E se Judas não traiu Jesus?

Escritor Amos Oz sustenta que Judas foi o maior defensor do profeta de Nazaré

É certo que o apóstolo Judas Iscariotes traiu Jesus e o entregou para as autoridades de Jerusalém por 30 moedas de prata? Isso é o que a Igreja Católica defende até hoje, apoiando-se nos textos evangélicos.

E se ao invés de traidor ele fosse, pelo contrário, o discípulo mais fiel e ilustrado do Colégio Apostólico que, agindo como um espião entre os outros discípulos analfabetos, acabasse transformando-se no seu maior defensor e devoto?

Amos Oz, em sua obra Judas, que acaba de ser publicada no Brasil pela Companhia das Letras, sustenta, também apoiado nos textos evangélicos, que Judas não só não traiu o Mestre como tentou fazer com que ele se transformasse no grande vencedor tanto entre os esfarrapados das aldeias da Galileia como em Jerusalém, entre intelectuais e poderosos.

A original interpretação de Judas pelo escritor judeu, favorável ao diálogo entre Israel e Palestina, pode intrigar não só os cristãos, mas também os judeus, de quem Jesus de Nazaré era um filho de Abraão, um judeu dos pés à cabeça.

Agora, Amos Oz volta a ressuscitar para seus leitores não só Jesus, que os judeus se negam a considerar como um profeta, mas seu “traidor” Judas, uma das figuras das quais, depois do Mestre, mais se escreveu e especulou nesses dois mil anos da era cristã.

A tese do escritor israelense cria perplexidade primeiro entre os cristãos.

MAIS INFORMAÇÕES

Segundo ela, Judas, talvez o único apóstolo não analfabeto, nem oriundo da rural Galileia, mas da rica Judeia, foi enviado pelas altas esferas religiosas do Templo para introduzir-se como espião no círculo daquele curioso pregador de um novo reino que fazia prodígios. Queriam saber se era mais do que um mero charlatão.

Judas, fascinado pela figura do profeta, acabou transformando-se em seu melhor devoto. Intelectual e ambicioso como era, preparou um grande plano de vitória para Jesus.

O Mestre deveria, segundo seus cálculos, aumentar seu círculo de seguidores e deveria chegar ao coração do poder, que estava em Jerusalém. Lá, deveria se revelar como deus.

Em vez de dar visão para cegos e expulsar demônios ou curar paralíticos, o profeta deveria fazer, em Jerusalém, o grande milagre que o revelaria como o Messias, o libertador de Israel, um deus na terra: vencer a morte.

Dessa forma, organizou as coisas para que fosse condenado e crucificado. E nesse momento se livraria milagrosamente da morte aos olhos dos poderosos e dos humildes nas vésperas da Páscoa.

Segundo o escritor e romancista, não foi fácil para Judas convencer Jesus a ir até Jerusalém, onde era visto com hostilidade pelos sacerdotes e autoridades romanas. Temia que pudessem atentar contra sua vida. Jesus não era um herói que desejava ser mártir. “Se for possível, afasta de mim esse cálice”, disse para seus discípulos na Última Ceia. Não queria ser sacrificado.

Para as autoridades da época Jesus era, entretanto, mais um dos falsos profetas que apareciam todo dia com seus vaticínios. Não viam motivo para condená-lo à morte. Isso encontra eco nas palavras de Pilatos, quando disse para a multidão alvoroçada que pedia a morte do profeta: “não vejo nenhuma culpa nele”. E fez corpo mole antes de ceder à injusta sentença.

Parece um paradoxo que seja Judas o único dos discípulos que fala de Jesus como se fosse um deus. Nem ele jamais considerou-se como tal. Chamava-se de “Filho do homem”, que em aramaico significa simplesmente “homem”. O único Deus era seu Pai do céu, para quem se queixou quando se viu abandonado na cruz.

A história de Judas traidor que entrega Jesus por algumas moedas teria sido criada por alguns dos evangelistas posteriores.

Amos Oz volta a ressuscitar para seus leitores não só Jesus, que os judeus se negam a considerar como um profeta, mas seu “traidor” Judas

Segundo Amos Oz, Judas não precisava entregar Jesus porque ele nunca se escondeu, sempre falava em público e era conhecido por todos. Além disso, 30 moedas de prata não eram nada para ele, possuidor de bens e terras. Era o preço da venda de um escravo.

Por que então Judas se enforca depois de ter visto Cristo expirar na cruz? Não por arrependimento, por tê-lo traído, mas porque ao vê-lo morrer como mais um crucificado, queixando-se para Deus por tê-lo abandonado, sem ter sido capaz de descer milagrosamente da cruz, se deu conta de que sua estratégia de vitória havia falhado. Sentia-se mais um derrotado do que um traidor.

“E Judas, cujos olhos horrorizados viam o sentido e o objetivo de sua vida se esfacelar, Judas que compreendeu que com suas próprias mãos tinha causado a morte do homem que amava e admirava, foi embora de lá e se enforcou”, escreveu Oz, e acrescenta: “Assim morreu o primeiro cristão. O último cristão. O único cristão”.

O escritor, que conhece muito bem os textos bíblicos, tira duas conclusões importantes dessa interpretação original: Jesus não queria fundar uma igreja, mas purificar o judaísmo de sua visão estreita e dos compromissos entre o Templo e o poder temporal: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.

Assim, se os judeus da época tivessem “aceitado Jesus”, se o tivessem escutado ao invés de persegui-lo, talvez não existisse a posterior perseguição dos judeus que culminou no Holocausto, já que por não ter sido criada, em seu nome, a nova igreja cristã, Jesus não teria sido apontado durante séculos como culpado pelo fato dos cristãos odiarem os “pérfidos judeus”, que mataram Jesus, como era rezado na Semana Santa até que aquele texto foi eliminado pelo papa João XXIII.

E a igreja atual, ou não existiria ou teria sido totalmente diferente. Assim, Amos Oz, com sua audaciosa interpretação que acompanha passo a passo seu romance que coloca ao mesmo tempo o tema existencial da traição humana e seu conflito, aplicada ao drama entre Israel e Palestina, está alertando tanto o mundo judeu como o cristão.

Um livro destinado não só a ser saboreado como uma joia literária as quais o grande escritor israelense nos acostumou, mas também a despertar, tanto curiosidade como polêmica, nas duas maiores religiões monoteístas.