Beleza

Lea T, a transexual brasileira que quebra padrões de imagem de beleza

A partir de janeiro, a modelo será o rosto da linha de produtos capilares Chromatics, da Redken

A modelo Lea T na passarela de Philipp Plein, em Milão.
A modelo Lea T na passarela de Philipp Plein, em Milão.Tullio M. Puglia

Continua sendo difícil escapar da ditadura imposta por séculos de tradição em relação à diferença de gênero. Bem o sabem as mães que tratam de fugir do rosa e do azul que o mundo do consumo continua etiquetando meninos e meninas em sociedades supostamente progressistas. No mundo da alta costura, ao contrário, há anos existem indícios de mudança. A chegada de diferentes modelos transexuais como Andreja Pejiuc e Conchita Wurst ao mundo das passarelas e das revistas de moda impõe um questionamento dos cânones de beleza e de gênero. E ainda que exista quem afirme que é simplesmente uma manobra das marcas para chamar a atenção para seus produtos e vender mais, para os transexuais desfilar em Milão ou aparecer na capa da Vogue é um empurrão importante para a aceitação social.

Nessa corrida feita de pequenos passos rumo à tolerância alheia, um pequeno avanço aconteceu na semana passada: Lea T, a primeira modelo transexual que irrompeu no mundo da moda em 2010, por meio de uma célebre campanha da Givenchy, será, a partir de janeiro, o rosto da linha de produtos capilares Chromatics, da Redken. Isso significa que seu rosto anguloso e sua espetacular cabeleira olharão diretamente para os olhos das clientes dos salões de beleza de meio mundo, já que a Redken é uma multinacional norte-americana vende seus produtos em dúzias de países, centenas de milhares de supermercados e investe milhões em publicidade.

É a primeira vez que uma empresa do porte da Redken se atreve a pôr sua marca nas mãos de uma modelo transexual, que também é firme defensora e porta-voz dos direitos da comunidade LGBT. E sua história pessoal, além disso, reflete a difícil situação que têm de enfrentar quem nasce com um sexo diferente do que sente ter.

Lea T nasceu sendo Leandro, em 1981, em Belo Horizonte, no seio de uma família muito católica e bastante famosa. Seu pai é o ex-jogador de futebol Toninho Cerezo, uma celebridade nacional que várias vezes renegou Lea publicamente e que chegou inclusive a dizer que só tem três filhos ao invés de quatro. “Nunca conversamos diretamente sobre esse assunto. Ele não gosta de falar nisso. Quando nos vemos, falamos de trivialidades” confessou Lea T em uma de suas primeiras entrevistas na edição italiana da revista Vanity Fair. “Quando era pequena, meu pai me olhava e dizia que havia algo estranho em mim. Depois, todos na família começaram a rezar para que eu não fosse gay. Teria sido o menor dos males para uma família estritamente religiosa”.

Mais informações

Anos depois, quando se deu conta da sua identidade, quis renegá-las, mas não pôde. Foi Riccardo Tisci, diretor de criação da Givenchy, quem ajudou Leandro a se transformar em Lea T encorajando-a a se vestir de mulher “porque sentia sua forte feminilidade”, lembrou na mesma revista. Depois de contratá-la como assistente, utilizou-a como modelo nos bastidores e quando decidiu lançar sua coleção de 2010, de corte andrógino, pediu a Lea T que fosse a figura central da campanha, tornando-a de fato a primeira modelo transexual de uma grande casa de moda. A edição francesa da Vogue, quando ainda era dirigida pela atrevida Carine Roitfeld, ajudou a catapultá-la ao estrelato mostrando-a totalmente nua em suas páginas. Desde então não deixou de trabalhar, beijando –na capa da revista Love– Kate Moss na boca. Entretanto, Lea T acredita que sua transexualidade não vai fazê-la plenamente feliz. Em 2010 afirmou: “Não posso me permitir o luxo de me apaixonar. A maioria dos transexuais que consegue namorado esconde dele sua verdadeira identidade. Vivem na hipocrisia, que é um tipo de solidão. Nascemos e crescemos sozinhos. Depois da operação, voltamos a nascer. Mas sozinhos outra vez. E morremos sozinhos. É o preço que temos de pagar”.

Recentemente, uma pesquisa de opinião realizada nos Estados Unidos pelo Centro Nacional para a Igualdade dos Transgêneros afirmava que a metade dos entrevistados havia tentado o suicídio ao menos uma vez, enquanto que muitos deles se declaravam vítimas da violência homofóbica. Que o rosto de Lea T se torne um ícone de beleza pode ajudar, ainda que seja apenas um pouquinho, a mudar essa situação.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete