Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Lista de Janot e protestos, a conjunção que ameaça os planos de reforma de Temer

Aprovar projeto original de mudança da Previdência, uma pauta impopular, se torna mais difícil

Temer discursa em evento em Brasília. REUTERS

A quarta-feira de Michel Temer foi de silêncio. Ao menos sobre os questionamentos que interessavam à imprensa. "Presidente, como é ter cinco ministros na lista do [procurador-geral Rodrigo] Janot?", arriscou um repórter. Não houve resposta. Era a segunda vez que o peemedebista evitava os jornalistas em poucas horas. Na noite anterior, uma crise sem precedentes havia começado, com o vazamento dos primeiros nomes do gabinete que o procurador-geral deseja investigar com base nas delações da Odebrecht e com a certeza de que muitos de seus aliados no Congresso tampouco estarão a salvo. Ainda assim, fugir da imprensa estava longe de ser seu único inconveniente no dia. Nas ruas, mobilizações contra a reforma da Previdência ganhavam fôlego, trazendo mais dificuldades para a aprovação no Congresso de um projeto já impopular entre os parlamentares.

O presidente não mencionou os protestos pelo país, mas fez questão de defender publicamente sua proposta para a Previdência nesta quarta. Pela manhã, durante o lançamento de um programa do Sebrae e do Banco do Brasil que dará emprego a bancários aposentados, ele disse, de forma apaixonada, que a reforma não pretende retirar direitos e que o projeto busca evitar um "colapso da aposentadoria". Chegou ainda a ponderar que modificações na proposta podem ser feitas no Congresso. "Mas não podemos fazer uma coisa modestíssima agora para daqui a quatro, cinco anos, termos que fazer como outros países que tiveram que fazer um corte muito maior porque não preveniram", disse ele. O aceno às possíveis mudanças não são à toa. O presidente falava ao público, mas também a nomes do Parlamento, que não escondem o desconforto com o projeto original enviado pelo Planalto, que aumenta as exigências para a aposentadoria, incluindo regra que iguala a idade mínima para que homens e mulheres obtenham o benefício. No final da tarde, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), decidiu reabrir e estender até sexta-feira o prazo para que os deputados apresentem emendas para a proposta _até o fim do período original, na terça, 146 pedidos de modificações já haviam sido apresentados, muitos deles de aliados.

O problema para o Planalto é que tanto os protestos como a Lava Jato devem ter efeito desagregador sobre sua até agora disciplinada base de apoio no Congresso. A um ano da próxima campanha eleitoral, quando muitos dos parlamentares tentarão se reeleger, o Governo já sabia que teria de vencer a resistência dos aliados em aprovar uma reforma tão impopular quanto a da Previdência. O custo de apoiar o Governo crescerá ainda mais se as manifestações desta quarta ganharem peso e constância _daí a decisão do Planalto de intensificar campanhas pela Internet e pela TV em defesa da projeto.

No plano estritamente político de reação à Lava Jato, a ordem do Planalto é privilegiar as pautas positivas para tentar diminuir os efeitos provocados pelos pedidos de abertura de inquérito feitos por Janot na terça-feira que, segundo a imprensa nacional, incluem cinco ministros: Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e Bruno Araújo (Cidades). Nesta quarta, o Jornal Nacional, da TV Globo, revelou que mais nome do gabinete estaria envolvido: Marcos Pereira (Desenvolvimento, Indústria e Comércio).

Parece pouco para manter o Governo em marcha e acalmar o clima de salve-se quem puder instaurado no Parlamento: dentre os 83 inquéritos pedidos por Janot, cuja abertura Fachin deve aprovar nos próximos dias, devem estar os nomes de muitos deputados e senadores, incluindo responsáveis pela articulação do governista nas Casas. Já se sabe que constam, na lista, os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM) e Eunicio Oliveira (PMDB) e os senadores Aécio Neves e José Serra (PSDB) e Romero Jucá, Renan Calheiros e Edison Lobão (PMDB). "Nós já sabíamos que a lista viria e que ela vai aumentar o desgaste do Congresso. É um momento grave, delicado e sem precedentes", afirmou à imprensa o senador Ronaldo Caiado (DEM).

Renan envia recado

Neste clima de confusão, o líder da bancada do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB), aproveitou para cutucar o Planalto ao sair de uma reunião da legenda com uma mensagem, antes de tudo, de autopreservação. Questionado se a divulgação da lista de Janot poderia emperrar as votações na Casa, ele afirmou que "o Governo não pode encaminhar equivocadamente essas reformas" no Legislativo. Para ele, um aliado reticente de Temer, o Executivo "já causou muito problema [com a maneira como encaminhou] a reforma da Previdência". "Se continuar assim vai inviabilizar outras, como a trabalhista e terceirização".

A oposição, que durante todo o dia aproveitou os microfones do plenário da Câmara para dar informes constantes sobre as manifestações, acredita que, diante do cenário complexo, dificilmente o Governo conseguirá aprovar a reforma da forma como encaminhou. "É uma reforma muito impopular", disse o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini, que trazia nas mãos moções de repúdio de vereadores de várias partes do país contra a reforma e comemorava: "As ruas estão lotadas".

Colaborou Gil Alessi

MAIS INFORMAÇÕES