Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Ator italiano apresenta espetáculo para plateia vazia

Giovanni Mongiano interpretou seu monólogo na íntegra, durante uma hora e vinte minutos, mesmo sem ter vendido um único ingresso

Mongiano, durante apresentação.
Mongiano, durante apresentação.

Uma hora e vinte minutos de monólogo. O ator italiano Giovanni Mongiano apresentou o espetáculo inteiro, como nas outras noites. Com uma diferença: não havia ninguém na plateia. Ao chegar ao Teatro del Popolo de Gallarate, município da Lombardia, no norte da Itália, a encarregada da bilheteria lhe informou que nenhum ingresso fora vendido para aquela noite. O ator ficou em silêncio, olhou para o chão e, subitamente, decidiu. “Vamos fazer o espetáculo do mesmo jeito”, disse Mongiano, segundo relata o jornal italiano Corriere della Sera. E cumpriu com a palavra.

“Decidi fazer isso de um golpe só. Foi um impulso irresistível. Eu tinha de fazê-lo. Um gesto de amor, mas também simbólico e provocativo”, disse o ator. Mongiano, de 65 anos, 45 dos quais passados no palco, interpretou seu texto, Improvisações de um ator que lê, na íntegra, chegando, assim, à sua 70ª apresentação. “Poderia ter sido uma noite para se esquecer. No entanto, ela dará muito o que falar”, comenta o Corriere della Sera.

Pois, com efeito, a sua atuação a sós –literalmente— se espalhou dos jornais italianos para a imprensa internacional, relançando o debate sobre quando e se se deve suspender uma sessão. As companhias costumam cancelar uma apresentação quando se vende apenas poucos ingressos, embora existam casos de obras, na Espanha, que foram apresentadas apenas com um ou dois espectadores na plateia.

Seja como for, na Itália, vários representantes do meio teatral viram o gesto de Mongiano como um ato de resistência diante do descaso que atinge a atividade cultural. Outros, porém, afirmaram que se tratou, simplesmente, de uma jogada publicitária. Mongiano, é claro, desmente essa versão: “Nada disso. Não haverá mais nenhuma apresentação desse espetáculo. Eu já tinha recebido. Poderia tranquilamente ter ido embora”.

“Isso nunca tinha acontecido comigo. Mas eu sempre ensino àqueles que querem ser atores que não importa quantas pessoas estão na plateia: trata-se de respeito ao teatro e ao público. Diante do palco estavam apenas o técnico de iluminação, meu assistente e a encarregada da bilheteria, a qual, aliás, saiu em poucos minutos porque o seu celular tocou”, disse Mongiano. O ator, que dirige um teatro em Fontanetto Po, um vilarejo do Piemonte, contou ter recebido dezenas de mensagens de apoio e congratulações e que um colega de profissão procurou consolá-lo dizendo que uma vez tinha apresentado uma peça para apenas um espectador. Mas Mongiano, com lucidez sobre sua situação, lhe respondeu: “Entre um e nenhum há uma diferença enorme”.