Buenos aires sob pressão

“Dizer que estamos em default é uma bobagem atômica”

As reações depois do default da Argentina frente ao bloqueio judicial dos EUA

Axel Kicillof, ministro de Economia da Argentina.
Axel Kicillof, ministro de Economia da Argentina.Peter Foley (Bloomberg)

A Argentina caiu nesta quarta-feira no default de sua dívida reestruturada. Um bloqueio judicial dos EUA determinou que, enquanto o país não saldar sua dívida com os fundos abutres e outros credores litigantes que rechaçaram a reestruturação com reduções em 2005 e 2010, a transferência do dinheiro, que deveria abonar a dívida pelo vencimento dos juros de um título desse passivo, está impedida. O governo de Cristina Kirchner se negou a pagar os abutres que entraram na justiça porque argumentava que esta decisão teria provocado novos processos contra seu país por parte de portadores de dívida reestruturada, que até o final de 2014 podem exigir o mesmo tratamento. A continuação, a narrativa das reações ao default argentino nesta quinta:

Mais uma agência de classificação diz que a Argentina suspendeu os pagamentos (17h41) A agência de classificação de crédito Fitch declara que a Argentina está em “default restrito” de sua dívida reestruturada diante da impossibilidade jurídica de o dinheiro chegar a parte dos credores, ou seja, os detentores de títulos nos EUA, Europa e Japão, mas não para os do país sul-americano. Junta-se, com isso, à rival S&P, que havia rotulado o caso como “default seletivo”. A agência Moody ainda não se manifestou a respeito.

Kicillof critica a Standard & Poor’s ( 17h31) O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, encerra a entrevista coletiva com uma crítica à agência Standard & Poor’s (S&P) por classificar a situação argentina como default “seletivo”, ou seja, de apenas parte da dívida reestruturada. Kicillof diz que a S&P está zangada, porque a Argentina não emite uma nova dívida e, portanto, não a contrata: “Alguns me disseram que, se a contratássemos, iria começar a falar bem de nós. Não faremos isso”.

Kicillof ataca o juiz de Nova York por decidir sobre outros países (17h26) O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, critica a decisão do juiz de Nova York, Thomas Griesa, de impedir o pagamento da dívida reestruturada não só nos EUA, como também na Europa e no Japão, e por bloquear, até poucos dias atrás, as transferências na Argentina. Kicillof reclama que Griesa extrapolou sua jurisdição.

Kicillof critica os bancos argentinos (17h17 ) O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, refere-se a um boato de que os bancos argentinos pretendiam comprar dos fundos abutre a dívida não paga de 2001 com uma garantia de seus depósitos. “Se for assim, não vejo generosidade (dos bancos). Ser generoso com o dinheiro dos outros é ruim. Ser generoso com o dinheiro das pessoas, é pior”, ataca Kicillof. Os bancos argentinos eram liderados pelo banqueiro Jorge Brito. Uma deputada da oposição, Elisa Carrió, havia criticado ontem uma suposta tentativa dos bancos de adquirir a dívida com dinheiro dos depósitos. O Banco Central da Argentina, presidido por Juan Carlos Fabrega, negou os rumores de que estaria envolvido na proposta fracassada das entidades privadas de seu país.

Kicillof não se opõe a um acordo entre bancos e fundos abutres (17h07) O ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, se refere à negociação de bancos privados para comprar dos fundos abutres a dívida em default de 2001: “O Governo não se opõe”. “Esta situação afeta os privados. Hoje (os credores de dívida reestruturada) ainda não receberam. Estão tendo um prejuízo econômico. Os bancos argentinos possuem algo como 70 bilhões de pesos (19,39 bilhões de reais) em títulos. Há incentivos para que cheguem a um acordo. O juiz (de Nova York, Thomas) Griesa gerou um problema entre privados. Pode haver uma atitude patriótica, mas me parece que o central de tudo isso é a questão do dinheiro”, diz Kicillof. Bancos argentinos tentaram nesta quarta-feira adquirir o passivo dos abutres, mas, no momento, os abutres negociam com o norte-americano JP Morgan, segundo The Wall StreetJournal.

Kicillof lembra as críticas contra a sentença dos EUA (17h01) O ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, lembra que os credores da dívida reestruturada pediram ao juiz de Nova York, Thomas Griesa, que desbloqueie os pagamentos a eles. Também menciona que Brasil, México, França, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o G77, de países em desenvolvimento, tinham apoiado a Argentina nesta disputa pelo suposto impacto negativo em futuras reestruturações de dívida de outros países. “Não vão ouvir ninguém ou vão continuar favorecendo um grupo minúsculo?”, referindo-se aos fundos abutres.

Kicillof opina que será difícil demonstrar o default (16h47)“É uma besteira monumental” qualificar que a Argentina está em default, diz o ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof. Como o default ocorreu por um bloqueio judicial dos EUA, já que Buenos Aires depositou o dinheiro da dívida reestruturada, mas os credores não receberam, Kicillof disse que “é um fato judicial sem precedentes na história”. O ministro reconhece que até 30 de agosto próximo os portadores de pelo menos 25% dos 16 títulos desse passivo podem se apresentar e pedir a cobrança de toda a dívida, a partir do suposto default de ontem. Mas Kicillof adverte: “Não vai ser simples determinar (na justiça) como evento de default. Será um processo longo e tortuoso até que algo aconteça. Depois de 30 de agosto se abriria um período de 60 dias mais para que a Argentina responda a essas eventuais demandas.

Kicillof nega que seu país esteja em default (16h33) O ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, explica que os contratos da dívida estabelecem os casos em que seu país cairia em default e acrescenta que não aconteceu nenhum deles. “A Argentina pagou. Houve um problema de recebimento”, diz Kicillof em referência ao fato de o dinheiro da dívida reestruturada ter sido depositado nos bancos agentes fiduciários e o bloqueio judicial dos EUA impediu que chegasse aos credores. “Alguns diziam que o país ia desmoronar (pelo default) e aqui estamos. Existe uma espécie de campanha que quer difundir o pânico com a palavra default, lamenta o ministro.

OS EUA confiam em uma solução (15h55) O ministro conselheiro da embaixada dos EUA em Buenos Aires, Kevin Sullivan, que atualmente é o responsável pela sede diplomática, declarou ao portal Infobae que as negociações pela dívida da Argentina "não são um assunto fácil, mas é possível encontrar soluções práticas, porque as partes estão nas melhores condições para encontrá-las". Sullivan comenta sobre a crítica do Governo de Kirchner ao Poder Judicial dos EUA: "É compreensível a reação diante de uma sentença não favorável, mas o importante é recriar a confiança e queremos que se encontre uma solução prática para que a Argentina volte a crescer de forma inclusiva". Também descartou que empresas norte-americanas se retirem do país sul-americano pelo default: "Têm uma presença de longo prazo na Argentina, e não se vê nenhum desejo de mudar nem de ir embora, mas sim de reforçar os laços".

A ONU prevê que o default afetará pouco os argentinos (15h50) "Essa é a principal preocupação do secretário-geral do povo argentino e se espera que [a suspensão de pagamentos] tenha o menor impacto possível", declarou o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em Nova York.

O ministro da Economia da Argentina oferecerá outra coletiva de imprensa (15h48) O ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, participará de uma coletiva em Buenos Aires às 16h, depois de sua viagem à Nova York para tentar uma frustrada solução ao conflito judicial pela dívida do seu país.

As bolsas de Wall Street e Buenos Aires caem (14h58) Os preços dos ativos financeiros da Argentina, e também os de Wall Street, caíram, segundo a agência Reuters. O índice da bolsa de Buenos Aires caiu 6,3%, e os títulos públicos até 5,4%. O peso cotiza no mercado ilegal de câmbio a 12,95 dólares, o que implica em uma desvalorização de 2,3%. No entanto, os operadores estão a espera de um acordo entre o banco JP Morgan e os fundos abutres que consiga deter a queda dos bônus deste país. No mercado ilegal de câmbio, que tem pequena dimensão mas influencia as expectativas econômicas, há poucas operações porque os especuladores preferem esperar mais novidades sobre essa negociação. Na bolsa de Nova York, o índice Dow Jones caiu 1,2% pelo resultado negativo do emprego nos EUA, pelos resultados das empresas que cotizam e pelo impacto da situação da Argentina no sistema financeiro global.

Os mercados europeus caem na Argentina e nos EUA (13h56) As ações nos mercados europeus caem de maneira profunda pelo medo a uma esperada subida de taxa de juros nos EUA e o default da Argentina, segundo a agência Reuters. Analistas temem que a sentença contra Buenos Aires afete futuras reestruturações de dívida de outros países.

Os banqueiros argentinos voltam sem acordo (13h30) A delegação de banqueiros argentinos que viajaram na quarta-feira à Nova York para comprar a dívida dos fundos abutres, adquiridas pelos mesmos em 2001, volta a Buenos Aires sem conseguir completar a missão, segundo declaram fontes que os representam à agência EFE. O objetivo das entidades financeiras privadas da Argentina, que têm na carteira títulos públicos não pagos, era acabar com o conflito judicial nos EUA, para que o Governo de Cristina Fernández de Kirchner pudesse devolver a quantidade que deve da reestruturação de 2005 e 2010.

JP Morgan negocia a compra da dúvida não paga (12h49) O banco norte-americano JP Morgan negocia com os fundos abutres para comprar as dívidas não pagas de 2001, postergar o pleito com Argentina até que possa negociar em 2015 e, assim, desativar a suspensão de pagamentos de quarta dos passivos reestruturados em 2005 e 2010, segundo o The Wall Street Journal. Os analistas consideram que o JP Morgan pode ter na carteira títulos da dívida refinanciada.

O Brasil nega o default da Argentina (12h49) “Não acredito que a Argentina esteja em default, pois está pagando a dívida. Depositou (o dinheiro) para os credores e pagou ao Clube de Paris (grupo de 19 países ricos), mas enfrenta uma situação suis generis, que é excepcional, pois quem impede ela de pagar é o juiz norte-americano”, declarou o ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega. “Existem outras soluções, como os bancos privados comprarem os títulos dos fundos abutres”, explica Mantega. O The Wall Street Journal publica esta quinta que não só os bancos argentinos poderiam adquirir a dívida para desativar o default, mas também o banco norte-americano JP Morgan. “[O caso argentino] afetará a questão de futuras reestruturações de dúvidas que se façam em todo o mundo”, adverte Mantega.

A bolsa de Buenos Aires cai (12h31) A bolsa de Buenos Aires abriu há 19 minutos e seu índice principal caiu 7,6%. A ação do banco Santander Rio, filial do grupo espanhol, retrocede 8,3% e a da subsidiária BBVA Banco Francês, 9,6%.

O juiz dos EUA convoca as partes (12h19) O juiz de Nova York Thomas Griesa convoca uma audiência judicial entre a Argentina e os fundos abutres para essa sexta, depois de Buenos Aires não cumprir a ordem judicial de pagar primeiro os credores que não aceitaram a reestruturação das dívidas em 2005 e 2010, e depois pagar a maioria que aceitou.

Os títulos argentinos caem (11h48) A cotização dos títulos da dívida reestruturada da Argentina cai até 13,2%. Diversos fundos de investimentos internacionais não podem, por regulamentação própria, manter em sua carteira títulos em default, categoria em a classificadora de riscos Standard & Poor's colocou o país sul-americano nesta quarta-feira. Antes da abertura da sessão da bolsa de Buenos Aires, as ações das empresas argentinas que cotizam em Wall Street caem até 10,6%, incluindo as da petroleira YPF, a maior companhia do país sul-americano, que perde 2,9%.

Carrefour reduz investimentos (11h19) O presidente executivo do Carrefour, Georges Plassat, declara em Paris que o default da Argentina reduzirá o investimento de sua empresa neste país para evitar riscos de tesouraria, apesar de qualificar o conflito da dívida de Buenos Aires como "gerenciável". Plassat acredita que a Argentina se encontra em uma situação muito diferente à do colapso que sofreu em 2001 e conta com "recursos". O executivo acrescenta que o calote deteriorará o consumo, principalmente em produtos não-alimentícios, e sua companhia deverá reduzir os preços para manter a participação de mercado.

Os seguros contra o default, em análise (10h56) A Associação Internacional de Derivados Financeiros (ISDA, segundo suas siglas em inglês) anuncia nesta sexta-feira que uma comissão analisará se já é o momento correto de ativar os seguros contra o default da dívida da Argentina. Um dos membros da comissão é Paul Singer, sócio do fundo abutre NML, que conseguiu a sentença contra Buenos Aires. Alguns analistas especulam que o NML não somente contaria com os títulos não pagos de 2001, mas também com estes seguros.

Um banco informa os credores (10h28) O agente fiduciário da dívida reestruturada da Argentina nos EUA e Europa, The Bank of New York Mellon, envia uma mensagem aos credores desse passivo informando que não poderá transferir o dinheiro pago por Buenos Aires com o argumento de que "poderia ser objeto de demandas", dado que a transferência foi bloqueada pelo juiz de Nova York, Thomas Griesa.

Argentina nega o calote e anuncia que irá à Haia (8h41) O presidente do conselho de Ministros da Argentina, Jorge Capitanich, nega em sua coletiva diária que seu país se encontre em default: "Dizer que estamos em default é uma besteira absurda." Seu argumento é que o dinheiro já foi depositado pela Argentina nas contas dos agentes fiduciários da dívida do país, The Bank of New York Mellon e JP Morgan, e que foi o juiz de Nova York, Thomas Griesa que impediu que estes bancos norte-americanos fizessem a transferência aos credores. Acusa o Poder Judiciário dos EUA de "má práxis" e repreende o mediador indicado por Griesa para a execução da sentença, Daniel Pollack, chamando-o de "incompetente". Também anuncia que Buenos Aires vai recorrer da decisão judicial dos EUA em tribunais internacionais: "Abrimos uma apelação no Tribunal (Internacional) de Haia para a opinião consultiva do processo de reestruturação de dívida, e será realizado nas Nações Unidas o debate para regulamentar a obrigatoriedade do acordo de maiorias sobre as minorias." Deste modo, Capitanich lembra que 93% dos créditos do default argentino da quebra de 2001 foram trocados em 2005 e 2010, e que somente uma minoria de 7% continua em litígio.