Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O escritor que inspira Marine Le Pen e Steve Bannon

Jean Raspail, autor de romance admirado pela extrema-direita francesa, defende visão de Europa sitiada

Fila de refugiados esperando ser evacuados do acampamento de Calais, em outubro de 2016.
Fila de refugiados esperando ser evacuados do acampamento de Calais, em outubro de 2016. afp

Um dia, olhando para o Mediterrâneo de uma casa com vista para o mar no Sul da França, Jean Raspail teve uma iluminação. “Pensei: ‘E se eles chegassem?’”, recorda. “A partir do momento em que a frase me veio, o livro se construiu quase sem que eu interviesse.”

O romance, O Campo dos Santos (Ediouro), foi publicado em francês em 1973. Muitos leitores viram na obra um hábil artefato de ficção que canaliza ideias radicais, inclusive racistas. Na reedição, em 2011, a revista Nouvel Observateur o descreveu como um livro que, “sem ambiguidade, tanto pelo vocabulário quanto pelo imaginário, situa-se no mais íntimo do fascismo”. O crítico do Libération o classificou como “odiosamente racista”. Outros o leram como um texto profético. Admirada por Ronald Reagan nos anos oitenta e citada nos noventa pelo cientista político Samuel Huntington em O Choque de Civilizações (Objetiva), a obra passa por um renascimento. A nova direita encontra nela um livro de culto, no qual acredita ver uma antecipação dos tempos atuais.

O escritor Jean Raspail, em sua casa. ampliar foto
O escritor Jean Raspail, em sua casa.

Steve Bannon, o conselheiro áulico do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, menciona o título para descrever um Ocidente invadido pelos imigrantes. Marine Le Pen, candidata da Frente Nacional à presidência da França, recomenda sua leitura para entender a “submersão migratória” em sua opinião vivida pelo país.

O Campo dos Santos, título tirado do Apocalipse, imagina o que aconteceria se um milhão de desamparados desembarcassem na costa francesa. Os habitantes da região fogem para o Norte. O presidente da República renuncia a defender o território nacional. As resistências cedem.

“É preciso fechar as fronteiras, mas quem sou eu para dizer isso?”

Com seus 92 anos, Raspail, autor de obra ampla e apreciada pela crítica e pelo público, não deixa de se alegrar pela renovada atualidade de seu romance mais conhecido e mais polêmico. Ouvi-lo em seu apartamento no distrito XVII de Paris é entrar numa visão extrema do mundo, ancorada nas margens da direita francesa mais tradicional, mas significativa porque seu relato ajudou a moldar o pensamento de pessoas que dirigem ou aspiram a dirigir potências ocidentais.

“Sem querer, por uma espécie de mistério, previ algo que está acontecendo”, afirma. “Não digo que tenha havido uma intervenção divina, mas aconteceu alguma coisa. Estou orgulhoso de tê-lo escrito, porque é um aviso que fui o único a fazer. É um livro que foi e é muito útil.”

“Atenção”, fala em outro momento. “O tema principal do livro, no fundo, não é a invasão do Ocidente pelo Terceiro Mundo. Na verdade, é um romance que descreve a covardia, a fraqueza, a ausência de ideais, a decadência total em que o Ocidente, ou seja, nossa Europa, está afundado já há algum tempo. Temos pela frente uma pilha de pessoas com motivos poderosos e as deixamos entrar em massa por uma espécie de indiferença triste.” Raspail, católico, identifica o papa Francisco com a frouxidão ocidental frente à imigração. Prefere Bento 16, a quem rende homenagem num posfácio na última edição de O Campo dos Santos.

Minorias ameaçadas

“Meus ancestrais eram católicos, estou num país que é cristão há séculos. Por que quereria mudar? Faço parte de uma corrente. E numa corrente há elos. Se um elo se rompe, tudo se estraga. Não temos o direito de rompê-lo.” É uma ideia — a da corrente feita de elos inquebráveis — que Raspail repete ao longo da entrevista.

Ao abordar o delicado assunto do racismo onipresente num relato que opõe a chamada raça branca aos invasores de pele escura, o autor que inspirou Bannon e Le Pen responde sem rodeios. Raspail, autor de livros de viagem e incansável explorador em sua juventude, evoca seus encontros com tribos isoladas na Terra do Fogo, no Japão e na América do Norte: “Toda etnia ameaçada pelo progresso e pela invasão por outros, toda etnia minoritária que se adapta está perdida, e toda etnia minoritária que não se adapta está perdida. Não há solução”. “E acho que agora os brancos…”, prossegue. Mas se interrompe para se queixar: “Queria que me deixassem em paz para poder pronunciar as palavras que me agradam, que não são palavras insultantes”. Refere-se a brancos. Depois retoma o fio da meada: “Somos uma minoria que cada vez será mais minoritária”. A tribo à beira da extinção.

À pergunta sobre se tem uma solução, responde: “Não sou um intelectual. Simplesmente um escritor. Mas tenho convicções. É preciso fechar totalmente as fronteiras, mas quem sou eu para dizer isso?”.

No final de O Campo dos Santos o narrador fala da “incompatibilidade das raças quando compartilham um mesmo meio ambiente”.

“Não retiro nem uma palavra dessa frase. Vai me dizer que nos Estados Unidos a coisa vai bem, o melting pot entre os negros e os brancos funciona?”, comenta Raspail após reler a frase. “Toda civilização se mantém porque século após século, ano após ano e dia após dia as coisas são transmitidas intactas. São os elos. Se o elo for rompido, tudo se arruína”. Diante das evidências científicas sobre a inexistência de raças, responde: “Não sei nada sobre isso. Caímos em assuntos de especialistas”.

Ao se despedir, enquanto a porta do elevador se fecha, repete, como uma mensagem e uma advertência: “E não se esqueça do elo: não devem ser rompidos os elos da corrente”.

Política, literatura e amizade

Jean Raspail conhece bem a família de Le Pen, Marine e seu pai, o velho líder ultradireitista Jean-Marie Le Pen. “Ela me chama de você, eu a chamo de você, conheço-a desde que ela tinha quatro anos”, diz. “E conheço muito bem seu pai. Faz tempo que não nos vemos. Éramos como uma fraternidade. Um grupo de companheiros.”

Entre os escritores mais jovens, admira Michel Houellebecq. “Considero que é um escritor bastante considerável, porque tenta interpretar a época em que vivemos.” O mais recente romance de Houellebecq, Submissão (Alfaguara Brasil), imagina uma muçulmana na presidência da França. “Não se engana”, diz Raspail. “Pode acontecer. E todo mundo acha perfeito.”