DE MAR A MAR
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O papa Francisco sonha com a China

Bergoglio realiza movimento de consequências misteriosas para o catolicismo

Francisco busca uma aproximação diplomática com Xi Jinping.
Francisco busca uma aproximação diplomática com Xi Jinping.

Jorge Bergoglio, o papa Francisco, realizou um movimento de consequências misteriosas para o catolicismo e para a política internacional. Duas semanas atrás, em sua residência de Santa Marta, diante de três leigos argentinos, confessou: “Se dependesse de mim, estaria na China amanhã mesmo”. O secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, e o encarregado das Relações com os Estados, o bispo Dominique Mamberti, também estavam presentes. Nessa tarde, ficou decidido que o chefe da Igreja Católica convidaria Xi Jinping, o presidente da China, para ir a Roma. E que também comunicaria ao líder chinês sua vontade de viajar para este país.

O China International Press Forum incluiu o Papa entre as 10 personalidades mais importantes

Em forma e conteúdo, tudo nesse caso é novidade. Pois a conversa ocorreu por iniciativa dos compatriotas de Bergoglio, que a solicitaram para persuadi-lo a visitar Pequim. Ricardo Romano, um dirigente do peronismo que durante anos esteve encarregado das relações exteriores do partido, foi quem trouxe o pedido. Foi acompanhado de José Luján, representante da Academia de Ciências chinesas no Mercosul, e Mariano Conde, professor de Direito Internacional na Universidade de Austin.

Segundo Romano, o Papa escutou a proposta sem desviar os olhos: “O senhor busca uma nova sociabilidade mundial que só pode ocorrer em uma ordem multipolar na qual a China esteja incluída. Pelo seu DNA jesuíta, tem condições excepcionais para dar esse passo”.

Xi permitiu que o Papa atravessasse o espaço aéreo chinês para chegar na Coréia do Sul

Foi quando Francisco comentou sua ansiedade para visitar a China. Mas esclareceu: “Eu sou o médico clínico, os especialistas são eles”, mostrando os dois cardeais. Nesse momento Romano tirou do bolso um rascunho de carta na qual o Pontífice convidava Xi para Santa Marta para “meditar e lutar juntos por uma paz mundial duradoura”, e o comunicava do anseio de “visitar a China o quanto antes”.

Parolin pegou o papel e, balançando a cabeça, alertou: “Aqui está faltando o problema da Igreja na China”. Ele se referia à clandestinidade na qual os bispos obedientes a Roma exercem seu ministério, em um país no qual somente a Associação Chinesa Católica Patriótica é reconhecida, que é ligada ao Estado. “Cardeal, o ótimo é inimigo do bom”, respondeu Romano. Parolin concordou. O Papa pediu para ver de novo o rascunho. “Esta carta está boa. Só precisa acrescentar um parágrafo sobre a situação dos católicos. O senhor, Romano, receberá uma resposta nas próximas horas”. Dois dias depois, Parolin entregou ao leigo um envelope lacrado dirigido ao presidente da China. Os três argentinos chegaram em Pequim no domingo, 6 de setembro, e entregaram a carta para o diplomata Xu Yicong, assessor de Xi nas relações com a América Latina e ex-embaixador em Buenos Aires, Havana e Quito.

Que um jesuíta pretenda inaugurar uma nova era nas relações entre a Igreja e a China não deveria ser uma surpresa. A Companhia de Jesus chegou na Corte Imperial em 1582, levada pelo missionário Matteo Ricci, que morreu em 1610 em Pequim, onde está enterrado. Além de pregar o evangelho, Ricci colocou a África, a Europa e a América na cartografia chinesa e escreveu um tratado sobre geometria euclidiana em mandarim.

A Santa Sé pede para designar os bispos no país, mas o regime chinês considera isso um desafio

Ricci enfrentou dificuldades com o receio dos chineses por todo estrangeiro. Seu herdeiro Bergoglio terá a mesma sorte? O projeto é ambicioso: atravessa uma muralha cultural para demonstrar que a Igreja não é um fenômeno hemisférico e merece ser chamada de católica, ou seja, universal.

A China e o Vaticano não têm relações. A Santa Sé pede para designar os bispos no país. Mas o regime chinês considera essa aspiração um desafio. Implica habilitar uma corrente de ideias e valores controlados por Roma. É verdade que o catolicismo não tem na China, com 12 milhões de fiéis, a força mobilizadora que tinha na Europa oriental quando João Paulo II se propôs a minar o comunismo. Mas assim que Francisco declarou para a imprensa seu amor pelo povo chinês, o vice-presidente dos Católicos Patriotas aconselhou o Vaticano a não interferir na vida religiosa nacional. Mesmo assim, o Papa desperta admiração em muitos chineses. O China International Press Forum, que reúne os 50 grandes veículos da imprensa do país, o incluiu entre as 10 personalidades mais importantes de 2013.

Francisco cumprimentou Xi para se aproximar. Xi lhe respondeu e, em agosto, permitiu que ele atravessasse o espaço aéreo chinês para chegar na Coréia do Sul. O exercício sutil da pressão é próprio de Bergoglio, que tem como livro de cabeceira um clássico de Liddel Hart, A estratégia da aproximação indireta. Entre as numerosas recomendações de Hart se encontra esta: “É preciso evitar o ataque frontal a toda posição estabelecida por longo tempo e tentar envolvê-la com um movimento pelos flancos que deixe um lado mais penetrável para a verdade”. Francisco segue essas lições para aproximar-se da China. E também para persuadir a cautelosa burocracia do Vaticano, que foi surpreendida por três argentinos peronistas.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: