Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O cérebro revela o truque das notícias virais

Compartilhar nas redes ativa a região ligada à recompensa sobre a própria imagem, além dos vínculos sociais

Mulher lê algo no celular.

Todos os dias, as pessoas compartilham mais de quatro bilhões de mensagens no Facebook, 500 milhões de tuítes e 200 bilhões de e-mails. Em todo esse formidável fluxo de informações, alguns assuntos são vencedores universais: os temas e notícias virais, aqueles compartilhados intensamente. Uma equipe de pesquisadores tentou se aprofundar no conhecimento sobre o caráter viral das notícias analisando o cérebro de diversos indivíduos. A conclusão é que a viralidade não depende tanto do conteúdo da notícia, e sim de nós mesmos: da imagem que queremos vender aos demais e de como ela ajudará a fortalecer nossos vínculos.

As notícias que mais ativaram essas regiões cerebrais eram também as mais virais do The New York Times

Para entender o funcionamento do cérebro ante as notícias virais, cientistas da Universidade da Pensilvânia realizaram dois experimentos com 80 pessoas, mostrando-lhes notícias do The New York Times, um dos jornais mais relevantes e de maior circulação nas redes sociais. Os participantes viam notícias de saúde, escolhidas entre as mais compartilhadas, segundo os próprios registros do jornal. Primeiro, eles liam o título e um resumo da notícia. Depois, deveriam responder se queriam lê-la inteiramente e compartilhá-la de forma pública ou privada entre seus amigos do Facebook.

Durante o experimento, os pesquisadores observaram que foram ativadas as regiões do cérebro associadas a dois processos mentais bem localizados. Por um lado, o pensamento sobre si mesmo, que poderia ser entendido aqui como a imagem que o ato de compartilhar a notícia poderia dar sobre o próprio sujeito. “A evidência indica que as questões autorrelevantes estão entre os temas de conversa mais frequentes, em especial nos meios sociais, e que revelar informações sobre si mesmo pode ser inerentemente gratificante”, explicam os autores do estudo, publicado na revista científica PNAS. “Através desse mecanismo neuronal, as expectativas de obter resultados positivos sobre si mesmo ao compartilhar [a notícia] aumentam o valor percebido da troca de informação, o que, por sua vez, incrementa a probabilidade de compartilhá-la.”

Ao publicar algo no timeline, ficamos expostos ao julgamento dos demais, apostando que isso ajudará a melhorar nossos laços e o que pensam de nós

Por outro lado, os pesquisadores observaram a ativação de uma região usada pelo cérebro para entender o que os outros estão pensando. Quem pretende compartilhar uma notícia deve considerar o que há na mente dos demais, seus conhecimentos, opiniões e interesses, para prever as possíveis reações de seu público. “Esse tipo de cognição social implica prognósticos sobre os estados mentais dos outros. Por exemplo, predizer o que eles podem pensar e sentir acerca da informação compartilhada e de quem a compartilha”, afirmam os autores. Assim, ao publicar algo em nosso muro, ficamos expostos ao julgamento dos demais fazendo uma aposta e uma profecia: eles vão gostar, e isso ajudará a melhorar nossos laços comuns e o que pensam de nós.

Além disso, as notícias que mais ativaram essas regiões cerebrais coincidiram com as informações que tiveram maior impacto nas redes sociais, compartilhadas milhares de vezes segundo os dados do jornal.

“As pessoas estão interessadas em ler e compartilhar conteúdos que conectam com suas próprias experiências, ou com o seu sentido de quem são ou querem ser”, disse em nota Emily Falk, responsável pelo trabalho e diretora do Laboratório de Neurociências da Universidade da Pensilvânia. “Compartilham coisas que possam melhorar suas relações, fazer com que pareçam inteligentes e empáticas ou mostrá-las positivamente.”

No caso das notícias virais, funcionariam ao mesmo tempo vários fenômenos já conhecidos. Por exemplo: uma das coisas que mais causam satisfação é compartilhar informações sobre nós mesmos, tanto em redes sociais como em interações convencionais. Também se sabia que as pessoas mais persuasivas, as que conseguem convencer melhor com sua mensagem, são as que têm mais desenvolvida essa capacidade de se colocar no lugar dos outros, de prever o que há na mente deles.

Os autores do estudo reconhecem que é muito abrangente o que pode ser pessoalmente relevante e útil para compartilhar entre pessoas distintas. Mas lembram que “as sociedades humanas se caracterizam por um conjunto de valores comuns e normais sociais básicas que promovem a conduta entre os indivíduos”. Como consequência, concluem, não é incomum que haja muitas notícias que possam ser percebidas por muitos como uma informação com muito valor, tanto para a imagem pessoal como para o sentido de pertencimento ao grupo.

MAIS INFORMAÇÕES