Seleccione Edição
Login
lonely planet

Dez cidades ‘trendy’ para 2015

De Washington a Plovdiv, na Bulgária, e de Milão a Chennai, na Índia, cidades que marcarão tendência no próximo ano

Entrada da Exposição Universal de Milão 2015, na Piazza Castello. Ver galeria de fotos
Entrada da Exposição Universal de Milão 2015, na Piazza Castello.

Dentro de seu popular ranking Best in travel sempre publicado nesta época do ano, Lonely Planet sugere as 10 cidades do planeta que seus especialistas (editores, viajantes, comunidade online) acham que devem ser conhecidas em 2015. Algumas porque celebram algo muito especial: outras porque estão pouco valorizadas e está na hora de descobri-las, e outras simplesmente porque estão vivendo uma grande transformação que fará com que sejam destinos diferentes. Estas são as dez escolhidas este ano.

01 Washington (EUA)

Em 2015, um assassinato como desculpa.

Interior do museu de História Natural, no complexo do Instituto Smithsonian, em Washington D.C. ampliar foto
Interior do museu de História Natural, no complexo do Instituto Smithsonian, em Washington D.C.

Washington foi a cidade mais valorizada do mundo pelos especialistas da Lonely Planet como destino que ninguém deveria perder (em 2015 ou em qualquer ano): tem museus e monumentos para todos os gostos, um zoológico, vários centros de investigação e sobretudo o célebre Smithsonian Institute. E por que ir agora? Porque celebra o 150º aniversário de Abraham Lincoln e, como tudo neste país, acontecerão muitos eventos. Inclusive para comemorar um magnicídio haverá inaugurações importantes, como a do City Center DC ou The Yards, em uma antiga zona industrial junto ao rio Anascostia; duas estruturas multifuncionais que darão mais impulso à já ativa vida cultural da capital norte-americana.

Junto a elas há novos hotéis, lojas, espaços públicos e zonas residenciais que vão transformar a capital federal. Os que esperarem até 2016 para viajar a Washington se encontrarão com outra surpresa: o Smithsonian abrirá o museu Nacional de História e Cultura Afroamericana, que será o único centro nacional dedicado à cultura afroamericana em todo o país.

Além das atrações especiais, é um ano perfeito para descobrir Washington porque é uma dessas cidades que sempre vale a pena, com uma divertida vida noturna, uma dinâmica oferta de estupendos restaurantes étnicos (a cada dia novas propostas são abertas) e uma fantástica oferta de espetáculos teatrais, agora com novos cenários como o Kennedy Center.

02 El Chaltén (Argentina)

A capital argentina do trekking

Entrada da cidade de El Chaltén, na Patagônia argentina, com o grupo do Fitz Roy ao fundo. ampliar foto
Entrada da cidade de El Chaltén, na Patagônia argentina, com o grupo do Fitz Roy ao fundo.

Talvez seja um pouco exagerado chamar de cidade um lugar como El Chaltén, com menos de 2.000 habitantes, mas este lugar aos pés do monte Fitz Roy (3.405 metros) e do enigmático e gelado cume do Cerro Torre (3.102 metros), é um desses lugares que nenhum grande viajante deve perder, especialmente os amantes do trekking: É a porta de entrada ao Parque Nacional de Los Glaciares, declarado patrimônio mundial por seus magníficos campos de gelo, bosques, cascatas e montanhas, além de possuir a segunda maior massa de gelo fora das regiões polares: o Campo de Gelo Sul, todo um desafio para os aventureiros.

Como núcleo urbano, El Chaltén é um lugar meio desordenado, com ruas sem asfaltar, habitado por artesãos, estudantes e gente de passagem, mas goza de um ambiente muito relaxado e nos últimos anos se transformou na capital argentina do trekking. É a cidade mais jovem do país – em 2015 vai cumprir 30 anos – e é melhor visitá-la antes que fique mais de moda e perca seu encanto.

03 Milão (Itália)

Festim regado a milanesa

Detalhe da fachada da torre Bosco, um jardim vertical no novo distrito Porta Nuova de Milão. ampliar foto
Detalhe da fachada da torre Bosco, um jardim vertical no novo distrito Porta Nuova de Milão.

Não é preciso muitas desculpas para incluir Milão entre as cidades que ninguém deveria perder: é a segunda maior da Itália, famosa por suas lojas elegantes, suas joias de arte de todas as épocas e um ambiente impressionante no qual as senhoras passeiam com bolsas Prada e os homens parecem banqueiros milionários. É uma cidade onde as aparências importam muito, e que ama as coisas belas e o luxo. Mas, além disso, em Milão haverá muito mais no ano que vem porque entre maio e outubro a cidade receberá a Expo 2015, centrada em uma temática irresistível: a gastronomia. No recinto da feira, com mais de um milhão de metros quadrados, será reproduzida uma cidade romana clássica, e não faltará nada; terá inclusive um lago enorme rodeado de pavilhões. A agricultura sustentável e a nutrição mundial serão muito discutidas, inclusive haverá um bairro da comida do futuro, no qual poderemos conhecer o que vamos comer daqui a 50 anos, com demonstrações de cozinha, degustação de vinhos, música e baile nas ruas... Todo um festim.

04 Zermatt (Suíça)

Um aniversário nas alturas

O perfil do Matterhorn visto de Zermatt (Suíça). ampliar foto
O perfil do Matterhorn visto de Zermatt (Suíça).

Em 1865, quer dizer, há quase 150 anos, o inglês Edward Whymper conseguiu, pela primeira vez na história, levar uma equipe de sete alpinistas até o cume do pico Matterhorn, que se eleva sobre a cidade suíça de Zermatt. Desde então, milhares de esquiadores, montanhistas e caminhantes se aproximaram daqui para desfrutar da montanha mágica. Em 2015, a estação de esqui de Zermatt vai comemorar o 150º aniversário da proeza (apesar de que, na descida pela parede norte, morreram quatro dos homens de Whymper). De qualquer forma, esta escalada mítica colocou Zermatt no mapa, até hoje. Para comemorar, em julho de 2015 será aberto o Hörnli Hut, refúgio aéreo situado a 3.260 metros, aos pés do Matterhorn. Aqueles que não se sintam com ânimo para escalar até este ponto, na cidade de Zermatt será inaugurado um imponente palco ao ar livre para recriar a histórica escalada de Whymper (e sua desastrosa descida). E tudo com o elegante perfil da montanha como pano de fundo.

05 La Valetta (Malta)

Um grande lugar, 450 anos depois

Mirante dos Jardins de Barraca ao entardecer, em La Valetta (Malta). ampliar foto
Mirante dos Jardins de Barraca ao entardecer, em La Valetta (Malta).

Malta é um dos destinos turísticos mais populares do Mediterrâneo e, além disso, em 2015, comemorará os 450 anos do Grande Sítio, o acontecimento histórico mais importante da ilha. Em 1565, uns poucos cavaleiros da Ordem de Malta resistiram ao exército turco em um duríssimo enfrentamento. O dia chave da celebração será 8 de setembro, Dia da Vitória, precedido por uma missa comemorativa e uma festa literária.

A capital de Malta sofreu nos últimos anos uma transformação completa que não agradou totalmente aos malteses. No meio de uma fortaleza impressionante do século XVII, a nota contemporânea foi dada por uma intervenção de Renzo Piano para a nova entrada da cidade, um novo edifício do Parlamento e um auditório ao ar livre sobre as ruínas do teatro da ópera. Mesmo assim, o mais representativo de La Valetta continua sendo os edifícios do século XVII, bem conservados e destacando-se sobre o mar azul cobalto.

06 Plovdiv (Bulgária)

Uma bela adormecida

Venda de quadros em uma praça de Plovdiv, na Bulgária. ampliar foto
Venda de quadros em uma praça de Plovdiv, na Bulgária.

Há muitos motivos para visitar Plovdiv, a segunda cidade em importância na Bulgária que, até o momento, havia passado desapercebida apesar de ter um dos centros históricos mais bonitos da Europa, aos pés dos montes Ródope. Como uma bela adormecida, nas últimas décadas, ela renasceu e se transformou em uma cidade moderna e cheia de vida: seus restos arqueológicos (incluído um anfiteatro no próprio centro) foram escavados pouco a pouco durante os anos setenta e oitenta, e ao chegar o século XXI muitos edifícios clássicos foram restaurados e passaram a ser museus, restaurantes e hotéis. Suas ruas de pedras, suas casas pintadas, seus mercados de artesanato, seus museus e suas lojas são motivos mais que suficientes para descobrir esta joia adormecida. Plovdiv será muito comentada a partir de agora.

07 Salisbury (Inglaterra)

Oito séculos de justiça e liberdade

Interior da catedral de Salisbury (Reino Unido), onde se encontra um dos originais da Carta Magna que são conservados na atualidade. ampliar foto
Interior da catedral de Salisbury (Reino Unido), onde se encontra um dos originais da Carta Magna que são conservados na atualidade.

Salisbury, ao sul da Inglaterra, é uma cidade tipicamente inglesa, dominada por uma bonita catedral gótica. Normalmente, um lugar de passagem para turistas a caminho de Stonehenge, em 2015 vai se transformar em uma cidade especialmente visitada por causa da comemoração do 800º aniversário de seu maior tesouro: o original mais bem conservado da Carta Magna (os outros dois estão na British Library de Londres e no castelo de Lincoln). Jurado às margens do Tamisa em 1215 para estabelecer os direitos do povo e limitar o poder do Rei, este documento histórico foi a inspiração para muitos movimentos políticos em todo o mundo. A catedral, onde se encontra a carta, será o centro das comemorações: haverá uma nova exposição, além de celebrações religiosas, conferências e um festival floral. Toda uma celebração da liberdade universal do homem.

08 Viena (Áustria)

O chamado de Ringstrasse

Um turista fotografando o edifício da ópera de Viena. ampliar foto
Um turista fotografando o edifício da ópera de Viena.

Dizem que um anel é para sempre. E o imperador Francisco José deve ter pensado isso quando mandou construir, em 1865, o famoso Ringstrasse, um boulevard que rodeia o centro histórico de Viena e que une alguns de seus monumentos mais interessantes, como o edifício neogótico de Rathaus ou a ópera neorenascentista, que parece um bolo de núpcias. Viena, 150 anos mais tarde, está pronta para comemorar esta avenida, que continua sendo a principal atração da cidade. Haverá exposições e eventos no mais genuíno estilo austríaco. E, além disso, em 2015, ficará pronta a Estação Central, a Hauptbahnhof, o que facilitará muito a chegada à capital austríaca.

09 Chennai (Índia)

Uma megalópole indiana diferente

Detalhe do exterior do templo de Kapaleeshwara, em Chennai (Índia). ampliar foto
Detalhe do exterior do templo de Kapaleeshwara, em Chennai (Índia).

A capital do sul da Índia não foi até agora um destino turístico em si, mas em 2015 espera que tudo mude e que os viajantes decidam descobrir esta metrópole quente e úmida. Seus habitantes aguardam com expectativa a abertura do Chennai Metro Rail, a primeira rede de transporte de passageiros integrada do país. Novos trens, rápidos, frequentes e climatizados, facilitarão a visita à cidade. E há muitas coisas para ver nela: templos dravidianos cobertos de estátuas, escolas de dança clássica indiana, museus interessantes, fortes e igrejas da época britânica, uma praia de três quilômetros, cheia noite dia, e o segundo centro cinematográfico da Índia, no bairro de Kodambakkam, também conhecido como Kollywood.

10 Toronto (Canadá)

Jogos Panamericanos

Uma barraca de flores no distrito Distillery, em Toronto (Canadá). ampliar foto
Uma barraca de flores no distrito Distillery, em Toronto (Canadá).

Toronto é uma das cidades mais multiculturais do mundo, na qual se falam mais de 140 idiomas e vivem pessoas de todos os lugares do planeta. No próximo ano espera receber mais visitantes que nunca porque será a sede dos Jogos Panamericanos e se preparou muito para isso, terminando muitas obras públicas, como o esperado trem Union Pearson Express, que conectará o aeroporto com o centro da cidade em 25 minutos. Além disso, todos seus restaurantes e centros culturais oferecerão seus melhores produtos, em especial aqueles que já são famosos sem necessidade de eventos especiais. Para os amantes da vida noturna, a oferta é espetacular, com muita música ao vivo em vários de seus bares, além de suas salas de concertos. Uma cidade perfeita para descobrir o lado mais dinâmico do Canadá.

Mais informação em www.lonelyplanet.es

MAIS INFORMAÇÕES