Editoriais
i

Coragem para reformar

O presidente do México expressa em Madri sua vontade de transformar o país

“O México decidiu mudar tudo aquilo que não lhe permitia crescer”, afirmou ontem o presidente Enrique Peña Nieto durante sua intervenção na jornada México, reformar para crescer, organizada por este jornal em Madri. Não é mais uma frase feliz de um político. O novo PRI teve o atrevimento de pôr em marcha uma agenda de reformas adiadas uma vez ou outra nas últimas duas décadas. Um período em que, apesar de coincidirem no diagnóstico dos males do país, sempre faltou – a todos – a coragem política para abordar as mudanças que o México demandava.

Inspirado pelos Pactos de Moncloa da transição espanhola, como assinalaram ontem Peña Nieto e seu ministro da Fazenda, Luis Videgaray, o PRI e as principais forças de oposição concordaram em dezembro de 2012 com o pacote de reformas estruturais conhecido como Pacto pelo México para romper todas as barreiras que impediam – e ainda impedem– o crescimento econômico do México e o desenvolvimento de uma sociedade menos desigual. Começou então uma vertiginosa atividade legislativa para introduzir as mudanças constitucionais que permitissem, entre outras, a reforma educacional, a fiscal, a energética e das telecomunicações.

Um desafio tão ambicioso como inadiável e difícil. Monopólios públicos e privados que resistem à perda de privilégios; sindicatos que na prática têm privatizados setores-chave como a educação; uma pressão fiscal inadequada para um país da OCDE; uma produção de gás e petróleo declinante e um sistema de crédito extremamente custoso para famílias e pequenas e médias empresas, atrofiam ainda, com outros fatores como a violência ou a corrupção, o progresso do maior país de língua espanhola. Tudo isso o Governo mexicano enfrenta em um contexto de insuficiente crescimento econômico (2,7% para 2014, semelhante à média dos últimos anos).

Um ano e meio depois de sua posse, já em pleno transcorrer legislativo das reformas –e o diabo está nos detalhes–, Peña Nieto e sua equipe mantêm a vontade de seguir adiante com as reformas. Assim manifestaram ontem e assim reconheceram os principais empresários espanhóis. O México tem a oportunidade histórica de dar um grande salto adiante. A coragem reformista demonstrado até agora deve ser o caminho a seguir para tornar realidade a promessa de um novo México.

Arquivado Em: