Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O principal operador de bitcoin fecha e surpreende os seus usuários

A saída de Mt. Gox da internet desata o temor de um confisco da moeda virtual

Casas de intercâmbio criticam a empresa

Kolin Burges está há uma semana na sede da Mt. Gox, em Tóquio, exigindo a recuperação do dinheiro que depositou na plataforma.
Kolin Burges está há uma semana na sede da Mt. Gox, em Tóquio, exigindo a recuperação do dinheiro que depositou na plataforma. Bloomberg

A plataforma on-line de intercâmbio de bitcoins Mt.Gox, a maior bolsa da moeda virtual do mundo, deixou nesta terça-feira de estar disponível sem aviso prévio. O fechamento surpreendeu os usuários do intermediário, que já não poderão ter acesso às suas moedas. A empresa suspendia recentemente os reembolsos de forma indefinida ante o que qualificou como "atividades incomuns" e que, na verdade, ocultavam roubos de bitcoin por um valor equivalente a centenas de milhões de euros. Diferentemente dos usuários dos serviços financeiros tradicionais, os usuários de bitcoin não contam com nenhum tipo de proteção por parte dos meios regulatórios.

A operadora, que paralisou as retiradas no dia 7 de fevereiro, justificou esta medida em que identificava uma vulnerabilidade que permitia retirar várias vezes o mesmo bitcoin. Segundo a empresa quase 750.000 bitcoins (cerca de 385 milhões de reais), desapareceram "devido a roubos que durante vários anos passavam inadvertidos". No documento em que se indicava esta quantidade também se assegurava que a companhia tinha dívidas de 126 milhões de euros (404 milhões de reais) e ativos de 23,8 milhões (76 milhões de reais), embora as cifras não sejam oficiais e, depois do desaparecimento de Mt. Gox, não podem ser confirmadas.

Os crescentes problemas levaram ao conselheiro delegado de Mt.Gox, Mark Karpeles, a renunciar no domingo a seus cargos na Fundação Bitcoin, organização encarregada de velar pelo desenvolvimento e implantação da divisa virtual, que entrou em funcionamento em 2010.

Antes de seu desaparecimento, o bitcoin cotava em MtGox a 96 euros, quando nas demais plataformas se cota acima dos 300 euros. MtGox abrigava muitos milhões de euros em depósitos de clientes. Sua página estava em branco desde a manhã desta terça-feira, ao igual que sua conta do Twitter, onde apagou todas suas mensagens.

Antes do fechamento, seis das principais casas de intercâmbios de bitcoins assinavam um comunicado conjunto no que criticavam à operadora Mt.Gox em uma tentativa de distanciar de seus problemas, o que de fato desatou os temores a um "corralito" (confisco) sobre a moeda virtual.

No comunicado, os sites Circle, Blockchain, BTC China, Bitstamp, Kraker, Coinbase criticavam a Mt.Gox, que chegou a fazer 80% de todas as transações desta moeda virtual, pela perda de confiança da clientela depois das avaria sofridas, e asseguram que eles trabalham por que as operações com a moeda sejam seguras e transparentes. Atualmente, Mt.Gox mal realizava já 20% das transações totais com a moeda.