fundo monetário internacional

FMI vê entre 35% e 40% de chance de outra recessão na zona do euro

Draghi adverte: "Sem reformas não há recuperação" Lagarde elogia a Espanha: "Os sacrifícios estão dando frutos"

Christine Lagarde, diretora do FMI.
Christine Lagarde, diretora do FMI.Andrew Harrer / Bloomberg

A zona do euro corre sérios riscos de recaída: entre 35% e 40% de possibilidades de outra recessão. Foi o que anunciou a diretora-executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, durante a assembleia anual da organização, realizada esta semana em Washington. A Espanha tem recebido muitos elogios por suas reformas, mas nenhuma fonte considera o país a salvo da crise ainda. Não tanto pelo elevado desemprego, mas pela baixa recuperação dos países do bloco. "A Espanha é o único país da zona do euro que tem previsões de crescimento, por isso é um país onde as reformas, o trabalho duro que foi feito, os sacrifícios feitos pelas pessoas, estão dando frutos", disse, a um grupo de jornalistas espanhóis.

Durante o encontro, Lagarde quis corrigir o tom alarmista do risco de estagnação. "Não estamos dizendo que a zona do euro esteja a caminho da recessão, mas pode acontecer se nada for feito", já dirigindo-se aos países com superávit, como a Alemanha, para que invistam mais, mas também aos que têm déficit, para que façam reformas. O ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schauble, disse em uma mesa-redonda que seu país deve investir mais, mas ressaltou que o "crescimento europeu não deve ser alcançado assinando cheques".

Mais informações

O FMI alerta constantemente sobre a baixa inflação na zona do euro, que ficou em 0,3%. Lagarde admitiu que o BCE tomou medidas, mas manifestou sua esperança de que "mais seja feito", em alusão a medidas expansivas mais agressivas como a compra de dívida pública.

Lagarde compareceu na entrevista coletiva principal da assembleia em um contexto complicado para o FMI: ela foi acusada por possível negligência em um caso de corrupção em Paris, a reforma da instituição continua bloqueada e a recuperação mundial que previam não para de perder fôlego. São os EUA e o Reino Unido que estão puxando as economias avançadas, admitiu. Mesmo assim, para a Espanha, a diretora-executiva ressaltou que o crescimento está passando para o território positivo e as exportações cresceram, mas deixou claro que as boas notícias devem chegar à criação de emprego.

O presidente do BCE adverte: "Sem reformas não há recuperação"

Evitou, porém, concretizar se realmente o Fundo defende que os salários dos europeus comecem a melhorar, depois de anos de cortes, como forma de fortalecer o consumo e a recuperação, algo que defenderam recentemente outras instituições como a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Embora a Espanha tenha começado a criar empregos, a absorção dos 3,5 milhões de postos de trabalho destruídos na crise não é rápida e tanto o Governo quanto o Fundo assumem que em 2015 a taxa de desemprego continuará acima dos 23%, quer dizer, uma de cada quatro pessoas em idade ativa.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete