Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A virgindade aos 35 não é apenas coisa do Japão (é também do Vale do Silício)

Cresce o negócio de sexólogos que ajudam os geeks a perder o medo do sexo

O Japão já tem data de validade. A assexualidade de seus habitantes, que começa a ser símbolo do país assim como o sumô ou o saquê, fará que, em 16 de agosto do ano 3766, haja uma única pessoa habitando a ilha nipônica, segundo cálculos de dois pesquisadores da Universidade de Tohoku, que se basearam em um algoritmo matemático e dados de população e fertilidade. Até o momento, o interesse em ter relações sexuais continua decrescendo no mesmo ritmo em que se inventam todos os tipos de extravagâncias, produtos e experiências em relação ao sexo. Um sexo platônico que é adorado como o céu ao qual, por enquanto, é impossível ter acesso.

Não muito tempo atrás, as estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisa da População e Seguridade Social revelavam que 44,2% das mulheres e 42% dos homens japoneses solteiros e com menos de 34 anos eram virgens. Uma proporção que tem aumentado quando comparada com outras estatísticas da mesma agência, de 2010, que mostravam um índice de virgindade um pouco mais baixo para o mesmo grupo: 36,2% entre homens e 38,7% para as mulheres. Já existe um termo, yaramiso, para definir os homens de meia-idade que ainda não tiveram relações sexuais e numerosas tentativas para conseguir que a luxúria volte a entrar na lista de pecados capitais. Classes de sexo, livros como Virgin Breaker e iniciativas como a Virgin Academy, criada pela associação White Hands, que organiza classes de pintura com modelos nuas, as quais os homens podem tocar ou abraçar para se familiarizar com o corpo feminino, palestras ou reuniões nas quais não falta o vinho para quebrar o gelo.

O problema é que o interesse zero por sexo não é exclusivo da Terra do Sol Nascente, mas também avança perigosamente em um mundo que parece querer se extinguir ou, talvez, se proteger da prejudicial e irracional raça humana. O Vale do Silício, o think tank global onde muitos cérebros tecnológicos começaram a se alimentar com alimentos em pó de astronautas para economizar o tempo de cozinhá-los, desconhece o sabor de outros tipos de pó, os sexuais. Como destacava um artigo da revista Vocativ, um negócio em expansão na Baía de San Francisco é o de sexólogos, conselheiros sexuais ou os chamados surrogates; na maioria das vezes, profissionais do sexo disfarçadas de terapeutas sexuais que ajudam muitos geeks a perder a virgindade ou se aproximar das garotas, esses programas tão sofisticados, instáveis e imprevisíveis.

Se o trabalho começa a ser uma das razões pelas quais as pessoas perdem seus instintos mais primitivos, as crenças religiosas têm sido sempre o grande impedimento para colocá-los em prática. Comunidades cristãs em países como os Estados Unidos contra-atacam novamente com a ideia de que é preciso casar virgem, e não faltam seguidores. O True Love Project é uma iniciativa totalmente focada nessa tarefa, sem dúvida uma das mais urgentes no panorama mundial. As razões para jogar a roleta russa e unir-se pela vida toda a alguém que se desconhece sexualmente são variadas, mas a revista cristã Charisma Magazine destaca duas de peso: 1. Porque Deus diz que é preciso esperar; 2. Porque você tem valor, como dizia o anúncio.

Mais comum do que pensamos

Manter a virgindade na idade adulta, por causas alheias à própria vontade, não é um fato tão isolado como se possa imaginar em um mundo no qual muitas utopias se tornaram realidade, ao mesmo tempo em que começamos a precisar aprender sobre comportamentos até agora instintivos. Segundo Francisca Molero, sexóloga, ginecologista, diretora do Institut Clinic de Sexologia de Barcelona e diretora do Instituto Ibero-Americano de Sexologia, “os motivos pelos quais se chega a uma certa idade sem ter tido relações sexuais são variados, mas se dividirmos a questão por gênero, o mais comum é que, no caso dos homens, seja por uma falta de habilidade em lidar com as mulheres decorrente de problemas de insegurança. As garotas, no entanto, chegam à consulta alegando que têm vaginismo e que para elas a penetração é impossível. Em alguns casos, isso é verdade, mas em outros é apenas uma falta de conhecimento do próprio corpo e da sexualidade, aliado a um medo de sentir dor na ruptura do hímen ou que o parceiro perceba que é virgem e inexperiente. Isso pode gerar uma espiral de angústia do tipo: quero deixar de ser virgem, mas enfrentar minha primeira relação me dá medo, por isso vou adiando. E assim se pode chegar à meia-idade. A partir dos 24 ou 25, a virgindade indesejada pode começar a ser desconfortável e causar preocupação e mal-estar”.

Sara (33 anos, de Madri) já teve relações sexuais, mas nunca com penetração. Algo que ela verbalizada como “estar como minha mãe me trouxe ao mundo”. Sara teve algumas relações com mulheres, embora não se defina 100% lésbica, e “brincadeiras” com os homens. Também passou por fases que chama de “assexuais” e, como muitos millennials, não sente necessidade de se rotular sobre sua orientação sexual. “Não é tão difícil chegar aos 33 anos virgem”, admite, “você só tem que se concentrar em outras coisas e ir um pouco contra a corrente. Quando minhas colegas de escola estavam paquerando nas discotecas, eu ficava em casa lendo, assistindo a filmes ou ouvindo música. Tinha outros interesses, mas, além disso, não ter ‘estreado’ é facilmente dissimulável socialmente. É preciso evitar de falar sobre o assunto quando a conversa começa a girar em torno de sexo ou, se te perguntam, você inventa uma história crível”. Sara não vive sua condição como um trauma, porque, como diz, “a ideia que tenho de alguém virgem é daquela pessoa que nunca compartilhou uma relação sexual com ninguém. A penetração vaginal é uma prática sexual como qualquer outra — sexo oral, anal, que outro (a) te masturbe —, mas esta é a que recebeu a patente, o certificado atestando que você já ingressou no mundo do sexo. Gostaria de tentar o coito, claro, e espero fazê-lo. Mas digamos que, por enquanto, não surgiu a oportunidade”.

No outro extremo estão aqueles que, tendo atingido uma certa idade, acreditam ser imprescindível a perda desse lastro chamado virgem, e que não é exatamente o signo do zodíaco. Nas palavras de Francisca Molero, “não é preciso buscar o príncipe, entre outras coisas, porque ele não existe, mas é desejável ter a primeira experiência com alguém de quem gostamos. Porque, embora os sexólogos já não acreditem na teoria que afirmava que a primeira relação determinava a vida sexual posterior, de fato pode levar a padrões, comportamentos e crenças errôneas”.

Sempre me surpreendeu o medo que os lençóis causam em muitas pessoas, o terreno íntimo e erótico, no qual, com algumas exceções ou situações de agressão, a maioria das pessoas se mostra, apesar de suas inseguranças, amáveis e compreensivas. Atualmente, o mundo corporativo ou simplesmente o noticiário me parecem muito mais assustadores. “Nos homens que não arriscam uma primeira vez, tentamos inculcar a ideia de que, em cada nova relação, somos todos de certa maneira ‘virgens’, já que cada pessoa, corpo, sensibilidade e situação são únicos. Em relação às garotas, tentamos lhes ensinar como o corpo delas funciona e as incentivamos a explorar a própria sexualidade e sua resposta erótica. Sozinhas ou com a ajuda de um vibrador”, diz Molero.

E, enquanto alguns arrastam com angústia sua virgindade tardia, outros embarcam em procedimentos para recuperá-la a todo custo, graças à cirurgia de reconstrução do hímen. De acordo com Patricia Gutiérrez Ontalvilla, cirurgiã plástica e reconstrutiva da Imedmu — primeira clínica da Espanha dedicada exclusivamente às mulheres, com sede em Valência, e que tem uma seção de cirurgia vaginal —, “a maioria das clientes que exigem uma himenoplastia são motivas por razões culturais ou religiosas. Quase todas são árabes ou de etnia cigana e precisam casar virgens para seguir com suas vidas ou serem aceitas em sua nova família”.

Não faltam as que vendem sua segunda ou terceira “primeira vez” na rede para ganhar muito dinheiro, como fez a brasileira Catarina Migliorini; ou as que, em uma tentativa desesperada para continuar no centro das atenções, como a apresentadora de televisão espanhola Leticia Sabater, passam por cirurgias para anunciá-las ao mundo. Há também um terceiro grupo, como destacava um artigo do The Wall Street Journal, o das norte-americanas endinheiradas já maduras que querem surpreender o marido, em bodas de prata ou de ouro, com uma milagrosa nova virgindade. Se alguma vez eu perder o juízo e fizer isso, autorizo a quem ler este artigo para que assine minha eutanásia.

MAIS INFORMAÇÕES