lonely planet

Dez destinos para 2015

Das praias de Marrocos a um festival ‘techno’ numa fortaleza em Novi Sad, na Sérvia. Conheça as sugestões de países para visitar no ano que vem, segundo Lonely Planet

Roteiro off road pelas dunas do deserto de Namib, na Namíbia.
Roteiro off road pelas dunas do deserto de Namib, na Namíbia.Thomas Schulze

Como todos os anos, os especialistas do Lonely Planet escolheram os dez melhores países para se conhecer em 2015. Eles são uma pequena coleção de destinos que estão em alta, que revelam algo curioso ou que celebram algum evento especial que vai se transformar ao longo do ano em um lugar único no mundo. De Cingapura para Marrocos, veja dez ideias para você anotar no caderno e programar sua próxima viagem essencial.

1) Cingapura: Feliz aniversário de 50 anos!

Gardens by the Bay, parque urbano de 101 hectares em Cingapura.
Gardens by the Bay, parque urbano de 101 hectares em Cingapura.John Harper

Cingapura vai comemorar meio século de independência em 2015 da maneira como sempre tem feito: recebendo milhões de viajantes. Em 1965, o pequeno território ao sul da península malaia conseguiu sua independência e desde então não parou, levantando novos e chamativos edifícios e construindo a chamada Experiência Cingapura, que inclui compras, gastronomia, cultura, esporte e atividades em seus espaços verdes.

Este ano há ainda mais: em primeiro lugar está Marina Bay, um novo bairro de lazer que tem atrações para toda a família e inclui do já emblemático complexo Marina Bay Sands, em forma de navio, ao Gardens by the Bay. Além disso, há a nova safra de hotéis de luxo e novidades como a National Art Gallery ou o Singapore Sports Hub, que acolherá a 28ª edição dos Jogos do Sudeste Asiático em 2015. Tudo isso acompanhado por mais de uma dúzia de expansões do MRT (metrô) que facilitarão a visita.

2) Namíbia:  25 anos de desenvolvimento sustentável

Passeio de balão sobre o deserto, na Namíbia.
Passeio de balão sobre o deserto, na Namíbia.Hoberman

Outro país que faz aniversário é a Namíbia, que celebra em 2015 seus 25 anos de independência. As lembranças do nascimento do país ainda estão frescas na memória da maioria dos habitantes e a celebração promete ser em grande estilo. Para o viajante talvez não signifique muito, mas é uma desculpa perfeita para conhecer um lugar da África que tem empreendido grandes esforços para obter um desenvolvimento sustentável através da preservação e do turismo.

A Namíbia foi o primeiro país africano (e um dos primeiros do mundo) a incluir a proteção ambiental em sua constituição e um dos que mais envolveu as comunidades locais e nativas nas iniciativas de conservação, garantindo que recebam uma parte justa dos ganhos gerados pelo turismo em suas terras.

Entretanto, essas boas notícias não costumam ganhar destaque na imprensa e os êxitos da Namíbia na conservação da fauna e da flora não tiveram grande repercussão. É o momento de explorar o país antes que chegue o turismo em massa.

3) Lituânia: Um a mais na família

Praia do istmo da Curlândia, na Lituânia.
Praia do istmo da Curlândia, na Lituânia.Franck Guiziou

Em 1º de janeiro de 2015, Lituânia entrará para a limitada (bem, já nem tanto) família do euro. O pequeno país do Báltico se incorpora à zona do euro e, com isso, passa finalmente do Leste para o Oeste, de república soviética a país plenamente europeu. A partir de agora, será muito mais fácil para o turista viajar à Lituânia, encontrar um caixa automático, fazer pagamentos eletrônicos e, sobretudo, chegar a lugares como Vilnius, a capital e o local mais visitado até agora, cujo centro histórico de estilo barroco – o major do norte da Europa – foi declarado patrimônio mundial pela Unesco.

Mas basta consultar um mapa ou um bom guia para saber que a Lituânia também tem boas praias: o istmo da Curlândia é uma faixa de areais espetaculares que se estendem para a Rússia, com as maiores dunas de areia móveis da Europa.

4) Nicarágua: Ecoturismo de luxo

Yemaya Island resort, na Pequena Isla del Maíz (Nicarágua).
Yemaya Island resort, na Pequena Isla del Maíz (Nicarágua).Divulgação

A Nicarágua acabou de estrear como destino turístico (prejudicada durante muitos anos por seu passado bélico). Talvez seja o momento de viajar ao que muitos chamam de nova Costa Rica. Os nicaraguenses garantem que há muito mais: um entorno natural único, com uma história, uma cultura e uma cozinha particulares. Até recentemente, os encantos para o turistas se concentravam nas pitorescas cidades coloniais, suas festas populares e suas quase desconhecidas ilhas caribenhas, mas em 2013 foi inaugurado o resort Mukul, colocando o país no mapa do turismo internacional.

O primeiro grande resort de cinco estrelas da Nicarágua foi logo seguido pelo Yemaya Island Hideaway and Spa, um luxuoso recanto de paz na pequena Isla del Maíz, um dos destinos emergentes de ecoturismo de luxo. Para os viajantes gourmets há outra boa notícia: uma nova fornada de restaurantes com estilo que transformaram Manágua em uma incipiente capital dos fogões. Se antes era uma cidade de passagem, de onde se recomendava sair o mais rápido possível, agora é um destino gastronômico a descobrir.

5) Irlanda: Sempre por descobrir

Farol do Galley Head, na costa ocidental da Irlanda.
Farol do Galley Head, na costa ocidental da Irlanda.Trish Punch

Qualquer ano é bom para descobrir a Irlanda, ou para redescobri-la. Além de Dublin (com seus pubs, suas cervejas pretas Guinness, a animada e turística área do Temple Bar, o célebre Trinity College…) todo o país é como uma joia verde onde não faltam paisagens bucólicas com ovelhas pelos caminhos e fazendas com telhados de palha, imagem que contrasta um pouco com a Irlanda moderna, de autoestradas e café italiano. Na Irlanda o turista desfruta especialmente da paisagem e das bem conservadas tradições – música, dança, uísque e cerveja – , e sobretudo, do caráter acolhedor e amistoso dos irlandeses.

As estradas convidam a descobrir lugares como o litoral selvagem do condado de Connemara, o solitário Donegal ou as paisagens de cartão postal das penínsulas do sudoeste e, inevitavelmente, a percorrer o Ring of Kerry, um roteiro de 179 quilômetros que nos leva a ruínas medievais, montanhas e lagos e a preciosas praias do Atlântico.

E se precisar de alguma desculpa especial para viajar à Irlanda em 2015, é claro que existe: será o ano do Wild Atlantic Way, um percurso automobilístico de 2.500 quilômetros passando por todos os rincões da costa ocidental, de Donegal a Cork.

6) Congo: O irresistível chamado da selva

Vista aérea da selva tropical na República do Congo, na África central.
Vista aérea da selva tropical na República do Congo, na África central.Philip Lee Harvey

Não confunda o Congo com a vizinha República Democrática do Congo, muito mais imprevisível. O país de que falamos é uma das nações que mais crescem na África; tem petróleo, madeira e cada vez mais infraestrutura, além de parecer seguro e estável. Por enquanto, são raros os turistas estrangeiros, tão difíceis de ver como os gorilas albinos, mas os que se animam a viajar até aqui descobrem que o governo congolês está revitalizando os antigos parques nacionais, criando outros novos e modernizando a infraestrutura turística.

Ainda é um lugar para viajantes iniciados, que não têm medo de aventuras autênticas e genuínas. O país não os decepciona, pelo contrário, presenteia com imagens poderosas: primatas batendo no peito no meio da selva, pigmeus que dançam em honra dos espíritos da floresta ou chimpanzés excitados gritando a todo pulmão. É o momento de curtir o exotismo centro-africano, como um autêntico Tarzã sem turistas ao redor.

7) Sérvia: Um país em seu melhor momento

Fortaleza em Novi Sad (Sérvia), sede há 15 anos do Exit Festival.
Fortaleza em Novi Sad (Sérvia), sede há 15 anos do Exit Festival.Getty

Não falta muito para a Sérvia se tornar o destino da moda, como já aconteceu com alguns de seus vizinhos. No momento, continua sendo um dos segredos mais bem guardados da Europa, mas deve se apressar quem quiser conhecê-la sem estar rodeado de turistas, antes que perca a autenticidade, o ambiente festivo, a energia. E também antes que aumento os preços, por enquanto surpreendentemente baratos.

Em 2015, a Sérvia começará a aproximar-se da UE e grandes mudanças a aguardam. Por enquanto, pode-se conhecer Belgrado, com seus divertidos clubes noturnos flutuantes que rivalizam Berlim ou Ibiza, ou os muitos atrativos ao ar livre: das excelentes pistas de esqui de Kopaonik até os spas da Vrnjačka Banja ou o rafting pelo rio Drena, tudo isso muito, muito barato.

Os mais animados estão com sorte se visitarem a Sérvia em junho: o Exit Festival, realizado há 15 anos na fortaleza medieval de Novi Sad, acaba de receber o prêmio de melhor grande festival de música da Europa.

8) Filipinas: Um descobrimento de 500 anos

Banhistas praticam snorkel em frente a um resort em El Nido, nas Filipinas.
Banhistas praticam snorkel em frente a um resort em El Nido, nas Filipinas.Jacob Maentz

Na Espanha, se esquece que durante quase três séculos e meio as Filipinas foram espanholas. E os filipinos também se esqueceram. Estão muito longe, do outro lado do mundo, e, desde sua independência em 1898, o arquipélago viveu alheio à herança espanhola. Agora que a distância já não é um problema, talvez tenha chegado o momento de redescobri-lo e comprovar que as mais de 7.100 ilhas que compõem este país do Pacífico têm um dos litorais mais belos do mundo, contornados por corais fantásticos para mergulho, praias de areia branca e palmeiras embaladas pelo vento.

As Filipinas estão agora em pleno descobrimento do turismo, com singelos complexos de cabanas, como uma Tailândia de vinte ou trinta anos atrás. Oficialmente, 2015 será o ano Visite as Filipinas; isso significa que o governo está organizando uma série de eventos para atrair turistas e os filipinos são verdadeiros peritos em montar festivais de rua com comida, eventos esportivos e música ao vivo, que formam parte da essência do país.

9) Santa Lúcia: Pequeno paraíso adormecido

Um navio de cruzeiro atracado na ilha caribenha de Santa Lúcia.
Um navio de cruzeiro atracado na ilha caribenha de Santa Lúcia.Martin Moxter

No Caribe, cada ilha é uma descoberta. À primeira vista podem parecer todas iguais, mas não, cada uma tem personalidade própria. Lonely Planet selecionou entre seus 10 destinos para 2015 uma das ilhas caribenhas ainda por descobrir, antes que desperte: Santa Lúcia. Ostenta praias douradas e montanhas verde-esmeralda, como muitas de suas vizinhas, e sua principal cidade, Castries, tem uma grande oferta turística, gastronômica e de compras. Além disso, é um bom destino para praticar mergulho e trilhas, e tem até um vulcão em cuja cratera se pode andar de carro.

 Os amantes da natureza podem nadar entre golfinhos, observar as tartarugas marinhas pondo seus ovos na praia de Grand Anse e observar uma iguana tomando o sol sobre um tronco. Quem estiver em busca de emoções mais fortes, sempre poderá escalar as montanhas Piton, praticar kite surfing em Sandy Beach ou mergulhar entre muralhas de coral.

E tudo isso com uma grande vantagem: Santa Lúcia quase não recebe visitantes, exceto os cruzeiros de passagem e alguns franceses bem informados. Mas vale ir antes que seja tarde.

10) Marrocos:  3.500 quilômetros de litoral

Arcos de rocha natural na praia de Legzira, em Marrocos.
Arcos de rocha natural na praia de Legzira, em Marrocos.Zakaria Wakrim

Marrocos se preparou bem para receber, em 2015, muitos mais visitantes do que o habitual, já que vai sediar a Copa Africana de Nações, evento que encherá as cidades de Tânger, Rabat, Marraquesh e Agadir (embora as partidas provavelmente sejam realizadas com atraso devido à crise de ebola em muitos países africanos). Apesar de tudo, esse é mais um motivo para colocar como destino turístico da moda esse país norteafricano relativamente estável e progressista. Os especialistas do Lonely Planet consideram Marrocos um dos destinos estrela de 2015 por causa de seus enormes avanços sociais e turísticos, como a chegada de mais voos econômicos que deixam as praias, os vales e os palmeirais de Marrocos mais próximos da Europa. Agora está mais fácil que nunca explorar as impressionantes paisagens do deserto marroquino, e conhecer a cultura berbere com toda sua mística. Suas cidades mais importantes também se renovaram e se encheram que estilo, perfeitas para uma escapada combinando cultura, gastronomia e compras.

Para muitos não é nenhuma novidade que o país tem quase tudo para ser o destino perfeito: cultura, história, arquitetura, bazares, deserto, exotismo e praias impressionantes: mais de 3.500 quilômetros de litoral da fronteira com Argélia, no Mediterrâneo, até onde o Saara encontra o oceano Atlântico.

Arquivado Em: