Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“A lista de Janot vai emperrar as votações, haverá convulsão na base aliada”

Parlamentares orquestram minimizar o crime de caixa 2 enquanto dizem não temer Lava Jato

Para deputados de oposição, governistas ficarão atônitos e é Temer quem está por trás de anistia

“Já saiu foi?!”, indagou preocupado um deputado enquanto registrava presença no painel da Câmara dos Deputados no final da tarde desta terça-feira. Ele se referia à lista de pedidos de abertura de inquérito contra dezenas de políticos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que minutos antes havia sido enviada ao Supremo Tribunal Federal. Em instantes a tensão se dissipou no plenário quando os parlamentares foram informados de que os 83 pedidos de inquéritos entregues ao relator da Operação Lava Jato na Corte, ministro Edson Fachin, continuavam em sigilo. O resto da sessão continuou como se nada tivesse ocorrido – os parlamentares discutiram aumento de penas para pirataria, o fechamento de usinas termelétricas e ajuda aos Estados quebrados. Mas a aparente tranquilidade do Congresso esconde o temor de dezenas de deputados e senadores, que podem entrar definitivamente na mira das autoridades.

Lista de Janot nomes
Deputados durante a sessão plenária.

O deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) relativizou o peso da lista e trouxe à tona o debate que ronda a Câmara desde o início da semana passada. “Precisa ver se essa lista é de gente que recebeu doações segundo a lei antiga, quando empresas podiam doar, e se houve alguma reciprocidade pelos pagamentos”, disse Fortes. O parlamentar faz parte de uma corrente crescente na Casa que busca distinguir diferentes tipos de caixa 2: “É preciso que fique provado que foi caixa 2 com corrupção”. Esta distinção entre a doação não declarada fruto de dinheiro limpo, sem contrapartidas por parte dos políticos, e um repasse para quitar acordos firmados com empresas, tem pautado boa parte do Congresso e une governistas e opositores.

Até o momento, no entanto, nenhum projeto foi apresentado para fazer essa distinção. Uma nova tentativa de anistiar o caixa 2 também chegou a ser ventilada na Casa. Na saída da reunião dos líderes das bancadas, horas antes, o deputado Silvio Costa (PT do B-PE) afirmou que “o projeto não tem autor, ninguém tem coragem de assinar uma coisa dessas”. Em sua visão isso seria “uma patifaria”. “Queremos falar é da lista da Odebrecht! Quem quiser tomar Lexotan que tome!”, concluiu.

Na avaliação do deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), a divulgação oficial da lista, ainda sem data, deve travar as atividades do Congresso. “Isso vai emperrar as votações aqui, o Governo tenta negar, mas o fato é que haverá muita convulsão na base aliada”, disse. A expectativa é que ministros de Temer, deputados e senadores ligados ao Planalto serão atingidos nesta nova leva de inquéritos. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, os ministros Eliseu Padilha (PMDB), Moreira Franco (PMDB), Bruno Araújo (PSDB), Gilberto Kassab (PSD) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) integram a lista de Janot. Além deles, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) também estariam na relação.

Um dos delatores da empreiteira Odebrecht afirmou ao EL PAÍS que as colaborações podem “até não ter poder de fogo para derrubar Governo, mas certamente tornarão Temer refém”. Essa nova leva de pedidos de inquérito feito por Janot foi elaborada com base nos depoimentos dos executivos e ex-diretores da empreiteira.

Waldir Maranhão (PP-MA), ex-presidente da Câmara e investigado pela Lava Jato, afirmou que “a lista não vai prejudicar em nada os trabalhos na Câmara”, e disse que não há “ambiente político” para a aprovação de uma lei de anistia ao caixa 2. “O Brasil tem pressa, a sociedade jamais compactuaria com qualquer solução destas”, finalizou.

O petista Luiz Sérgio (RJ), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara que apurou irregularidades na Petrobras no ano passado, considerou a situação “esdrúxula”. “Se essa lista envolver grande parte dos parlamentares temos uma situação esdrúxula, que é um Parlamento sob suspeita querendo legislar temas de interesse da população”, afirmou. Para ele, “agora sim a população tem razões para se indignar”.

No fundo do plenário, o veterano de escândalos de corrupção Paulo Maluf (PP-SP), que chegou a integrar a lista da Interpol, sorria. “Eu não estou na lista do Mensalão, nem na Lava Jato nem na lista do Janot”, afirmou o pepista. “O Paulo Maluf não é nem de caixa 1 nem de caixa 2”, disse. Questionado sobre seus colegas de partido – o PP é uma das legendas mais atingidas pela Lava Jato -, o deputado disse “Não, não...” e se afastou.

Colaborou Marina Rossi.

MAIS INFORMAÇÕES