Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Governo Temer empurra reforma trabalhista na Câmara um dia após derrota

Logo depois de ver negada urgência para o projeto, base encaminha votação para a próxima semana

Os deputados na sessão desta quarta-feira.
Os deputados na sessão desta quarta-feira. Câmara dos Deputados

Em uma estratégia que lembrou os tumultuados tempos de presidência de Eduardo Cunha, a Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira a urgência para votar a reforma trabalhista. Um dia depois de ser derrotado no plenário, o Governo Michel Temer recolocou o tema em votação e, desta vez, conseguiu 30 votos além dos 257 de que precisava — na terça-feira, os governistas amargaram apenas 230 votos. Com a decisão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encaminha para a próxima semana a votação do projeto que mexe em 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Além de dar prioridade para a votação do projeto, a urgência veta pedidos de vistas e encurta em dois dias o período para a apresentação de novas emendas ao projeto, que ainda não foi votado na comissão de especial designada para elaborá-lo. O plano dos governistas agora é votar a proposta na comissão na próxima terça-feira e levá-la a plenário na quarta seguinte, dia 26. Além de ser considerada essencial para os planos do Governo de reativar a economia nacional, a reforma trabalhista serve de termômetro para medir as possibilidades de se aprovar a reforma da Previdência, primordial para o cumprimento do teto de gastos aprovado no ano passado.

A aprovação de urgência foi feita sob protesto de oposicionistas como a deputada Erika Kokay (PT-DF). “Querem aprovar a urgência para dificultar a apresentação de emendas, que é função do Parlamento”, criticou a petista, segundo quem a reforma “é um verdadeiro retrocesso nos direitos dos trabalhadores". “Quero saber por que se retirou o direito de lactantes de não trabalhar em locais insalubres. Por que pressa para impedir que trabalhadores possam continuar com uma ação judicial simplesmente porque o tribunal foi lento e não deu andamento à ação? E por que se quer destruir a entidade sindical?”, questionou.

O relator do projeto, Rogério Marinho (PSDB-RN), rebateu as críticas, afirmando que a reforma promove a modernização da legislação trabalhista. “Defender uma lei de 1943 [CLT] como se fosse uma vaca sagrada que não pudesse sofrer modificações é sinceramente ser presa do cooperativismo, do patrimonialismo e do atraso que tem prejudicado o País”, discursou Marinho. Rebatendo o argumento sobre a falta de debate, o relator disse que seu relatório foi construído a partir de mais de 850 emendas, e que 400 delas foram acolhidas. Segundo ele, esse é o terceiro maior número de emendas dos últimos 14 anos na Câmara.

MAIS INFORMAÇÕES