Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Mais impopular que Dilma, Temer se prepara para prova de fogo com Previdência

Presidência fruto do impeachment exibe controle do Congresso e contém, por ora, o estrago da Lava Jato

Um ano de Temer
Michel Temer em evento no Planalto. AFP

Quando assumiu a presidência da República, ainda de maneira interina em 12 de maio do ano passado, o peemedebista Michel Temer cercou-se de políticos considerados da velha guarda _na posse, todos homens. Alguns carregavam consigo problemas judiciais, que acabaram causando sua queda – hoje, ainda há oito deles investigados pela Operação Lava Jato. Dos 26 empossados nos ministérios há um ano, sete deixaram os cargos, a maioria por investigações que foram abertas pela polícia ou por suspeita de terem cometido algum ato ilícito. Ainda que a Lava Jato seja, em certa medida, imprevisível, o certo é que, por ora, a regra de autoblindagem criada pelo Planalto protege o Governo: só será afastado do cargo o ministro que se for denunciado, o que não tem data para acontecer e depende dos prazos mais longos do Supremo Tribunal Federal. Na agenda de tribunais, o mais certo compromisso para Temer é com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), onde um julgamento que pede a invalidação da chapa Dilma-Temer em 2014 segue pendente, se não com risco real de desenlace negativo, ao menos com potencial de lhe causar novos constrangimentos políticos. 

Nesses doze meses no poder, o presidente impôs uma agenda política, que defende reformas do tipo liberal e redução de direitos trabalhistas que, desde a redemocratização do Brasil, não venceu nenhuma eleição. Com menos de 10% de aprovação popular,  menos do que Dilma Rousseff quando sofreu o impeachment, o discurso de Temer e de sua equipe é o de que não há preocupação com a rejeição dos brasileiros, no momento. A aposta é que, com o remédio amargo proposto com corte de gastos e austeridade que atinge em especial os mais pobres, haverá retomada econômica e com ela, o emprego, tudo agora prometido para o segundo semestre. “O povo geral quer é resultado. De onde e como vem o resultado não importa”, disse o presidente, na sexta-feira, durante o encerramento da reunião ministerial comemorativa de um ano batizada com o nada modesto nome de “Um ano de conquistas”.

O problema é que, apesar das trajetórias positivas com a queda da inflação e dos juros, a economia parece estar respondendo mais lentamente do que o esperado. Nos últimos dias, indicadores apontaram queda no varejo, na indústria e no comércio, todas áreas cruciais para a prometida retomada do emprego _os desempregados passaram a marca história de 14 milhões.  "Houve expectativa de estabilização na atividade neste primeiro semestre que não está acontecendo", afirmou à agência Reuters o economista do banco Bradesco Igor Velecico, acrescentando que a falta de emprego e confiança trava o consumo.

Fortaleza no Congresso

A principal fortaleza do Governo, após a franca rebelião parlamentar enfrentada por Dilma Rousseff, foi e segue sendo o controle do Congresso. Nem as trocas nos comandos das pastas lhe trouxeram limitações neste quesito. Conhecido por ser um bom ouvinte e com ampla bagagem parlamentar, Temer aprofundou sua relação com o Legislativo. Conseguiu, ao menos na teoria, uma sólida base que tem 411 dos 513 deputados e 60 dos 81 senadores. A ampla rede de apoio também se sustenta no alto empresariado nacional, que tem feito intenso lobby para aprovar as reformas trabalhista  – votada na Câmara, mas aguardando a análise do Senado – e previdenciária, além da terceirização, que já se tornou lei. É essa base que o Governo não parece disposto a desagradar. Entre as medidas para o ajuste das contas públicas, o Planalto está adiando o quanto pode a criação ou o retorno de taxas e impostos, por exemplo.

Com o apoio congressual praticamente inabalado, Temer se prepara para seu maior teste no Congresso: superar a clara dificuldade de aprovar a reforma da Previdência, votada na semana passada pela comissão especial da Câmara e que deve ir a plenário. O braço direito do presidente, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, fechou as portas, ao menos publicamente, para quaisquer novas mudanças no projeto, ainda que a força de persuasão de categorias organizadas do serviço público não seja desprezível. “Não podemos abrir mão de mais receita na Previdência”, disse Padilha ao EL PAÍS na quinta-feira.

O Governo fala com a confiança de quem, neste tempo, já aprovou no Legislativo medidas polêmicas como a criação de um teto de gastos públicos, o fim da exclusividade da Petrobras na exploração da camada pré-sal, algo já negociado pelo Governo Dilma Rousseff, e a reforma do ensino médio. Até o fim do ano promete ainda apresentar uma reforma tributária e apoiar a reforma política, que já está tramitando no Congresso Nacional. Sem falar em outras áreas que também passam por mudanças, dentro e fora do Parlamento. A proximidade do Planalto com bancada ligada ao agronegócio anima o setor que quer aprovar mudanças nas regras do trabalho rural e tirar força de uma sucateada Funai (Fundação Nacional do Índio).

“O Governo acabou prometendo uma série de melhorias econômicas, que não aconteceram. Assumiu sugerindo que ia acabar com a corrupção, mas viu seus ministros e o próprio presidente envolvidos na Lava Jato e, além disso, há uma série de ameaças de direitos sociais”, diz a cientista política Sônia Fleury, professora da Fundação Getúlio Vargas e coordenadora do Programa de Estudos sobre a Esfera Pública. Para ela, o principal problema do presidente é de legitimidade. Temer é visto como envolvido nos desvios apurados pela Lava Jato por 73% da população, de acordo com a mais recente pesquisa Datafolha.

Entre os agentes de mercado, no entanto, o prestígio do Governo, em geral, segue em alta. E a avaliação é que o Planalto vai conseguir entregar o que promete em termos de reforma: “O surgimento no ano passado de um ambiente positivo para as reformas sinaliza a melhora do funcionamento das instituições que darão suporte à implementação da reforma fiscal e a aprovação da reforma da Previdência neste ano”, disse a agência de classificação de risco Moody's em comunicado de março.

MAIS INFORMAÇÕES