Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Um bom dia

Um dia só é o horizonte de todos os sonhos que acompanham o cidadão desesperado

Que tenha em um bom dia. Com esse desejo e um sorriso o balconista costuma despedir-se do cliente que passou pela caixa. Trata-se de uma fórmula que vai além da cortesia, porque hoje, assim como estão as coisas, um dia, um só dia é o horizonte de todos os sonhos que acompanham o cidadão desesperado na sua viagem ao final da noite.

Que tenha um bom dia. Com essa frase rotineira a mulher da caixa do supermercado, junto ao ticket de compra, oferece todas as variáveis possíveis de sucesso ou fracasso que cabem em 24 horas. Se realmente esse é para você um bom dia, não vão te demitir do trabalho; nenhum político do Governo, aprendiz de mafioso, te ameaçará em mandar a um auditor fiscal da Receita Federal; não será você, mas os outros que pedirão esmola de joelhos na porta de uma igreja, os que vão escarafunchar no lixo dos rivais, e nenhum gorila coxinha, vestindo uma farda de policial, te revistará no meio da rua simplesmente porque não gosta da sua cara. Que tenha um bom dia.

Se esse desejo se cumprir, ao acordar nada vai doer; diante do espelho do banheiro não vai ter de se envergonhar de algo que só você sabe; para você o balcão do bar da esquina será um altar e ali celebrará o sacramento do café da manhã com torradas enquanto lê no jornal o triunfo do seu time. Que tenha um bom dia, dirá a garçonete. Ao chegar ao escritório sem saber por que, o diretor te receberá com uma palmadinha amigável nas costas e no trabalho será um desses tipos que não lhe dá importância a cumprir com seu dever. Depois você verá a rua lotada de cidadãos adestrados, derrotados, caminhando sob o crepúsculo de ouro com uma recôndita ira que não acaba de estourar. Ao voltar para casa, o mendigo, que toca o acordeão na esquina, vai parar a música: que tenha um bom dia, vai lhe dizer, embora seja já noite cerrada e será você seja o primeiro a se surpreender com esse milagre: a gente humilhada não se rebelou, o Congresso ainda não foi assaltado, os políticos corruptos não foram jogados fora a patadas e a cidade não ardeu ainda por todos as direções.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: