro vezes a população brasileira – acorda e vai dormir sem saber o que e quando vai comer.

Levando-se em conta que a população global chegará a 9 bilhões em 2050, como garantir comida a tanta gente, e ainda por cima a preços acessíveis? “É impossível vencer o problema da insegurança alimentar se não investirmos na América Latina para promover exportações e ajudar a alimentar o mundo”, comenta o gerente regional de agricultura do Banco Mundial, Laurent Msellati.

Mais informações

Quando fala em investimentos, ele não se refere só às técnicas para aumentar a produtividade, mas também ao conhecimento para enfrentar os principais riscos como secas, cheias e outros fenômenos climáticos extremos (e cada vez mais frequentes), pragas e até os altos e baixos da economia global.

Tudo isso é importante sobretudo para o maior produtor de alimentos da região, o Brasil, que em breve vai concluir seu primeiro diagnóstico das políticas e programas de gestão de risco do setor agropecuário.

Prevenir para economizar

O documento, a ser entregue ao Governo em março de 2015, apresenta recomendações e prioridades para uma melhor gestão dos riscos de um setor cuja safra foi de 194,5 milhões de toneladas em 2014, 3,3% maior do que a de 2013, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Técnicos do Banco Mundial, do Ministério da Agricultura (MAPA) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) analisaram 7.000 questionários respondidos em todo o Brasil. Os riscos relacionados com a infraestrutura e logística do setor agropecuário, além das secas cada vez mais graves em todo o país, são as maiores preocupações dos atores do setor.

E, para o diagnóstico não se limitar as percepções do setor, foram feitas consultas com especialistas de Universidades e do setor público e privado em gestão dos diferentes riscos, comparando os resultados do questionário com os resultados de estudos científicos e avaliações de impacto.

“Conhecer os riscos à agricultura é importante para garantir o acesso à alimentação da população mais vulnerável e evitar que a economia seja impactada. Só no estado de São Paulo (que tem a maior participação na produção agrícola do país), uma queda de 10% na produção custaria mais de 4 bilhões de reais (cerca de 1,5 bilhões de dólares) em receitas fiscais”, explica Msellati.

Em compensação, se começar a agir rapidamente para prevenir riscos, o país tem muito a ganhar: um dólar investido em mitigação de riscos como desastres naturais economiza sete em ações de resposta.

Anos de prejuízo

Diagnósticos como o que o Brasil está concluindo vêm sendo feitos em menor escala em alguns dos estados – como Bahia e Paraíba, no nordeste – e em outros países latino-americanos, como o Paraguai.

Embora tenha produção bem mais modesta que a do Brasil, o país vizinho obtém 30,4% do PIB da agricultura. O setor ainda responde por 40% das exportações e gera 2 em cada 5 empregos.

Por tudo isso, não é difícil imaginar o impacto provocado por recentes secas, inundações e chuvas de granizo: só em 2011, as perdas na produção de soja custaram 920 milhões de dólares ao setor, além de 300 milhões em perdas na pecuária.

Segundo o relatório Análise de Risco do Setor Agropecuário no Paraguai, no mesmo ano, os pequenos produtores perderam entre 25% e 50% da produção. E, segundo cálculos relativos a 2014, as enchentes causaram perdas semelhantes.

Além disso, uma epidemia de febre aftosa entre 2011 e 2012 fez os mercados de exportação se fecharem ao Paraguai, o que custou ao país centenas de milhões de dólares desde então.

O documento recomenda desenvolver o sistema de pesquisa e transferência de tecnologias como sementes mais resistentes aos eventos climáticos e sistemas de irrigação inteligente para a agricultura familiar.

E, também, consolidar os serviços de sanidade animal, desenvolver uma bolsa agropecuária e seguros agropecuários – como os já existentes no Brasil compensando agricultores familiares que perderam a produção devido a adversidades do clima.

América Latina e Ásia serão responsáveis por mais de 75% da produção agrícola mundial na próxima década, segundo a FAO e a OCDE. Por esse e outros motivos, tais medidas são um passo adiante para garantir que a pergunta “O que vamos comer amanhã?” sempre terá resposta.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: