Efeito do Ficha Limpa ainda é limitado, diz idealizador da lei

Embora tenha impedido que José Roberto Arruda concorresse ao governo no Distrito Federal, a legislação não conseguiu brecar o ex-governador de São Paulo Paulo Maluf

Márlon Reis, um dos criadores da lei da ficha limpa.
Márlon Reis, um dos criadores da lei da ficha limpa.Sérgio Lima (Folhapress)

A lei da Ficha Limpa influiu de forma decisiva nas eleições gerais deste ano, tirando cerca de 250 candidatos do páreo e forçando a aposentadoria política do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, mas seus efeitos foram limitados pela falta de tempo para o julgamento das candidaturas. A avaliação é feita pelo juiz Márlon Reis, fundador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) e um dos idealizadores da lei, que já mira a próxima batalha do Movimento Ficha Limpa: antecipar em três meses o registro de candidatos a cargos públicos.

“Esta eleição mostrou que, apesar de nenhum outro âmbito da Justiça brasileira ser tão rápido quanto o eleitoral, o tempo para os julgamentos não está sendo suficiente” , disse Reis ao EL PAÍS. O caso mais emblemático do pleito deste ano é o do deputado federal e ex-governador de São Paulo Paulo Maluf (PP-SP). Condenado em segunda instância no ano passado por improbidade administrativa, sob a acusação de superfaturar a construção da Avenida Jornalista Roberto Marinho e do Túnel Ayrton Senna quando prefeito da capital paulista (1993-1997), Maluf teve a candidatura impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas recorreu e aguarda decisão. Com o nome na urna, o deputado candidato à reeleição recebeu 250.296 votos, que só serão contabilizados se sua candidatura for aprovada — se perder no TSE, ele ainda tem possibilidade de recurso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Outro que conseguiu emplacar a foto na urna eletrônica apesar de barrado pela lei da Ficha Limpa é o deputado federal André Moura (PSC). A exemplo de Maluf, Moura conseguirá se reeleger para representar o estado de Sergipe na Câmara se seus 71.523 votos passarem a ser contabilizados após julgamento de recurso no STF — o deputado foi condenado em segunda instância, no ano passado, em processo de improbidade administrativa por atos cometidos enquanto prefeito de Pirambu (1997-2004).

Mais informações

No total, 792 candidatos foram às urnas com alguma pendência na justiça eleitoral — por causa da Ficha Limpa ou de outro problema no registro — e ainda aguardam julgamento para saber se os votos que receberam serão válidos. Levantamento feito pelo EL PAÍS, com base nos dados disponibilizados pelo TSE, mostra que pelo menos seis candidatos a deputado estadual com candidaturas barradas pela justiça em Estados como Minas Gerais, Bahia e São Paulo receberam votos o bastante para se eleger neste ano.

É por casos como esse que Márlon Reis vai sugerir, na próxima reunião do MCCE, a ser realizada neste mês, a elaboração de um proposta ao Congresso Nacional para antecipar de três para seis meses antes da eleição a apresentação das candidaturas. “Um período extra de qualificação de três meses seria suficiente, porque, hoje, quase dá [para julgar todos os casos] nas eleições gerais, mesmo com a Justiça Eleitoral tendo de dar conta de outros assuntos [como questões de propaganda eleitoral]. Assim, os ministros teriam mais ou menos o mesmo prazo [de três meses] apenas para julgar candidaturas, e, se os três meses não fossem suficientes, o candidato cairia ainda no começo da campanha”, argumenta.

Caso seja aceita pelo MCCE, o movimento vai encaminhar uma proposta de projeto de lei para o para a Câmara e informar ao TSE sobre a sugestão de antecipar os registros. A partir daí, a proposta deve seguir o mesmo caminho da própria Ficha Limpa, que, em 2010, tramitou no parlamento por nove meses antes de ser sancionada pela presidência da República.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: