WhatsApp fica fora do ar

A falha ocorre três dias após a aquisição bilionária. Seu rival, o Telegram, também parou de funcionar

três dias após fechar o acordo de compra com o Facebook, o WhatsApp evidência duas de suas carências: a instabilidade e a comunicação. O serviço já está fora do ar há mais de uma hora. Ainda não se sabe o motivo e também não há uma estimativa sobre sua duração, causa ou possível conserto. Às 17:17 no horário de Brasília, a empresa reconheceu o problema: "Sentimos. Estamos tendo problemas com os servidores. Esperamos dar um retorno e poder resolvê-lo cedo".

Apesar de ter transformado os hábitos de comunicação mundialmente, desde seu início o WhatsApp foi muito opaco com o público exterior e estabeleceu uma comunicação pouco clara. Os são exemplos podem ser sentidos tanto quando seu serviço tem uma queda como com relação ao pagamento. O canal de comunicação habitual foi a sua conta de Twitter oficial, cuja última atualização tinha sido feita no dia 7 de janeiro. Antes disso, a conta tinha sido atualizada no dia 8 de dezembro também para informar sobre uma pane. Não há informação oficial ou uma avaliação sobre a magnitude da queda - o maior número de queixas está sendo registrados do serviço na Espanha, Argentina, México, Equador e nos Estados Unidos.

O Telegram, a alternativa russa ao WhatsApp que já conseguiu meio milhão de novos usuários na quinta-feira passada quinta-feira e 800.000 na sexta-feira também não está funcionando. Em sua conta de Twitter, o Telegram reconheceu problemas com seus servidores na Europa, ao mesmo tempo que parabenizava a si mesmo por somar 100 novos usuários por segundo.

A queda do WhatsApp é trending topic mundial no Twitter e também um dos mais comentados no Facebook, seu novo dono. Apesar dos mais de 450 milhões de usuários ativos, chama a atenção esse vazio em momentos de pane. Isso serviu para popularizar o Line, com 300 milhões de usuários, há pouco mais de um ano.