Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Dilma Rousseff: “A América Latina está voltando ao neoliberalismo”

Ex-presidenta critica as políticas de Michel Temer e nega que caso Odebrecht comprometa democracia

Dilma Rousseff, nesta segunda-feira, na Cidade do México.
Dilma Rousseff, nesta segunda-feira, na Cidade do México. AFP

A ex-presidenta brasileira Dilma Rousseff criticou nesta segunda-feira, na Cidade do México, as políticas “neoliberais” que, segundo ela, são adotadas pelo Governo “ilegítimo” de Michel Temer e que se estendem por toda a América Latina. Acompanhada por Cuauhtémoc Cárdenas, patriarca da esquerda mexicana, e Pablo Gentili, secretário-executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais, Dilma defendeu seu legado e o de Lula, negando que o caso Odebrecht comprometa a democracia na região. 

“Não é uma questão única do Brasil: toda a América Latina está num processo de retorno ao neoliberalismo”, afirmou a ex-mandatária. “Aproveitaram a crise emergente para chegar ao poder. Se não tivessem nos culpado pela crise econômica, não teriam conseguido.” Ao criticar a guinada conservadora na região, Dilma chegou a equipará-la, em alguns pontos, com as ditaduras militares que governaram a América Latina na segunda metade do século passado. “Mas, ao contrário daquela época, agora as pessoas sabem que é possível distribuir renda”, disse. A nova “onda conservadora”, termo que repetiu em vários momentos de seu discurso, “também busca um novo modelo de relação unilateral, sobretudo com os Estados Unidos, em detrimento do multilateralismo.” 

Quando lhe perguntaram sobre as ramificações do caso Odebrecht – um autêntico tsunami de corrupção que ameaça governantes de toda a América Latina e aponta para seu antecessor e grande mentor, Luiz Inácio Lula da Silva – a ex-presidenta negou que “comprometam” a democracia na região. “O problema da corrupção é muito grave e muito diverso. Não há corrupção se não houver recursos concentrados em poucas mãos”, afirmou. Dilma se referiu à crise das hipotecas subprime de 2008 e 2009 como “o maior escândalo de corrupção dos últimos anos” e lembrou que “sempre houve corrupção” na América Latina. “Ela é feita com o dinheiro não contabilizado para não pagar impostos. Para erradicá-la, é preciso combater os paraísos fiscais, de onde esse dinheiro sai. Do contrário, não iremos ao fundo do problema: primeiro, é preciso entender do que se trata.” 

A ex-presidenta falou ainda sobre as “mentiras” que, segundo ela, desembocaram em seu processo de destituição parlamentar (impeachment) em maio de 2016. “Diziam que eu precisava sair porque o país quebrou. Isso não é certo: quebrou em 2002, no Governo de Fernando Henrique Cardoso. A causa fundamental do impeachment foi voltar a enquadrar o Brasil no neoliberalismo”, afirmou. Dilma recordou que, na chegada de Lula ao poder, o “FMI ainda estava presente no país”. Também reivindicou as reservas deixadas como legado pelos Governos do PT: “Estão entre as maiores do mundo, e o Estado tem um grande colchão de liquidez e capacidade de endividamento.” 

Defesa de sua política econômica 

No campo de economia, Dilma também defendeu as políticas anticíclicas que realizou quando estava no poder e que permitiram, segundo ela, garantir o consumo e o investimento após a crise mundial de 2008 e 2009. 

“Conseguimos isso durante um tempo, tanto que em 2014 o desemprego chegou ao mínimo histórico. Mas aí veio a crise emergente: a desaceleração da China, a queda das matérias primas, a saída dos EUA do plano de estímulo monetário e uma grande seca. Somou-se a isso, no caso do Brasil, uma grande crise política: fui eleita em novembro, e em março o impeachment já estava sobre a mesa”, afirmou. 

“Vivi dois golpes no Brasil: um militar, em 1964, e outro parlamentar. Hoje o Brasil está dividido. E, pela primeira vez na minha vida, vejo uma proposta clara de extrema direita”, prosseguiu. “Em meu país, as transições da ditadura para a democracia e do império para a independência foram controladas pelas elites. E hoje é preciso colocar o povo no centro, com processos democráticos.” Nesse sentido, Dilma defendeu uma mudança no sistema político: “Fernando Henrique só precisava do apoio de três ou quatro partidos para governar. Lula, de seis a 12. Eu, de 20”, resumiu. “Há uma fragmentação dos partidos políticos. E quanto mais numerosos eles são, menos governável é um país.” 

As menções ao seu grande mentor, Lula, foram além. “Não podem tirar Lula do processo [eleitoral]. Apesar de darem grande espaço nos meios de comunicação para destruir sua biografia, ele é o mais apoiado”, afirmou, referindo-se à possibilidade de que o histórico líder do PT volte a ser candidato. “Depois dele, quem tem mais apoio é de extrema direita.” Horas antes de seu encontro com a imprensa, Dilma afirmara, em entrevista a La Jornada, que “só com meios de comunicação neogolpistas” poderiam evitar o triunfo de Lula nas eleições, “invalidando um processo de eleição livre, direta, em que o voto popular seja respeitado.” 

As maiores críticas de seu discurso no México foram contra Temer. “O Governo ilegítimo está implementando políticas como o congelamento dos gastos públicos por 20 anos; isso significa o congelamento dos gastos em educação e saúde, que afeta os mais pobres”, disse. “Sem investimento em ciência e educação, não poderemos entrar na economia do conhecimento”, prosseguiu, denunciando a “precarização” do trabalho no Brasil, “uma das características fundamentais do neoliberalismo”. 

Em contraposição a essa realidade, Dilma situou os Governos populares, “que aplicaram medidas para sair do ciclo neoliberal e reduziram a exclusão social e a desigualdade. Não foram Governos populistas; foram Governos populares”, completou, em alusão implícita ao próprio Executivo.

 

MAIS INFORMAÇÕES