Os lucros do Santander aumentam 22% entre janeiro e junho

O grupo financeiro tem lucro líquido de 8,36 bilhões de reais no primeiro semestre do ano devido a maiores rendimentos

Uma agência do Banco Santander em Madri.
Uma agência do Banco Santander em Madri.Claudio Álvarez

O Grupo Santander apresentou um lucro líquido de 2,756 euros (8,36 bilhões de reais) entre janeiro e junho deste ano, em um aumento interanual de 22,2%, chegando ao maior lucro que já obteve, somado a custos que se mantiveram no mesmo patamar e às menores reservas dotadas.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira pela Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) da Espanha. No mesmo comunicado a comissão acrescenta que os lucros líquidos do grupo subiram 79% até junho e chegaram a 1,55 bilhão de reais, ao mesmo tempo em que o crédito aumentou 2% em relação a dezembro, fato que “consolida a mudança de tendência” observada em março.

Mais informações

No grupo como um todo, o crédito caiu 1,1% em relação a junho de 2013, para 2,14 bilhões de reais, o que supõe um aumento de 77,92 milhões de reais ou 4% mais que em dezembro de 2013, acrescenta a entidade. Apenas no segundo trimestre o Grupo Santander obteve o lucro de 4,4 bilhões de reais, o valor mais alto dos últimos dois anos, que não inclui os lucros líquidos conseguidos com a venda de 85% de Altamira (1,16 milhões de reais), a colocação da Santander Consumer USA (2,21 milhões de reais) e os 667,3 milhões de reais obtidos no Reino Unido com a modificação dos compromissos de pensões.

O resultado do trimestre se produz ainda em um contexto de “recuperação incipiente e juros muito baixos em moedas cruciais para o grupo, como o euro, a libra ou o dólar”. Quanto às margens principais da conta, a margem de juros ficou em 43,55 bilhões de euros, 1,3% menos que um ano antes, mas 5% mais que no trimestre anterior.

Apenas no segundo trimestre, essa margem se elevou em 22,35 milhões e reais e foi a cifra mais elevada dos últimos sete trimestres, o que permitiu ao grupo obter receita básica (margem de juros e a receita de comissões) de 57,91 milhões de reais, 2% menos que em junho de 2013.

Os custos somaram 29,58 bilhões de reais, o que supõe uma queda de 4% em relação ao primeiro semestre de 2013. Essa evolução da receita e dos gastos permite que a margem líquida (o resultado da exploração recorrente) fique em 32,93 bilhões de reais, 5% menos que no mesmo período de 2013. Apenas no segundo semestre, a cifra foi de 16,93 bilhões de reais, 6% mais que no período anterior.

A razão de capital ficou em 12,1% no fechamento de junho, igual ao trimestre anterior, com o “core capital”, ou capital de qualidade máxima, em 10,9%, diante dos 10,6% do encerramento do período anterior. Quanto às principais áreas geográficas em que o Santander opera, a América Latina teve lucro 16,2% menor até junho, já que obteve 4,6 bilhões de reais, dos quais 2,29 bilhões no Brasil, 17,5% a menos, e outros 931 milhões e reais no México, onde seus lucros tiveram queda de 30,4%.

Na Europa continental, o lucro líquido foi de 2,91 bilhões de reais, um aumento de 74%, enquanto a Santander Consumer Finance, a filial de crédito ao consumidor, lucrou 1,38 bilhões de reais, um aumento de 21%. O Reino Unido, por sua parte, lucrou 2,35 bilhões de euros até junho, um aumento de 59,1%, e os Estados Unidos tiveram lucro de 1,08 bilhão de reais, uma queda de 25,1%.