Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um acessório de 13 reais permite medir a qualidade do sêmen com um telefone celular

Em 40% dos casais que não podem ter filhos existe um componente de infertilidade masculina

Mostra de sêmen analisada com um telefone celular em Harvard.
Mostra de sêmen analisada com um telefone celular em Harvard.

Pesquisadores da Universidade Harvard (EUA) criaram um acessório descartável de cerca de quatro euros (13 reais) que permite que um homem meça a qualidade de seu sêmen com o próprio telefone celular. O dispositivo, ainda um protótipo, poderia ajudar alguns dos 45 milhões de casais afetados pela infertilidade em todo o mundo. Calcula-se que em 40% dos casos existe um componente de infertilidade masculina.

O equipamento para a análise inclui instrumental para manusear a amostra de sêmen, um microchip e um aplicativo de telefone celular que guia o usuário durante o processo. Os autores, liderados por Hadi Shafiee, analisaram com este sistema 350 amostras de material ejaculado procedentes do Hospital Geral de Massachusetts, com 98% de precisão, segundo publicam nesta quarta-feira na revista Sciente Translational Medicine. Cada análise durou em média menos de cinco segundos.

A equipe de Shafiee lembra que a qualidade do sêmen está vinculada à concentração de espermatozoides, à capacidade destes de se movimentarem e à sua morfologia. Atualmente, segundo explicam os autores, os métodos de análise habituais nos hospitais são a contagem manual no microscópio e a análise assistida por computador. “Estes métodos dão muito trabalho, são caros e requerem laboratórios”, ressaltam os pesquisadores.

O dispositivo consegui 98% de precisão nas primeiras 350 amostras de teste

“Este dispositivo pode fazer com que os testes de infertilidade masculina sejam tão simples como os de gravidez”, diz Shafiee a Matéria. Este professor da Escola Médica de Harvard garante que comercializarão a tecnologia tão logo forem solicitadas as permissões às autoridades sanitárias dos EUA e UE. “É cedo para dizer quando o dispositivo estará no mercado”, admite.

Um equipamento de análise simples e barata poderia ser especialmente útil em alguns países da África, onde a falta de recursos se une ao estigma cultural da infertilidade masculina. Além do uso em casais que estejam buscando um bebê, os pesquisadores enfatizam que o dispositivo poderia servir também para supervisionar o sucesso de uma vasectomia e para medir a qualidade do esperma de sementais animais.

MAIS INFORMAÇÕES