Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O Facebook quer entrar na sua TV

Rede social desenvolve aplicativo para oferecer vídeo de qualidade

Mark Zuckerberg, fundador de Facebook.
Mark Zuckerberg, fundador de Facebook. AP

O Facebook se prepara para a chegada da sua adolescência. Próximo de completar 13 anos, a empresa luta para manter sua hegemonia na guerra pela atenção do público. Começou pelo computador, invadiu o celular, quer dominar o campo da realidade virtual e está perto, também, de uma das telas mais cobiçadas: a televisão. Aparecer nesse suporte é estar no centro dos lares e ser objeto de conversas compartilhadas.

Tal como já fazem a Apple, com sua Apple TV, a Amazon, com a Fire TV, a Netflix e a HBO, a estratégia da rede social passa por uma associação com o maior número possível de videoclubes online, assim como de equipamentos que se conectam ao aparelho de televisão.

Depois de demonstrar a sua capacidade para armazenar todo tipo de vídeos, em concorrência direta com o YouTube, e a simplicidade trazida para transmissão ao vivo pelo Live (a estrela de 2016) e de potencializar a inclusão de pequenos cortes no Instagram, o próximo passo será realizar produções de melhor qualidade.

A empresa de Menlo Park já conversa sobre poder realizar programas com acabamento de qualidade e oferecer uma grade. Durante o último ano, fechou acordos com vários meios de comunicação para transmissão ao vivo. Seu plano é deixar de pagar pela produção dessas emissões ao final desses contratos iniciais e incentivar a criação de programas de qualidade, não necessariamente ao vivo, para incluir em sua grade.

Empresa já fala sobre a realização de programas com acabamento de qualidade e oferecer uma grade

O Facebook busca novas formas de ganhar dinheiro. Na Internet, está em segundo lugar, atrás apenas da Google. Enquanto esta última possui suportes variados e em crescimento constante, desde o buscador até espaços em sites de conteúdo, com muita ênfase nos celulares, o Facebook deu mostras, em novembro, de saturação de seu suporte principal e quase único, o News Feed, o mural em que se postam as atualizações dos perfis.

Com a exploração do novo suporte, a empresa espera reforçar o seu crescimento financeiro. Somente nos Estados Unidos, o mercado publicitário de televisão chega a 70 bilhões de dólares. Mas ela terá de enfrentar, como tem sido o caso do YouTube, o desafio de fazer com que os preços dos anúncios sejam relevantes. Até o momento, eles são inferiores aos aplicados pelo buscador. Uma das primeiras decisões do Facebook foi evitar os anúncios que antecedem as emissões, que são quase uma regra no YouTube, e apostar em inserções de 15 segundos ao longo da emissão do conteúdo.

De acordo com a Nielsen, o consumo diário de televisão nos EUA é de quatro horas, enquanto que, segundo os dados divulgados aos seus investidores, a rede social criada por Marc Zuckerberg, consegue prender sua audiência durante 50 minutos, em média, por dia.

MAIS INFORMAÇÕES