Carta dos gigantes da Internet a favor da neutralidade da Rede

Amazon, Google, Facebook, Yahoo... escrevem para a Comissão Federal de Comunicações para que as regras de comunicação não sejam mudadas

Mais de 150 empresas da Internet, dos gigantes Google, Facebook, eBay, aos pequenos Flurry e BitTorrent, assinaram uma carta destinada à Comissão Federal de Comunicações (FCC) para pedir que seja mantido o princípio da neutralidade da Rede (não discriminar por conteúdos), que tantos sucessos deu à economia norte-americana.

Na carta de apoio a uma Internet livre e aberta, os assinantes lembram: "Durante os últimos 20 anos os inovadores norte-americanos criaram incontáveis aplicações baseadas na Internet, oferta de conteúdos e serviços que são utilizados em todo o mundo. Estas inovações criaram um enorme valor para os internautas, impulsionaram o crescimento econômico e converteram as nossas empresas em líderes mundiais. A inovação que vimos até a agora ocorreu em um mundo sem discriminação. Uma Internet aberta também foi uma plataforma para a liberdade de expressão e a oportunidade de centenas de milhares de usuários".

O compromisso e as ações empreendidas pela FCC, o regulador das comunicações norte-americanas, para proteger uma Internet aberta "são a principal razão pela qual a Internet continua sendo um motor da iniciativa empresarial e do crescimento econômico".

Os assinantes fazem eco às recentes notícias de que a FCC mudará as regras pela raiz com a sentença de um tribunal federal. "Segundo relatórios da imprensa recentemente publicados, a Comissão tem a intenção de propor normas que permitiriam aos fornecedores de telefonia e serviços de Internet por cabo discriminar tanto técnica como financeiramente as empresas e impor novos pedágios. Se estes relatórios estiverem corretos, representa uma grave ameaça à Internet".

Entre os assinantes encontra-se o Netflix, o vídeo-clube virtual que assinou acordos com as operadoras Comcast e Verizon para garantir uma velocidade preferencial aos seus conteúdos, pese que um parágrafo parece ir diretamente contra o vídeo-clube: "No lugar de permitir a negociação individualizada e a discriminação, as normas da Comissão devem proteger os usuários e as empresas da Internet -em plataformas fixas e móveis- contra o bloqueio, a discriminação e o pagamento de acordos para priorização, e devem fazer o mercado dos serviços da Internet mais transparente. As normas devem dar segurança a todos os participantes no mercado e manter baixos os custos da regulação".

"Tais normas são essenciais para o futuro da Internet. A FCC deve adotar as medidas necessárias para garantir que a Internet continue sendo uma plataforma aberta para a liberdade de expressão e o comércio, a fim de que os Estados Unidos continuem na liderança do mundo no mercado da tecnologia".

Entre os 152 assinantes estão os gigantes e os pequenos da Internet e da tecnologia, como Microsoft, Dropbox, Linkedin, Kickstarter, BitTorrent, iFixit e Imgur.

Arquivado Em: