Seleccione Edição
Login
Login ¿No tienes cuenta? Cadastre-se Assine

Protestos anti-PT registram agressões a quem veste camiseta vermelha

No Rio e Curitiba, três pessoas saíram escoltadas para se proteger de manifestantes

Homem é agredido durante o protesto em Curitiba.

A polarização que se estende desde as eleições do ano passado foi evidente em alguns dos protestos contra o Governo deste domingo, com cenas de agressividade que destoam do tom pacífico que os organizadores procuraram manter. Algumas cidades registraram casos isolados de violência contra pessoas que vestiam vermelho, numa cena típica das perigosas brigas de torcidas de futebol.

Em Curitiba, um casal foi agredido porque vestia camisetas vermelhas, o que provocou a ira dos manifestantes anti-Dilma, que se caracterizaram por vestir roupas verde e amarela. A camiseta do rapaz, que tinha uma imagem de Che Guevara estampada, foi arrancada do seu corpo e, depois, incendiada. O rapaz tomou socos e chutes dos presentes. Ambos ficaram feridos e tiveram de ser escoltados pela polícia.

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, seis policiais tiveram que escoltar um senhor vestindo vermelho até um táxi, após uma multidão tentar agredi-lo, lhe desejar a morte e encurralá-lo, aos gritos de “filho da puta”, informa María Martín. Em Londrina, no Paraná, um estudante da Universidade Estadual de Londrina também teve de ser escoltado pela polícia quando tentava passar por uma calçada de camiseta vermelha.

Estabelecer uma conversa com uma multidão decidida a gritar conjuntamente por ideias polêmicas também se mostrou infrutífero para Paolo, um senhor que caminhava na avenida Paulista. Ao ouvir um grupo de manifestantes fazendo críticas a feministas, ele tentou argumentar com alguns deles que a inquisição havia matado muitas mulheres. Seu comentário foi logo rebatido com gritos e provocações. “Mamadeira do PT”, gritava um manifestante, enquanto Paolo falava. “Viva a direita! Os conservadores vão dominar o Brasil!” e “Viva Bolsonaro” repetiam outros. O embate se transformou num princípio de tumulto, aos gritos de “Vai pra Cuba” e “fora comunista”, que chamou a atenção dos jornalistas presentes, que começaram a filmar a cena. “Enfia a câmera no cu”, gritou um rapaz mais exaltado para o grupo da imprensa.

Jovens são agredidos durante a manifestação de Curitiba.

A reportagem do EL PAÍS questionou a ordem e imediatamente começou a ser hostilizada. “Onde você pensa que está?”, gritou um homem à repórter. “Eu sei o que vocês escrevem. Vocês distorcem os fatos”, dizia outro manifestante com uma camiseta escrito "fora Dilma". Ao se distanciar da reportagem, gritou “sua feminazi”, uma junção de feminista com nazista.

MAIS INFORMAÇÕES