Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

No xadrez da Lava Jato, Lula vira réu pela primeira vez por tentar obstruir investigação

Um dia depois de o ex-presidente ir à ONU denunciar supostas violações do juiz Sérgio Moro, Justiça acata denúncia contra ele e mais seis pessoas

Lula vira réu na Lava Jato
Lula, em uma foto de junho deste ano. AFP

O ex-presidente Lula se tornou réu pela primeira vez nesta sexta-feira, no âmbito da investigação da Lava Jato. A Justiça Federal do Distrito Federal acatou a denúncia apresentada pelo Ministério Público de que Lula, o ex-senador Delcídio do Amaral, Diogo Ferreira (ex-chefe de gabinete de Delcídio), o banqueiro André Esteves, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai estariam tentando obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O grupo teria tentado comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que se tornou delator do esquema de corrupção na estatal. A decisão da Justiça acontece um dia depois de o ex-presidente entrar com uma denúncia na ONU contra o juiz Sérgio Moro e os supostos abusos de poder na condução da Lava Jato.

A acusação de que Lula tentava obstruir as investigações foi apresentada ao Supremo pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no início do ano, com base na delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral. Na época, o caso tramitava no STF porque Delcídio ainda era senador e, portanto, tinha foro privilegiado, só podendo ser julgado no Supremo. Porém, após ser cassado, em maio, Delcídio perdeu o foro privilegiado e o Supremo enviou o caso para a Justiça de Brasília, para que fosse julgado em primeira instância. Com isso, o Ministério Público Federal foi acionado e precisou confirmar a acusação, o que ocorreu na semana passada.

Segundo a denúncia, Lula foi o dirigente da atividade criminosa que tentou comprar a delação de Cerveró. O ex-presidente "impediu e ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa, ocupando papel central, determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Santos Esteves, Edson de Siqueira Ribeiro, Diogo Ferreira Rodrigues, José Carlos Bumlai, e Maurício de Barros Bumlai".

O ex-presidente também tem outros dois processos na Justiça: é acusado de ter recebido vantagens indevidas de empreiteiras – a reforma de um sítio em Atibaia e de um tríplex no Guarujá – como contrapartida por contratos obtidos durante seu Governo. Ele também é suspeito de tentar se proteger da Justiça tentando virar ministro da Casa Civil do Governo Dilma Rousseff. 

Na tarde desta sexta-feira, logo após a publicação desta notícia, Lula participava do Seminário Nacional do Sistema Financeiro e Sociedade, promovido pela CUT em São Paulo. Ele disse que acabara de saber do ocorrido. "Eu já cansei", disse o ex-presidente. "Eu não tenho que provar que eu tenho apartamento. Eles é que tem que apresentar documentos de compra, algum contrato assinado", afirmou, se referindo à outra acusação.

MAIS INFORMAÇÕES